O Gigante do Japão (2007)

3
(1)

O Gigante do Japão (2007)

O Gigante do Japão
Original:Dai-Nihonjin
Ano:2007•País:Japão
Direção:Hitoshi Matsumoto
Roteiro:Hitoshi Matsumoto, Mitsuyoshi Takasu
Produção:Akihiko Okamoto
Elenco:Hitoshi Matsumoto, Riki Takeuchi, Ua, Ryûnosuke Kamiki, Haruka Unabara, Tomoji Hasegawa, Itsuji Itao, Daisuke Miyagawa

Os japoneses sempre deixaram evidente sua megalomania – seja em busca do aumentativo de seus produtos, seja no desenvolvimento de seus personagens com olhos grandes e monstros gigantes atacando suas principais cidades. Ainda que Godzilla tenha surgido como uma resposta a um mundo assustado por ataques nucleares, eles sempre costumam exagerar nas dimensões de suas criaturas, deixando algumas pistas que levam alguns a acreditarem que se trata de um possível complexo de inferioridade. Se é verdade ou intriga da oposição, não importa; o fato é que suas criações são de extrema criatividade e seus filmes, divertidíssimos, como é o caso de O Gigante do Japão (Dai-Nipponjin/Big Man Japan, 2006), longa-metragem de Hitoshi Matsumoto, que chegou a ser exibido no I SP Terror – Festival Internacional de Cinema de São Paulo.

Na trama, uma produtora está realizando um documentário sobre um cidadão chamado Daisato, um homem simples e complexado que herdou de sua família a capacidade de se transformar em um gigante de 30 metros para salvar o Japão de ataques de monstros. Embora seus atos sejam heroicos, ele não consegue popularidade em seu país, diferente de seus antepassados, e convive com essa dura e dramática responsabilidade, mesmo sem ter qualquer prestígio. Dasaito mora numa casa pequena, com seu gato “de rua” e vive de patrocinadores que tatuam seus produtos em seu corpo para serem exibidos nos jornais e em seu programa da madrugada.

O Gigante do Japão (2007) (3)

Enquanto aguarda a convocação de um novo serviço, o documentário mostra seu dia-a-dia tedioso, repleto de protestos e ataques preconceituosos, e realiza entrevistas com pessoas relacionadas ao “gigante do Japão“. Quando recebe um telefonema sobre a aparição de algum monstro gigante, Dasaito recebe uma descarga elétrica (“é preciso assar“) e ruma para o local onde encontra o inimigo para exterminá-lo, mandando sua alma para o céu (!!!). Com seu visual engraçado – parecendo aqueles bonecos de duendes mágicos -, um corpo tatuado de propagandas, e usando um cacetete, o Gigante do Japão esconde suas fraquezas e medos por meio de sua estatura elevada.

Com sua crítica social sutil e homenagem aos filmes com monstros gigantes, as partes mais divertidas da produção são, sem dúvida, as próprias criaturas. Bizarros, esquisitos e sinistros, eles encantam com suas características singulares apresentadas de um modo bem criativo por Hitoshi Matsumoto (que também assina o roteiro e interpreta o “gigante“). Há um monstro que estrangula os prédios e bota ovos; outro que salta pela cidade emitindo gritos; aquele que produz um cheiro insuportável; o que arremessa o olho, o bebê inofensivo…e o assustador “vermelho“.

Os efeitos são cartunescos, com CGI exagerado, como o próprio diretor brinca no último e tosco ato. Aliás, a homenagem ao Ultraman/Ultraseven não poderia ser mais conveniente.

Com um direção segura – que não deixa o documentário com aparência artificial -, um ritmo lento que o afasta de produções de ação do estilo filmes de herói, músicas melosas, numa história diferente de tudo o que você já viu, O Gigante do Japão é mais um retrato da grandiosidade japonesa em fazer bons filmes – uma aula para o cinema mundial.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

6 thoughts on “O Gigante do Japão (2007)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.