Falando no Diabo 54 – A década do horror no cinema brasileiro

5
(4)

O horror não é nada novo dentro do cinema brasileiro, há décadas temos produções de gênero, em maior ou menor grau. Porém, em 2008, dois filmes foram marcos dentro desse cinema, ajudando a abrir portas e consolidar o horror brasileiro: Encarnação do Demônio, de José Mojica Marins, e Mangue Negro, de Rodrigo Aragão. Daí pra frente tivemos oportunidade de acompanhar diretores como Gabriela Amaral Almeida, Dennison Ramalho, Marco Dutra, Juliana Rojas, Matheus Marchetti e mais. No episódio de hoje, convidamos o crítico Filippo Pitanga para conversar sobre as principais produções desses realizadores e as características do cinema de horror brasileiro.

Convidado:
Filippo Pitanga

Equipe de gravação:
Silvana Perez
Ivo Costa
Filipe Falcão

Links:
Podcast Imovision

Edição:
Maurício Murphy

Arte:
Lucas Crizza

Se você acompanha nosso conteúdo e pode nos ajudar a manter o Falando no Diabo e o Boca do Inferno vivos, acesse nosso Padrim ou nosso PicPay e conheça as formas de colaborar e as recompensas.

Estamos no Spotify!

Falem com a gente! Estamos no Instagram, Twitter e Facebook e, claro, no site!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 4

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Silvana Perez

Escolheu alguns caminhos errados e acabou vindo parar na Boca do Inferno. Ainda fala de feminismos no Spill the Beans e de ciclismo no Beco da Bike.

One thought on “Falando no Diabo 54 – A década do horror no cinema brasileiro

  • 01/08/2021 em 14:09
    Permalink

    Já fiz minha listinha de filmes e comecei a ver. Alguns gostei, outros, nem tanto. Dos que já tinha visto antes do episódio, meus preferido são O animal cordial e As boas maneiras, nessa ordem de preferência,

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.