Um Pesadelo Americano: Os 50 Exploitations Indispensáveis

0
(0)

Chegamos ao que muitos de vocês estavam aguardando, baseado em tudo o que já sabiam ou descobriram nos capítulos anteriores. Escolhi 50 produções que representam muito bem o que foi o exploitation em matéria de horror entre 1970 e 1985. Difícil escolher somente 50 entre centenas (talvez milhares) que foram realizados, porém eu acho que esta lista dará um bom parâmetro de escolha para você que nunca viu e quer saber como eram as produções daquela época.

O Lobisomem no Quarto das Garotas (1962)
O Lobisomem no Quarto das Garotas (1962)

Tal como o artigo, esta não é uma “lista definitiva” ou “100% abrangente” – alguns inclusive são de qualidade suspeita e certamente eu deixei para trás muitos filmes até melhores (ou piores, dependendo da ótica) do que estes abaixo.

Mais uma coisa: propositadamente não foram inclusos exploitations de fama conhecida, como A Vingança de Jennifer, Sexta-Feira 13, O Massacre da Serra Elétrica ou Quadrilha de Sádicos… A ideia era justamente realizar um checklist de obscuridades, uma maneira de trazer um pouco de ar fresco no meio do bolor formado entre tantas películas independentes. E, finalmente, este rol está ordenado apenas por ano de lançamento, não se constituindo de forma alguma a ordem de preferência deste autor.

Dracula Vs. Frankenstein (1970) Dir.: Al Adamson
Uma tentativa de ressurgir os dois monstros famosos na tela, mas sem a mínima aptidão e orçamento. Conseguiram arrastar Lon Chaney Jr. para esta bagaceira que seria seu último filme.

Carnival of Blood (1970) Dir.: Leonard Kirtman
Filme com sangue em profusão e efeitos toscos, bem como o diálogo estúpido neste “Psycho Killer”. Com participação de Burt Young (o Paulie dos filmes Rocky)

The Corpse Grinders (1971) Dir.: Ted V. Mikels
Uma empresa quase falida de comida para gato encontra uma matéria prima mais barata: Os cadáveres do cemitério local. O problema é quando os gatos adquirem um gosto por carne humana. A premissa é mais interessante que a execução, mas vale pela típica ambientação setentista.

I Drink Your Blood (1971) Dir.: David Durston
Um bando de hippies satanistas aterrorizam os moradores de uma cidade pequena. Após estuprar uma garota, a família decide dar o troco dando tortas aos bandidos feitas com sangue de um cão raivoso.

Let’s Scare Jessica to Death (1971) Dir.: John Hancock
Uma mulher recém saída de uma instituição mental tem experiências bizarras após se mudar para uma suposta fazenda assombrada e teme que esteja perdendo sua sanidade mais uma vez.

Simon, King of the Witches (1971) Dir.: Bruce Kessler
Um estranho filme independente experimental onde Simon, um jovem mágico, invoca poderes das trevas para se vingar de seus desafetos. Claramente inspirado em Charles Manson, mas sem um roteiro que siga uma linha coerente.

Werewolves on Wheels (1971) Dir.: Michael Lavesque
Só vou soltar estas palavras aqui e vamos ver se interessa ao leitor assistir: gangue de motoqueiros, monastério no meio do nada, monges adorando satã, possessão, mulher virando lobisomem.

Werewolves on Wheels (1971)
Werewolves on Wheels (1971)

The Gore Gore Girls (1972) Dir.: Hershell Gordon Lewis
Mais uma doideira de H.G. Lewis contando a história do desmembramento de strippers e uma repórter que se infiltra no cenário para investigar.

I Dismember Mama (1972) Dir.: Paul Leder
Um rapaz tenta matar sua mãe, é internado, foge e volta a persegui-la, matando tudo e todos que estiverem em seu caminho. Filme que ilustra bem o que é um Psycho Killer movie.

Pigs (1972) Dir.: Marc Lawrence
A história de uma garota que fugindo de uma instituição encontra abrigo com um fazendeiro criador de porcos. Quando ela volta a matar, o fazendeiro se desfaz dos corpos alimentando os porcos com eles. Chama a atenção por não entregar somente sanguinolência sem profundidade.

Scream Bloody Murder (1972) Dir.: Marc B. Ray
Um menino perturbado mata o pai com seu trator e tem seu braço mutilado no processo. Ele é levado para um hospital psiquiátrico, onde é colocado um gancho para substituir sua mão perdida e, anos mais tarde, é solto. Ele volta para casa para encontrar sua mãe que se casou novamente, o que o coloca em uma fúria assassina.

The Legend of Boggy Creek (1972) Dir.:Charles B. Pierce
Basicamente é um falso documentário sobre o pé-grande, sem muita ação, mas risível pela fantasia do dito cujo.

Children Shouldn’t Play With Dead Things (1972) Dir.: Bob Clark
Seis amigos desenterram um cadáver chamado Orville. Eles o usam em um ritual satânico para fazer os mortos levantarem de seus túmulos com consequências desastradas. Mais conhecido pelo título chamativo (também usado em um episódio de Supernatural) do que pela qualidade da película

Malestesta’s Carnival of Blood (1973) Dir.: Chistopher Speeth
Uma família vai trabalhar em um parque de diversões em alguma cidade decrépita e decadente, porém esconde um culto de fanáticos pervertidos que se alimentam de carne humana e assistem velhos filmes mudos nas catacumbas abaixo do parque. Um por um, a família e os seus amigos são atraídos para a morte, e eventualmente comidos. É o tipo de filme que não se assiste pelo roteiro, mas pensando no que os realizadores estavam pensando (ou fumando) para criar atmosferas tão estranhas em um orçamento tão baixo que vale a pena assistir. Com participação de Hervé Villechaize, o anão de Ilha da Fantasia.

Devil Times Five (1973) Dir.: Sean MacGregor
O Anjo Malvado vezes 5: cinco crianças psicopatas fogem de uma instituição mental e tocam o terror em um grupo de adultos em férias.

Blood (1974) Dir.:Andy Milligan
Filme de baixíssimo orçamento do diretor mais doido dos anos 70 que mistura Lobisomem, Drácula e uma horda de morcegos vampiros que transformam os habitantes de uma vila em zumbis.

Axe (1974) Dir.: Frederick Friedel
Três criminosos em uma onda de assassinatos chega a uma fazenda, onde uma menina vive com seu avô paralisado. Suspense atmosférico e levemente misógino que chamou a atenção dos censores da Inglaterra. Mais bem produzido que muitos congêneres do exploitation.

Criminally Insane (1975) Dir.: Nick Philips
Uma mulher obesa recentemente saída de uma instituição psiquiátrica que mata qualquer um que tente impedi-la de comer… Vai vendo por aí…

Kiss of the Tarantula (1975) Dir.: Chris Munger
Uma adolescente usa tarantulas para atormentar de volta seus colegas de classe, como matou sua própria mãe na infância. Ao assistirem, esqueçam o “detalhe” de que tarântulas não são venenosas, ok?

The Love Butcher (1975) Dir.: Mikel Angel e Don Jones
Um Eu, Eu mesmo e Irene às avessas: um jardineiro pacato desenvolve a personalidade do violento irmão morto quando é destratado por uma mulher.

Mako: Jaws of Death (1975) Dir.: William Grefé
A cópia mais barata de Tubarão que você vai encontrar no mercado, mas com um “toque de limão”: O vilão tem uma conexão com tubarões através de telepatia. O prolífico ator candidato ao Oscar de ator coadjuvante Richard Jaeckel (em 1972 pelo filme Uma Lição para Não Esquecer) faz o papel principal.

Satan’s Black Wedding (1975) Dir.: Nick Millard
Um homem viaja para outra cidade para o funeral de sua irmã e tentar descobrir por que ela se matou. Ele descobre que ela é na verdade uma vampira e retorna dos mortos para se vingar de sua família.

Satan's Black Wedding (1975)
Satan’s Black Wedding (1975)

Snuff (1976) Dir.: Michael e Roberta Findlay
Um dos filmes mais polêmicos da lista, foi lançado só 5 anos após ter sido filmado e chama muito mais atenção pelo seu final onde uma atriz do filme é supostamente morta em frente as câmeras. O resto do filme é bobo, mas vale pelo pedaço da história.

Communion (1976) Dir.: Alfred Sole
Brooke Shields em começo de carreira participa deste pré-slasher sobre uma família com duas filhas e o assassinato brutal da preferida dos pais no dia da comunhão católica. As suspeitas recaem sobre a filha mais nova e cada vez mais conforme outros corpos se empilham. Muito mais atmosférico e bem feito do que seus congêneres à época.

Bloodsucking Freaks (1976) Dir.: Joel M. Reed
Também conhecido como The Incredible Torture Show, esta produção não tem nada a ver com vampiros, mas com um grupo teatral comandado por Sardu (Seamus O’Brien, morto esfaqueado ao reagir a um assalto em seu apartamento em 1977) que fazem tudo pela arte em cima do palco, até desmembramentos e torturas diversas. Muito gráfico e perturbador para a época, um dos primeiros filmes adquiridos e distribuídos pela Troma.

Blood Sucking Freaks (1976)
Blood Sucking Freaks (1976)

Fight for Your Life (1977) Dir.: Robert Endelson
Um rape e revenge de presidiários em fuga contra a família de um pastor negro. Alardeado como um dos filmes menos politicamente corretos a ser lançado em um cinema americano. Pela temática e linguagem, hoje seria impossível de ser realizado, tanto que entrou na lista dos Vídeo Nasties da Inglaterra e foi banido pela censura na Suécia (mesmo com mais de 3 minutos de cortes). Com William Sanderson (Blade Runner, True Blood) em começo de carreira.

Friday the 13th: The Orphan (1977) Dir.: John Ballard
Sem o carinho e o acompanhamento de um adulto zeloso, uma criança (Mark Owens) vai descendendo à loucura até acreditar que está cometendo assassinatos. Bem atmosférico e com boas atuações, também ficou conhecido porque os realizadores do vindouro slasher Sexta-feira 13 tiveram de fazer um acordo com os produtores deste filme para o uso do título.

Hitch Hike to Hell (1977) Dir.: Irv Berwick
Howard é um jovem bem-educado que dirige um caminhão de uma lavanderia comercial. Ele também é um psicopata obcecado pela mãe (Psicose?) que pega caroneiras jovens do sexo feminino para estupras-las e mata-las. Com Russell Johnson (A Ilha dos Birutas, Veio do Espaço) no elenco.

The Last House on Dead End Street (1977) Dir.: Roger Watkins
Incrível filme experimental com um monte de bizarrices envolvendo um cineasta ex-presidiário que pretende filmar um snuff. Obrigatório para quem acha que A Serbian Film é coisa nova.

The Last House on Dead End Street (1977)
The Last House on Dead End Street (1977)

The Mafu Cage (1977) Dir.: Karen Arthur
Duas irmãs estranhas vivem em uma mansão em ruínas, onde guardam um macaco de estimação, que pertencia ao seu falecido pai, preso em uma gaiola. Uma delas parece lidar com isto bem, enquanto a outra parece afundar mais e mais na insanidade. Bizarrices e incesto com um elenco estelar para um Exploitation: A quatro vezes nomeada ao Oscar Lee Grant (1952, 1971, 1976 e 1977, ganhou em 76), a também nomeada ao Oscar Carol Kane (1976) e James Olson (Amityville 2 e Comando para Matar).

Satan’s Cheerleaders (1977) Dir.: Greydom Clark
Se o título já não é chamativo o suficiente, talvez a descrição te faça mudar de idéia: O zelador de uma escola é na verdade o olheiro para um clã de satanistas que procura uma virgem para sacrifício. Um dia, ele sequestra as líderes de torcida para usar em seus rituais. Ele só não contava que um delas fosse na verdade uma bruxa, com seus próprios planos para os satanistas. O elenco é um charme a parte: Jack Kruschen (indicado ao Oscar em 1960 por Se Meu Apartamento Falasse), John Ireland (indicado ao Oscar em 1949 por A Grande Ilusão), Yvonne De Carlo (Os Dez Mandamentos), Sydney Chaplin (irmão mais novo de Charles Chaplin) e John Carradine.

The Toolbox Murders (1977) Dir.: Dennis Donnelly
Um maníaco mascarado mata os inquilinos de um prédio de apartamentos com o conteúdo de uma caixa de ferramentas. A primeira metade é excelente e uma boa mistura dos giallos italianos e do exploitation pré-Slasher misógino, mas o nível cai daí para frente. Meio que refilmado por Tobe Hooper em 2004 com o título Noites de Terror.

Don’t Answer the Phone! (1979) Dir.: Robert Hammer
Um fotógrafo e veterano do Vietnã (Nicholas Worth) atormenta a cidade de Los Angeles ao perseguir e estrangular mulheres. A polícia investiga, mas sempre está dois passos atrás do assassino. Previsível, mas um bom exemplo de um pré-slasher da época.

Fiend (1980) Dir.: Don Dohler
Filme de baixíssimo orçamento em que um espírito entra num túmulo e reanima o cadáver do Sr. Longfellow. Para que fique vivo, ele precisa absorver a energia de outras pessoas enforcando-as. Ele se muda para os subúrbios de Maryland, onde sua vizinha intrometida começa a suspeitar que algo não está certo com o Sr. Longfellow.

Maniac (1980) Dir.: Willian Lustig
Um homem atormentado mata e escalpela mulheres para compor manequins que o fazem lembrar de sua mãe. Refilmado em 2012 com Elijah Wood no papel principal.

O Maníaco (1980)
O Maníaco (1980)

The Nesting (1980) Dir.: Armand Weston
Uma escritora que sofre de agorafobia aluga uma casa isolada para que possa se concentrar em sua escrita. Ela não sabe que a casa é um antigo bordel, e é habitado pelos fantasmas de prostitutas mortas. Com John Carradine no elenco.

Without Warning (1980) Dir.: Greydom Clark
Básico filme de abdução onde um alienígena persegue e caça vitimas humanas. Custou só 150 mil dólares, mas a metade disso foi para pagar os salários de Jack Palance e Martin Landau. Kevin Peter Hall (que personificou o Predador no primeiro e segundo filme) interpreta o alien e ainda tem David Caruso (C.S.I. Miami) em começo de carreira.

Alligator (1980) Dir.: Lewis Teague
Clááááássssico da Sessão das Dez, Alligator é um filme que leva a sério a lenda urbana de que se der descarga em um filhote de jacaré ele irá se desenvolver nos esgotos, ficar gigante e apavorar uma cidade inteira.

Frankenstein Island (1981) Dir.: Jerry Warren
Uma genuína peça do mal gosto e do cinema trash neste filme onde quando um cai balão de ar quente em uma ilha remota, a tripulação descobre ancestral do Dr. Frankenstein (John Carradine, de novo!) continuar o trabalho da família, junto com uma raça de mutantes e uma população de Amazonas.

Basket Case (1981) Dir.: Frank Henenlotter
Dois irmãos xifópagos são separados na infância, acontece que um é perfeitamente normal e o outro parece um chiclete mascado, tem dentes afiados e um comportamento violento. O rapaz normal cuida do irmão, que vive a maior parte do tempo em uma cesta de vime, buscando vingança contra os médicos que o separaram.

Basket Case (1982)
Basket Case (1981)

Dead and Buried (1981) Dir.: Gary Sherman
Um filme de horror situado em uma pequena cidade costeira, onde, depois de uma série de assassinatos sangrentos cometidos por multidões de moradores contra os turistas que visitam a cidade, os cadáveres começam a voltar à vida. Provavelmente o melhor filme em qualidade de toda a lista e uma prova que exploitation e filmes toscos não andam necessariamente juntos. Com Robert Englund.

Os Mortos-Vivos (1981)
Os Mortos-Vivos (1981)

Rana: The Legend of Shadow Lake (1981) Dir.: Bill Rebane
Um garoto de 11 anos, teve um encontro aterrorizante com Rana, uma criatura metade homem / metade sapo (!) vivendo em um lago. A criatura matou seu pai e muitas outras pessoas antes de ser destruído pelo garoto. Muitos anos depois ele retorna para procurar o tesouro escondido do monstro, e ver se a criatura lendária realmente foi morta. Um exploitation estranho que bebe na fonte de O Monstro da Lagoa Negra que foi lançado só seis anos depois de filmado.

Nightbeast (1982) Dir.: Don Dohler
Recuperando-se de uma colisão com um meteoro, uma nave espacial cai na floresta de uma cidade pequena. Seu passageiro, um alien reptiliano, está irritado e perdido. Ele começa uma matança que inclui alguns campistas. O delegado decide pedir aos locais para ajudá-lo a ir atrás da criatura. Os habitantes, a maioria agricultores, caçadores e madeireiros, relutantemente concordam. A violenta batalha sangrenta começa. Uma festa de risos aos amantes de bagaceiras mal-feitas.

Nightbeast (1982)
Nightbeast (1982)

The Deadly Spawn (1982) Dir.:Douglas McKeon
Pequena gema rodada com 25 mil dólares de orçamento, onde dois campistas tem sua diversão ao ar livre interrompida pela chegada de um meteorito caindo nas proximidades. Eles vão investigar a cratera, mas são atacados e devorados por parasitas alienígenas que pegaram carona para a Terra. Os monstros vão a uma cidade vizinha, onde eles fazem de um porão de uma casa antiga seu abrigo e degustam um habitante infeliz após o outro. Quatro adolescentes, além de um menino, para tentar encontrar uma maneira de parar os monstros espaciais com raiva antes que eles se reproduzam e, literalmente, devorem a humanidade. Uma mistura de Invasores de Corpos, A Bolha Assassina e Alien.

Microwave Massacre (1983) Dir.: Wayne Berwick
Um microondas gigante é usado por um homem como ferramenta de assassinato porque cansou da comida ruim da mulher. Nem preciso escrever mais nada…

Microwave Massacre (1983)
Microwave Massacre (1983)

Natas: The Reflection (1983) Dir.: Jack Dunlap
Um repórter procura a verdade por trás de uma antiga lenda indígena sobre um espírito que guarda o portal para o céu e para o inferno. Um filme estúpido, hilário e muito, muito barato.

A Night to Dismember (1983) Dir.: Doris Wishman
Uma narrativa extremamente confusa (segundo a diretora, porque um técnico desastrado do laboratório destruiu mais da metade das filmagens em película) dá o tom desta película que conta a história uma mulher de uma família maldita é libertada de um centro mental, e cadáveres desmembrados em breve começam a aparecer. Um clássico da tosqueira.

Attack of the Beast Creatures (1983) Dir.: Michael Stanley
Um barco naufragado, um monte de sobreviventes, uma ilha misteriosa e um punhado de criaturas muito mal feitas e cenas de gargalhar alto. Um dos derradeiros “monster flicks” da era do exploitation.

Black Devil Doll From Hell (1984) Dir.: Chester Turner
Uma mulher negra compra um boneco de ventríloquo que calha de ficar possuído por um espírito maligno e passa a torturar a mulher, inclusive sexualmente. Não basta o título redundante (não é só um “boneco demoníaco”, é um “boneco demoníaco DO INFERNO”) é muito tosco, mal-feito e misógino até dizer chega. A quantidade de palavrão que o boneco fala é absurda, nem Samuel L. Jackson falou tantos “Bitch’s” em seus filmes…

Black Devil Doll From Hell (1984)
Black Devil Doll From Hell (1984)

Movie House Massacre (1984) Dir.: Rick Sloane
Também conhecido como Blood Theatre, nosso ultimo filme da lista é um slasher muito ruim (e por isso mesmo muito engraçado) em que uma sala de cinema fechada após um trágico incêndio e um assassinato em massa reabre e os assassinatos começam… Sem suspense e e horrivelmente clichê com onze assassinatos sem sangue e cenas sem nexo de pessoas vagando no cinema e esfaqueadas até a morte, incluindo uma decapitação mal feita, uma trilha deplorável bem como os efeitos sonoros. Para coroar, o final não faz o menor sentido…

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Gabriel Paixão

Colaborador e fã de bagaceiras de gosto duvidoso. Um Floydiano de carteirinha que tem em casa estantes repletas de vinis riscados e VHS's embolorados. Co-autor do livro Medo de Palhaço, produz as Horreviews e Fevericídios no Canal do Inferno!

3 thoughts on “Um Pesadelo Americano: Os 50 Exploitations Indispensáveis

  • 10/09/2015 em 08:51
    Permalink

    Excelentes indicações assisti alguns e pretendo fazer maratona para assistir outros. Demais!

    Resposta
  • 26/01/2015 em 15:08
    Permalink

    Muito legal a lista! eu acho os filmes exploitations bem interessantes mas geralmente tem que ter muita paciência e bom humor para encara – los, porque geralmente a precariedade e principalmente o ritmo são horríveis.Mas eu irei conferir alguns (baixando pela internet é claro).

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.