As Várias Mães dos Filmes de Horror

Uma data especial como essa pede a companhia da família e principalmente daquela que cuidou de você e soube prepará-lo para a vida! Além dos presentes básicos – alguns filhos tendem a presenteá-las com eletrodomésticos, mesmo sabendo que ela tem mais funções do que apenas preparar almoço e janta -, sempre é importante algumas palavras de carinho e, quem sabe, um filme para aproveitar o domingo! Você está cansado daquelas comédias ao estilo Sessão da Tarde, sempre cheias de lições de vida, e quer, de repente, apresentá-la ao gênero fantástico? Para isso, o Boca do Inferno fez uma seleção de filmes que você poderia muito bem passar para ela, com orgulho por saber que são produções de terror e que representam os vários tipos de mães! Sem Esquenta ou Domingão do Faustão, Rodrigo Faro ou Eliana…o bom mesmo vem acompanhado de calafrios…

Para as Mães Ciumentas (aquelas que cuidam demais da vida do filho)

Psicose (1960)
Psicose (1960)

Psicose (Psycho, 1960)
Apesar das diferenças e das atitudes suspeitas, mãe e filho da família Bates são tão unidos que parecem um só! Quando Norman tenta levar uma vida normal, com um bom emprego e atitudes simpáticas, os ciúmes impedem qualquer contato do filho com outras mulheres, deixando-o com a missão de se livrar dos corpos! Pobre, Norman! Assim, ele não vai conseguir se relacionar com ninguém…

Para as Mães Superprotetoras (aquelas que querem proteger os filhos de tudo, sem saber dos males que isso pode causar)

Os Outros (2001)
Os Outros (2001)

Os Outros (The Others, 2001)
Ela é realmente preocupada com os filhos, principalmente pela doença que os impede de sair à luz do dia. Com isso, portas devem ser trancadas, e as cortinas nunca podem ser abertas! Essa superproteção pode ter relação com a ausência do marido, convocado para a Guerra, e também com a solidão, causadora de uma tensão psicológica que pode culminar em atitudes drásticas. Ah…e parece que fantasmas rondam a moradia em busca de um contato! Nada disso importa; ter uma mãe como a Nicole Kidman já vale todo o sacrifício!

Para as Mães Carinhosas (aquelas que gostam de estar sempre com os filhos, enchendo-os de beijos e carinhos)

A Noite dos Mortos-Vivos (1968)
A Noite dos Mortos-Vivos (1968)

A Noite dos Mortos-Vivos (Night of the Living Dead, 1968)
Karen está doente. Em pleno momento tenso, com o ataque sem explicação de mortos recentes, a sua mãe Helen não quer deixá-la sozinha. Ela nota a presença de estranhos na residência e pede ao marido que vá verificar o que está acontecendo, mas ele acredita que o porão é o melhor lugar para se esconder. E não é que ele tinha razão? Num dos momentos tensos, a pequena irá despertar faminta, e não irá poupar os pais de agressões físicas…ora, que mãe gostaria de ver a filha com fome?

Para as Mães Autoritárias (aquelas que são firmes no modo como lidam com seus filhos)

Carrie (1976)
Carrie (1976)

Carrie – A Estranha (Carrie, 1976)
Sofrendo com as atitudes exageradas da mãe, fanática religiosa, a tímida Carrie utiliza seus poderes de telecinesia para se vingar dos colegas da escola, após uma brincadeira na festa de formatura. Muito se discute sobre as atitudes tanto da mãe quanto da filha, se essa relação conturbada poderia justificar os atos de violência no final. Será que Carrie agiria da mesma forma se tivesse uma mãe compreensiva e carinhosa?

Para as Mães Eternas (aquelas que nasceram para ser mães, a qualquer preço)

O Bebê de Rosemary (1968)
O Bebê de Rosemary (1968)

O Bebê de Rosemary (Rosemary´s Baby, 1960)
Não importa se os outros dizem que sua filha irá nascer morta, como a mãe de Grace (O Mistério de Grace), ou que você irá por no mundo o filho do Capeta…mãe é mãe! Rosemary estranha o cuidado excessivo dos vizinhos e certas marcas que apareceram em seu corpo. À medida em que vai percebendo que o pai de seu filho pode não ser seu marido, ela até se preocupa, mas permite que o amor materno fale mais alto mesmo se o bebê vier com um olhar esquisito e muitos pelos pelo corpo.

Para as Mães Vingativas e Violentas (nem arrisque a mexer com os filhos delas…)

Sexta-Feira 13 (1980)
Sexta-Feira 13 (1980)

Sexta-Feira 13 (Friday, the 13th)
Depois que seu filho se afoga nas águas de Crystal Lake, Pamela decide se vingar de todos os monitores, assassinando-os brutalmente. Pode parecer dócil a primeira vista, com suas blusinhas costuradas à mão, mas ela é forte e capaz de atitudes violentas para ensinar a todos uma lição importante sobre atenção e cuidado! Quem não gostaria de uma mãe que saísse na porrada com os outros para defender o filho?

Para as Mães Neuróticas (também cuidam da vida do filho, mas parecem estar mais preocupadas consigo mesmas)

Fome Animal (1992) (1)
Fome Animal (1992)

Fome Animal (Dead Alive, 1992)
Lionel é apaixonado por Paquita. Mas, para um envolvimento com a garota de seus sonhos será necessário muito mais do que romantismo e enfrentar a perseguição da mãe. Durante um passeio no zoológico, a progenitora será ferida com um macaco esquisito e iniciará uma horda de zumbis e monstros sangrentos! Essa doideira tem de tudo, até mesmo uma mãe gigante tentando colocar o filho novamente na barriga – um desejo particular de muitas mães!

Para as Mães Loucas (ou mãe de todos)

As Criaturas Atrás das Paredes (1991)
As Criaturas Atrás das Paredes (1991)

As Criaturas Atrás das Paredes (The People Under the Stairs, 1991)
Incesto sentido! Um casal de irmãos mantém presos numa mansão vários “filhos“, sem contato com a luz, vivendo de restos. Não basta roubar uma criança para a família…precisa ter todas – coração de mãe, né? Você faria parte dessa grande família?

Que outras mães você imagina que poderiam estar nesta galeria?

(Visited 323 times, 1 visits today)
Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro "Medo de Palhaço", além de ter participado de várias antologias de horror!

4 comentários em “As Várias Mães dos Filmes de Horror

  • 09/05/2015 em 12:32
    Permalink

    Faltou a Wendy de O Iluminado como super protetora e a mãe da Regan Teresa de O Exorcista como mãe eterna

    E Mater Suspiriorum,Mater Tenebrarum e Mater Lacrymarium como as 3 mães da disgraça :p

    Resposta
  • 09/05/2015 em 00:41
    Permalink

    Marcelo você esqueceu do ” Mother’s Day ” de 1980 pela Troma , mais é claro a versão sem cortes que faz parte da minha enorme coleção !

    Resposta
    • Marcelo Milici
      09/05/2015 em 09:55
      Permalink

      Na verdade, não esqueci, não. Foi o primeiro filme que veio à mente quando pensei em escrever sobre as várias mães. O problema é que faz tempo em que vi – e estou com uma recordação maior do remake, lançado por aqui como Dominados pelo Ódio. Para não fazer injustiças, optei por não mencionar nem um, nem outro.

      Abs

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien