Boys from County Hell (2020)

4.6
(5)

Boys from County Hell
Original:Boys from County Hell
Ano:2020•País:Irlanda, UK
Direção: Chris Baugh
Roteiro: Chris Baugh, Brendan Mullin
Produção:Yvonne Donohoe, Brendan Mullin
Elenco:Jack Rowan, Nigel O'Neill, Louisa Harland, Michael Hough, John Lynch, Fra Fee, Morgan C. Jones, Andrea Irvine, Robert Nairne, Marty Maguire, Emma Paetz

Há muitos mistérios que envolvem a concepção de Drácula. Como se sabe, a mitologia vampírica é muito mais antiga que a obra clássica de Bram Stoker, e sabe-se que o autor irlandês desenvolveu estudos a respeito através de registros folclóricos nos Balcãs chegando às variações na Albânia e na própria Romênia, e espelhando-se no sanguinolento Vlad Tepes. No entanto, tudo é muito obscuro. Drácula foi publicado em 1897, mas já existia o texto do inglês John Polidori em 1819, O Vampiro, e até Carmilla, de Joseph Sheridan Le Fanu. Parece que Stoker estudou a trajetória de Tepes e até da Condessa Erzsébet Báthory, que se banhava de sangue na expectativa de se manter jovem, além das criaturas que assustavam moradores de vilarejos europeus ao ponto deles acreditarem que uma estaca fosse o único meio de eliminá-las. Essa obscuridade permite a imaginação de roteiristas como Chris Baugh e Brendan Mullin para construir o interessante enredo de Boys from County Hell.

No prólogo, dois idosos sangram pelos olhos, enquanto assistem TV e dialogam sobre o interesse da senhora em dar um passeio. Uma crítica à televisão, talvez, mas um pouco mais metafórica que a de Poltergeist, esse começo promissor não mantém o mesmo ritmo nas cenas seguintes, na demora no longa em mostrar a que veio. Três moradores locais – Eugene (Jack Rowan), William (Fra Fee) e o que todos mandam calar a boca SP (Michael Hough) – pregam uma peça em um casal de turistas como modo de apresentar a base do que será a ameaça: uma pilha de pedras, comum em rituais indígenas como o mostrado em Cemitério Maldito, parece abrigar o vampiro que teria inspirado Bram Stoker.

Contudo, a brincadeira está com os dias contados. O pai de Eugene, Francie (Nigel O’Neill), já antecipa que o ponto turístico será destruído para fins de um desvio; e William está prestes a se mudar do local para estudar, deixando os amigos e a namorada Claire (Louisa Harland). Em um acidente estranho, ele morre em contato com as pedras, e seu sangue é drenado pela terra. Com o sepultamento e a dor de seus pais, Charlie (Morgan C. Jones) e Pauline (Andrea Irvine), que trabalha no morgue e têm que preparar o corpo do próprio filho, e com as pedras sendo destruídas por uma escavadeira, o vampiro desperta para iniciar o pesadelo local, cuja caminhada sinistra, sempre camuflado pelas sombras, leva às pessoas a verterem sangue, em uma ideia muito bem realizada.

Com o despertar do morto-vivo, logo irão surgir outros exemplares, resistentes às principais investidas como o de arrancar seu coração. Aceitando facilmente o que está acontecendo – até então acreditavam que tudo não se passava de velhos mitos da região -, eles se armam para enfrentar os conhecidos, em diálogos que funcionam melhor do que a dinâmica dos personagem. Engana-se quem imagina que verá algo como A Hora do Espanto com toda aquela atmosfera de sessão-pipoca no combate às forças do mal; a narrativa de Boys from County Hell está mais para um Zumbis Na Neve, mesclando gags físicas e ideias idiotas com heroísmo exacerbado, diante de uma ameaça que dificulta a aproximação.

Além do humor incidental, o longa de Chris Baugh desperta uma dose desnecessária de dramaticidade, e muitas delas relacionada à paternidade. Seja na relação complicada entre Eugene e Francis, na de William e o quarto secreto de Charlie, e até no proferido por SP ao se sentar para tomar cerveja diante da TV (ela de novo) – e os mais profundos podem encontrar essa conexão também entre Bram Stoker e a criatura que inspirou seu romance. O infernauta é deixado nesse liquidificador de sensações, sem que cada uma delas seja realmente explorada: até mesmo o destino de William não tem a importância emotiva que o enredo acredita que tem, até porque o tempo de desenvolvimento do personagem foi muito pouco.

Do mesmo modo, o roteiro pede que o público aceite suas conveniências como a da hemorragia só acontecer em personagens não importantes – quando você pensa que Eugene vai sair do jogo, ele volta para o combate final, que acontece de maneira também facilitada. Ignorando essas falhas, você provavelmente irá se envolver com a proposta sobrenatural, com o contexto Stoker, os vampiros aparentemente indestrutíveis e irá apreciar até mesmo a referência à sombra de Nosferatu na escadaria.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.6 / 5. Número de votos: 5

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.