Spiderhead (2022)

4.3
(4)

Spiderhead
Original:Spiderhead
Ano:2022•País:EUA
Direção:Joseph Kosinski
Roteiro:Rhett Reese, Paul Wernick, George Saunders
Produção:Agnes Chu, Chris Hemsworth, Eric Newman, Rhett Reese, Jeremy Steckler, Geneva Wasserman, Paul Wernick
Elenco:Chris Hemsworth, Miles Teller, Jurnee Smollett, Mark Paguio, Tess Haubrich, Daniel Reader, Sam Delich, Ron Smyck, BeBe Bettencourt

Depois de um início relativamente promissor, onde somos apresentados a uma prisão em que os encarcerados são submetidos a testes com algumas drogas que mudam a percepção das coisas ao redor (por exemplo, fazer com que cenários desoladores sejam belos, que aumentam libido etc.), Spiderhead não cumpre o que trailer e os talentos envolvidos prometiam.

Na liderança desses experimentos temos um Chris Hemsworth (também produtor do filme) totalmente caricato, e Miles Teller (como o paciente/prisioneiro) com cara de nada, ganhando uns trocados pela Netflix.

Para um filme que se vende como suspense, não há suspense. A ficção científica é simplista demais, e o roteiro bobo não sabe aproveitar a locação e a proposta apresentada inicialmente. Não dá para levar a sério uma prisão em que não há guardas, não há controle e todos vivem em plena harmonia… Quando por fim surge um conflito, já no terço final do filme, ele é mal elaborado, clichê mesmo, fazendo com que os personagens percam qualquer resquício de veracidade e propósito.

Além disso, no prólogo final, há cenas ridículas demais (vide os pacientes querendo derrubar uma porta e a fuga do casal protagonista) que parecem filmadas às pressas, para terminar logo o filme e todos voltarem para casa a tempo do jantar.

Estranho que esse filme seja assinado por Joseph Kosinski, que fez o bacana Tron: O Legado (2010), o subestimado Oblivion (2013) e o novo Top Gun (2022), que está quebrando recordes de bilheteria. Apesar de não ser um diretor genial, ele se mostrou um artesão competente nos seus trabalhos anteriores, o que dificulta ainda mais compreender o aconteceu com Spiderhead, ou melhor, o que não aconteceu…

A produção ok, a trilha sonora espertinha com clássicos modernos e a presença de Jurnee Smollett (da série Lovecraft Country) não compensam a ausência de inventividade, tornando o filme um pastiche mal acabado de outros que foram bem mais fundo no tema. Fique, por exemplo, com a série Homecoming: De Volta à Pátria (2018), que tem a Julia Roberts na primeira temporada e a Janelle Monáe na segunda. A trama, envolvendo uma instituição de auxílio a soldados para retorno à vida civil que também realiza alguns experimentos, é tudo o que Spiderhead gostaria mas não teve a competência de ser.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.3 / 5. Número de votos: 4

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Ricardo Gazolla

Formado em Direito e trabalhando no setor privado, apaixonado por cinema desde a infância quando assistiu Os Goonies (1985) na tela grande. Sua predileção pelo horror começou um pouco depois ao conhecer em VHS A Hora do Pesadelo (1984), Renascido do Inferno (1987) e A morte do demônio (1981). Desde então o cinema se tornou um hobby, um vício socialmente aceito, um objeto de estudo, um prazer público e, agora, no site Boca do Inferno, uma forma de comunicação com as pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.