Espíritos – A Morte está ao Seu Lado (2004)

TERROR FOTOGRÁFICO

Antes de Shutter, outros filmes de horror e suspense usaram a fotografia como elemento de destaque. Algumas vezes, a foto registra, acidentalmente, um crime; em outras, a fotografia é a prova incontestável de uma maldição. Pode-se dizer que o roteiro de Shutter bebeu um pouquinho de cada uma das fontes abaixo, embora a história do terror tailandês seja bastante original. Confira outros filmes onde o medo é captado pela lente das câmeras fotográficas:

Blow Up (1966) (1)

BLOW UP – DEPOIS DAQUELE BEIJO (Blow Up, 1966, Itália). Direção de Michelangelo Antonioni
Neste suspense psicodélico, que reflete bem a época em que foi feito (auge do movimento hippie), David Hemmings interpreta um fotógrafo que, ao registrar algumas imagens num parque deserto, acaba fotografando, acidentalmente, um assassinato. Ele descobre o fato ao revelar o filme e ver um cadáver escondido atrás de arbustos. Curioso e desesperado ao mesmo tempo, o fotógrafo se entrega a um processo frenético de fazer sucessivas ampliações da imagem, para tentar captar novos detalhes, que lhe permitam chegar a uma solução do mistério. Ao mostrar Tun ampliando suas fotos para descobrir o que é aquele vulto que captou em meio aos formandos, os diretores de Shutter prestaram esta pequena homenagem ao clássico de Antonioni. Como curiosidade, Blow Up registra uma rara apresentação dos Yardbirds, como Jimmy Page e Jeff Back dividindo o palco!

A Profecia (1976) (1)

A PROFECIA (The Omen, 1976, Inglaterra). Direção de Richard Donner
Quem ainda não viu este fantástico e assustador blockbuster inglês, que deu origem a uma bem-sucedida série de filmes? Gregory Peck interpreta um embaixador americano que adota uma criança em segredo, sem saber que aquele é o Anticristo, filho do demônio encarnado numa inocente criancinha. Em determinado momento da trama, entra em cena o fotógrafo interpretado por David Warner, cuja máquina fotográfica tem o poder (nunca bem explicado) de mostrar como os personagens do filme vão morrer. Por exemplo: ele fotografa um velho padre e fica curioso com um risco escuro que aparece atravessando-o na imagem, só para depois descobrir que o padre foi empalado por uma barra de ferro. Porém, o fotógrafo tem o azar de, acidentalmente, tirar uma foto sua no espelho, e a imagem sai com um risco no seu pescoço – revelando que ele irá morrer degolado, numa das cenas mais marcantes do filme! As fotografias que mostram detalhes estranhos são o foco principal em Shutter.

RINGU – O CHAMADO (Ringu, 1998, Japão). Direção de Hideo Nakata
O filme que apresentou o moderno cinema de horror oriental ao grande público no Ocidente – mesmo que isso tenha acontecido apenas através do remake feito nos Estados Unidos. Sadako, a fantasma vingativa da trama, utiliza basicamente videocassete e TV para espalhar sua maldição. Mas as fotos são uma parte integrante do esquema sobrenatural, porque as vítimas têm a certeza que estão amaldiçoadas, e morrerão em sete dias, quando começam a aparecer desfocadas em fotografias. Aliás, “desfocadas” é elogio: a cara delas sai literalmente deformada nas imagens. Isso se justifica: é daquele jeito, embaçado, que Sadako vê as coisas no fundo do poço onde seu cadáver está preso. Então, se um dia você sair com a cara esquisita numa foto, já sabe: é a mais nova vítima da maldição de Sadako!

Retratos de uma Obsessão (2002)

RETRATOS DE UMA OBSESSÃO (One Hour Photo, 2002, EUA). Direção de Mark Romanek
Robin Williams tentou desfazer sua imagem de “bom moço” neste suspense convencional. Ele interpreta Sy Parrish, um tímido e solitário funcionário de laboratório de revelação de filmes fotográficos. Durante anos, é ele quem revela as fotografias da família Yorkin – e, em seu dia-a-dia psicótico, acredita que aquela é a sua família perfeita. Sem o patrão saber, Sy separa algumas fotos da família, que vai usando para montar um mural em sua casa. Depois de anos acompanhando boa parte da vida dos Yorkin, o maluco descobre – sempre pelas fotos – que o chefe de família está tendo um caso. Como aquilo destrói a sua imagem de “família perfeita“, ele resolve agir para colocar as coisas de volta nos trilhos. Neste filme, a fotografia aparece como elemento desencadeador do pesadelo – mais ou menos como em Shutter, só que sem o fator sobrenatural.

ARQUIVO X – INQUIETAÇÃO (The X-Files – Unruhe,1996, EUA). Direção: Rob Bowman As aventuras televisivas dos agentes do FBI Mulder e Scully, no famoso seriado Arquivo X, renderam alguns momentos aterrorizantes. Inquietação, episódio da quarta temporada do programa, é um deles. Na trama, um assassino com trauma de infância tem o poder de “sensibilizar” filmes fotográficos nos locais por onde passa, registrando nas fotos imagens bizarras do seu subconsciente. Analisando estas fotos, Mulder descobre as pistas para chegar à identidade do sujeito e ao seu esconderijo, já que sua parceira Scully é uma das futuras vítimas do louco. O roteiro escrito por Vince Gilligan coloca Mulder falando rapidamente sobre o fenômeno das fotos espíritas e é bem criativo na sua abordagem do tema.

(Visited 4.348 times, 1 visits today)
Felipe M. Guerra

Felipe M. Guerra

Jornalista por profissão e Cineasta por paixão. Diretor da saga "Entrei em Pânico...", entre muitos outros. Escreve para o Blog Filmes para Doidos!

10 comentários em “Espíritos – A Morte está ao Seu Lado (2004)

  • 02/11/2016 em 22:12
    Permalink

    Crítica espetacular, mas infelizmente não pude assistir ao filme de maneira adequada, pois meu irmão ficou no quarto jogando vídeo-game alto e me atrapalhou.
    Cara, eu MATARIA por um pouco de privacidade.

    Resposta
  • 15/07/2016 em 05:12
    Permalink

    Eu sou fã dessa cultura oriental desde os tempos de Jaspion e companhia (risos) e, desde então, eu sou um consumidor de assistir filmes, animes, e tudo o que é ligado à cultural oriental!! Pois bem, falando neste filme, que acabei de ver, hoje, sexta-feira (15/07/2016), às 04h16min da madrugada, só posso dizer umas coisas: “Realmente, dá muitos sustos mesmo e, como é tradicional no cinema oriental, segundo as palavras do Felipe: “No final, como é comum nas produções orientais, algumas coisas ficam sem explicação. Acontece que os filmes vindos do Oriente privilegiam mais o medo e menos as justificativas, ao contrário do que fazem as produções ocidentais”. Além disso, o filme é excelente e cheios de reviravoltas, o que é comum em produções orientais, porque falo por experiência, porque, como eu disse anterior, assisti – e continuo assistindo, até os dias de hoje, produções orientais, neste caso, japonesas, tais como, Jaspion e companhia, pois são cheios desse recurso que, por sinal, funciona muito bem!! Por fim, o final, além de ser sinistro e com reviravolta, realmente, não é o que aparenta ser, mais uma vez, segundo as palavras do próprio Felipe: “Só vou deixar uma pista: um dos elementos aparentemente mais importantes da trama na verdade NÃO tem nada a ver com o que acontece! Bem, esse é a minha (grande) opinião sobre esse espetacular filme!! Até mais, pessoal!! [^J^]

    Resposta
  • 31/12/2014 em 06:05
    Permalink

    Que resenha prolixa! Incontáveis vezes você cita os “chatonildos do cinema”. Mas o filme é, de fato, muito bom. Vi há anos e não esqueço a cena final.

    Resposta
  • 25/06/2014 em 20:16
    Permalink

    Muito bom este filme, a cena final é aterrorizante, muito bom.

    Resposta
  • 28/02/2014 em 12:14
    Permalink

    Gente amei adorei esse filme e mt foda ! Gente eu amo filmes orientais e seus remakes….o grito e o chamado tiraram minha noite de sono por 2 semanas……amo esses filmes de mulheres com cabelo na cara ! Mt foda
    ……pra mim nao precisa de sangue e sexo pro filme ser bom…e sim uma historia q te prenda e faca vc ficar a espera de novos acontecimentos coisa q o chamado…o grito….e shutter souberam fazer mt bem…..o procimo filme da lista e A TALE OF TOW SISTERS…..se for bom como os filmes orientais e remakes q eu assisti vai ser otimo !

    Resposta
  • 07/02/2014 em 00:46
    Permalink

    Vi Shutter pela primeira vez há pouquinho tempo mas infelizmente não foi nas condições mais adequadas. Alguém havia me feito a mesma recomendação – ver o filme sozinho, com todas as luzes apagadas e com o som bem alto – mas eu não dei muita bola.

    Se arrependimento matasse…

    Resposta
  • 22/01/2014 em 16:06
    Permalink

    Show de bola um dos melhores que eu já ví!

    Resposta
  • 20/01/2014 em 18:07
    Permalink

    mesmo eu não sendo muito fã de filmes dessa galerinha dos olhinhos puxados,fiquei com muita vontade de assistir esse filme,crítica muito boa hein rapaz? tá de parabéns 🙂

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *