Falando no Diabo 27 – A Evolução da Vilania Feminina em Filmes de Terror

Diferentemente de outros gêneros no cinema, mulheres são maioria em filmes de terror: elas são mais vistas e ouvidas que homens. Mas como será que elas estão sendo representadas? Estamos acostumados com as “final girls”, mas e as vilãs? Elas foram sempre iguais na história do cinema de terror? Quais são as maiores diferenças entre vilãs nos anos ’60 e hoje? E quais são as maiores vilãs do horror?

Equipe de gravação:
Silvana Perez
Luana Damião
Ivo Costa
Filipe Falcão
Samuel Bryan

Edição:
Maurício Murphy

Se você acompanha nosso conteúdo e pode nos ajudar a manter o Falando no Diabo e o Boca do Inferno vivos, acesse nosso Padrim e conheça as formas de colaborar e as recompensas.

Estamos no Spotify!

(Visited 278 times, 1 visits today)
Silvana Perez

Silvana Perez

Escolheu alguns caminhos errados e acabou vindo parar na Boca do Inferno.

Um comentário em “Falando no Diabo 27 – A Evolução da Vilania Feminina em Filmes de Terror

  • 14/06/2020 em 19:39
    Permalink

    Não acho errado simpatizar com a Carrie. Afinal, quem nunca quis se vingar de alguém que nos fez mal? Mas vou dar uma de advogado do diabo aqui… Nunca estive numa escola norte-americana para comprovar, mas pelo que vemos em inúmeros relatos, filmes, músicas, livros, etc; a cultura do bullying por lá é institucionalizada. E em muitos casos, o bullying parece atingir níveis extremos de tortura psicóloga e humilhação diária. Sendo assim, não dá para associar a explosão de fúria da Carrie com adolescentes entrarem atirando em escolas? Os dois casos são de pessoas que foram levadas a uma pressão absurda e simplesmente explodiram.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien