Abigail: diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett falam com exclusividade para o Boca do Inferno!

5
(2)

A dupla Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem se destacando na direção de um terror bem específico, envolvendo muito sangue e uma considerável dose de humor. Foi assim com Casamento Sangrento e Pânico 5 e 6, e é assim novamente em Abigail, filme sobre uma vampira bailarina com aparência de criança que está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Nessa entrevista exclusiva do Boca do Inferno com os diretores, eles comentam sobre contar uma história de vampiro ambientada nos tempos atuais, trabalhar com uma equipe de atores tão especial – encabeçada por Melissa Barrera e Alisha Weir –, gravar em cenários reais usando efeitos práticos e mais!

O que atraiu vocês para essa história?
Tyler Gillett: Os filmes que nos interessam são sempre aqueles cheios de surpresas e, em questão de tom, têm uma mistura inesperada de gêneros. Então, quando lemos Abigail pela primeira vez, ficou claro desde o início que tínhamos esse tenso filme de assalto colidindo com um filme de monstros. Não apenas esse era um tipo que não tínhamos visto antes, mas também nunca tínhamos realmente feito um filme de assalto, então, criativamente, foi emocionante para nós fazer nossa versão desse gênero específico e depois mergulhar no festival gore de monstros com o qual estávamos mais familiarizados. Esse equilíbrio foi um dos maiores desafios e, no final das contas, tornou-se a identidade de Abigail.
Matt Bettinelli-Olpin: A outra coisa que nos atraiu para o roteiro foi como os personagens pareciam únicos. E à medida que o projeto avançava, acho que se tornou ainda mais importante para nós descobrir como fazê-los se destacar e terem sua própria história. Você poderia contar essa história do ponto de vista de cada personagem, e ainda assim seria divertido e interessante. Então, acredito que algo que sempre esperamos é esse gancho do gênero, e depois ver como podemos tornar os personagens legais e divertidos.

Então, como vocês descreveriam Abigail em poucas palavras?
Gillett: Abigail é um filme de assalto com uma vampira-bailarina – acredito que Dan Stevens disse que foi assim que ele apresentou para um de seus amigos, que imediatamente disse: “Ah, eu quero ver isso!” É louco, surpreendentemente emocional e sincero às vezes, mas também muito bobo, com muito sangue. É bem divertido!

Deve ter sido divertido colocar uma vampira no mundo moderno.
Gillett: Muitas conversas que tivemos no início tinham a ver com lidar com a mitologia e o folclore dos vampiros. Quero dizer, há uma versão do roteiro que você poderia situar em qualquer período, mas para nós havia uma oportunidade aqui não apenas de modernizar o que é um vampiro, mas também de ambientar o filme em uma época em que os personagens estão cientes de outros filmes de vampiros e de pedaços do folclore vampírico. Nós amamos quando os personagens – de uma forma fundamentada – têm uma metaconversa sobre a situação em que estão, e essa foi uma oportunidade divertida para nós pegarmos todas as regras e coisas que você conhece e depois as inverter totalmente. Então, ambientá-lo em um tempo moderno funcionou por causa de como somos todos familiarizados com a linhagem e as regras desses filmes como espectadores.
Bettinelli-Olpin: E também pudemos aprender o folclore e as regras do nosso filme com os personagens conforme eles descobriam as coisas.

E quão importante foi para vocês dar ao filme essa qualidade prática que só se consegue filmando com uma câmera no set?
Bettinelli-Olpin: Filmar de forma prática foi uma das primeiras coisas sobre as quais conversamos. Queríamos usar efeitos visuais apenas para melhorar as coisas que foram filmadas na prática porque acreditamos firmemente em fazer com que pareça o mais real possível.
Gillett: Isso afeta o clima no set também. Quando você está indo para um dia de filmagem chamando todos os departamentos para trabalhar juntos para criar algo na prática, o elenco fica muito animado, e nós também. Há uma sensação de eletricidade e excitação em filmar coisas na prática que acredito que faz com que todos apareçam para fazer o melhor trabalho deles.

O que vocês podem dizer sobre o trabalho de dublês?
Bettinelli-Olpin: As acrobacias neste filme são integrantes da história e dos personagens de uma maneira legal. Acho que uma das coisas que sempre tentamos evitar é ter ação apenas por ação. Então, não queríamos ter lutas superestilizadas ou supercoreografadas em Abigail, mas queríamos que parecesse mais uma briga de bar. A luta tinha que ser consistente com o personagem – o que foi realmente divertido com Abigail porque, sendo uma bailarina, pudemos fazê-la dançar enquanto lutava.

Nesse sentido, quão importante foi a contribuição da coreógrafa Belinda Murphy?
Bettinelli-Olpin: Belinda não apenas cuidou de tudo relacionado à dança em Abigail e ajudou Alisha Weir nisso, mas também se tornou parte fundamental na elaboração de como misturamos acrobacias com coreografia e dança.

E, como resultado, a maneira como Alisha Weir incorporou a dança à sua atuação foi extraordinária.
Gillett: Sim, porque Abigail é como essa jovem graciosa, inocente e maravilhosa que, por acaso, é incrivelmente forte e controla seus talentos. É verdadeiramente incrível o que Alisha realizou.

Ela é realmente notável. Como vocês a encontraram?
Gillett: Ao fazer a escolha do elenco, vimos várias fitas e a de Alisha foi uma delas. Obviamente, também tínhamos visto Matilda, que mostra todos os seus talentos em uma performance tão grandiosa. E, coincidentemente, ela morava em Dublin, onde gravamos o filme. Alisha Weir realmente teve essa série de interseções perfeitas de tantas qualidades.
Bettinelli-Olpin: Ao assistir Matilda e até mesmo durante nossa primeira reunião com ela, entendemos como ela conseguia combinar inocência e empatia com uma força imensa. Ficou claro que ela era capaz de ser doce, gentil e amável, mas também de se transformar e mudar para um monstro.
Gillett: E ela era destemida! Alisha é um desses talentos raros.

Melissa Barrera interpreta Joey, membro da equipe que sequestra Abigail e estabelece uma conexão especial com essa garotinha aparentemente inocente.
Bettinelli-Olpin: Foi importante criar esse vínculo entre Abigail e Joey para que, conforme a história avança, você fique do lado delas e queira que se unam, mesmo que na maior parte do filme sejam inimigas. E mesmo que Abigail esteja manipulando Joey, há momentos de verdade que surgem, o que é um testemunho de como Melissa e Alisha são muito boas em estabelecer esse vínculo genuíno que vem de seus personagens — especificamente, de Joey abandonando seu filho e Abigail sendo abandonada por seu pai.
Gillett: Portanto, há mais a descobrir do que apenas “Ah, a garota é uma vampira”, porque, em última análise, Joey pode ajudar Abigail a se reconectar com algo dentro de si mesma que ela havia perdido há muito tempo.

Vocês já trabalharam com a Melissa antes. O que vocês podem dizer sobre ela?
Bettinelli-Olpin: Adoramos trabalhar com a Melissa! Quando você trabalha com alguém repetidamente, aprende seus pontos fortes e fracos, e também onde podem se ajudar — onde desejam ir criativamente e como desejam evoluir. Melissa era simplesmente perfeita para esse papel.
Gillett: E aqui ela foi capaz de assumir aquele tipo de personagem anti-herói e fazer dela alguém que — apesar das coisas ruins que fez — você ainda se importa. Melissa Barrera foi uma escolha fácil de elenco para nós.

Os atores escolhidos para compor o resto da equipe desajustada, esperando receber um bônus suculento por sequestrar essa jovem bailarina, estão todos no seu melhor também.
Bettinelli-Olpin: Sim, tivemos muita sorte com esse elenco porque foi o casting mais apertado que acho que já fizemos.
Gillett: Podemos afirmar com confiança que todos compareceram. Eles fizeram algumas coisas incríveis e estranhas, mas é isso o filme — eles são o filme, e só funciona por causa do quão dedicados foram. Quando você os vê juntos pela primeira vez, pensa: “O que vai ser isso?” E no final, só faz sentido com esses atores.
Bettinelli-Olpin: Falamos muito sobre ser uma espécie de horror inspirado em Clube dos Cinco, onde você pensa: “Nenhum desses personagens combina. Eles são de filmes, épocas e gêneros diferentes; mas vamos ver se conseguimos fazer tudo funcionar em uma história só.”

E por que vocês acreditam que assistir a Abigail em um cinema apenas realça toda essa experiência?
Bettinelli-Olpin: Abordamos tudo como se estivéssemos dando um show onde queremos entreter. Durante a pós-produção, nos perguntamos: “Tudo bem, para onde estamos guiando o público agora? E como vamos subverter isso?” Quando você reúne um monte de pessoas em um grande cinema escuro com um ótimo sistema de som, há aquela sensação de comunidade de “Vamos nessa aventura juntos. Vamos superar isso porque é um filme. Então, vamos lá!” Eu sei que às vezes é usado de forma negativa, mas é como uma montanha-russa.
Gillett: Sim, esse gênero pertence ao cinema. Acho que há um nível de interatividade com o filme quando estamos movendo as alavancas da maneira certa com as pessoas rindo e depois ficando com medo — que são expressões públicas. Então, estar em uma sala onde você vê a natureza contagiante disso é definitivamente para o que Abigail foi projetado.
Bettinelli-Olpin: Além disso, em uma época em que estamos cada vez mais separados, com a cabeça abaixada em nossos celulares e tudo mais, ter a oportunidade de se sentar em uma sala e ter uma experiência compartilhada é algo muito especial.

Então, o que vocês gostam em fazer filmes de terror?
Gillett: Acho que a diversão de fazer filmes de terror em geral para nós é que é pura fantasia no nível mais alto e louco, e há uma arte nisso. Há muitas coisas estranhas, divertidas e táteis que você pode fazer quando está gravando um filme de terror, e acredito que somos meio obcecados por esse processo. Nós realmente amamos fazê-los! Depois, em um nível emocional, é muito divertido explorar emoções sinceras sob a superfície desse mundo maluco. Para nós, trata-se de tornar as coisas difíceis em nossas vidas um pouco mais palatáveis e ser capaz de explorar esses cantos escuros de quem somos de uma maneira divertida e catártica. E no final do dia, você sai do cinema pensando: “Nossa, eu me diverti muito! E posso realmente ter uma conversa sobre algumas das coisas mais profundas e emocionais que acontecem no filme.” Se você quiser aproveitá-lo em um nível superficial, pode e certamente fará, mas há muito acontecendo mais profundamente. Então, trata-se do equilíbrio de fazer um filme sobre coisas sérias que não se leva a sério de jeito nenhum. Esse é o ponto ideal para nós.

É um tanto raro — pelo menos em filmes live-action — ter uma dupla na direção. Como vocês dois trabalham juntos?
Bettinelli-Olpin: Acho que a base da forma como trabalhamos juntos tem a ver com a forte confiança que temos um no outro e nas habilidades, talentos e gostos um do outro. Então, é uma colaboração segura onde planejamos, testamos e discutimos tudo.
Gillett: A melhor coisa, eu acho, é que há algo realmente valioso em entrar em um processo com uma colaboração existente como duas pessoas que estão trabalhando para melhorar algo. Sinto que isso convida um certo tipo de elenco e equipe, e todas essas pessoas aparecem prontas para se envolver no processo, animadas por estarem lá.
Bettinelli-Olpin: E a melhor ideia vence.
Gillett: Isso é verdade. É algo que dizemos muito e que pode parecer um clichê, mas a verdade é que o processo que criamos com todo mundo começa com a forma como trabalhamos juntos — que vem de um lugar de amor e confiança e um desejo real de fazer algo legal.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Avatar photo

Silvana Perez

Escolheu alguns caminhos errados e acabou vindo parar na Boca do Inferno em 2012. Apresenta o podcast do site, o Falando no Diabo, desde 2019. Fez parte da curadoria e do júri no Cinefantasy. Ainda fala de feminismos no Spill the Beans e de ciclismo no Beco da Bike.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *