Os Violentadores de Meninas Virgens (1982)

Os Violentadores de Meninas VIrgens (1982)

Os Violentadores de Meninas Virgens
Original:Os Violentadores de Meninas Virgens
Ano:1982•País:Brasil
Direção:Francisco Cavalcanti
Roteiro:Francisco Cavalcanti, Madalena Silva
Produção:Francisco Cavalcanti
Elenco:Salvador Amaral, Francisco Cavalcanti, Suely Conti, Pinho Delmar, Kristina Frank, Sebastião Grandim, Henrique Guedes, Cléo Latorre, Ruy Leal, Sandra Marques

Realmente, Francisco Cavalcanti é um dos diretores mais interessantes de toda a gloriosa história da Boca do Lixo Paulistana. Seus filmes tem um fortíssimo acento exploitation, flertando com o thriller policial e o horror algumas vezes e até com os filmes de ação, como no célebre caso de sua obra-prima: Horas Fatais. De sua autoria são pérolas do calibre de O Papa Tudo, O Porão das Condenadas, Animais do Sexo e muitos outros, entre eles: A Hora do Medo, que tem a co-direção não creditada do Mestre: José Mojica Marins.

No Canal Brasil, na programação da madrugada do sábado, 15 de novembro, para o domingo, no programa Como Era Gostoso o Nosso Cinema, será exibido, às 2 horas, o inacreditável: Os Violentadores de Meninas Virgens, 1982.

Os Violentadores de Meninas VIrgens (1982) (2)

Já na abertura o filme mostra, durante a apresentação dos créditos, um Opalão vermelho que segue uma moça. Em seguida ela é sequestrada e raios e trovões surgem. A tal moça é levada para uma casa onde será oferecida como virgem para velhos milionários, que pagam uma pequena fortuna por cada moça e por sua virgindade. O cafetão de bigode e óculos fazendo a linha Vilão Escroto é uma figura bizarra, podre de bagaceira, assim como boa parte do elenco. A cena onde ele aparece de cueca samba canção branca cheirando a calcinha de uma das vítimas é simplesmente lamentável, mas ao mesmo tempo hilária.

O capanga careca é figurinha carimbada em vários filmes. Os tintureiros Pedro e Baixinho ao lado de Sueli, a noiva de Pedro, passam a ser perseguidos pelos marginais tarados após descobrirem suas identidades. Tenta-se criar uma atmosfera de thriller mas os resultados provocam muitas gargalhadas. É impressionante o uso de musica incidental no filme, a trilha sonora de O Expresso da Meia Noite toca quase inteira., além de um momento “romântico” onde um jovem casal transa ao som do tema de Endless Love… Mas em termos musicais, o luxo mesmo é a sequência da boate. Para começar, a decoração é muito cafona, os figurantes parecem uma mistura de The Walking Dead com A Ilha dos Homens Peixe; tem um que parece o Sady Baby Cover desnutrido… e o show ? Num palco duas vagabas com biquínis bagaceiras dançam Vous Le Vous do ABBA… é praticamente a visão do quinto dos infernos…

O cineasta Francisco Cavalcanti, falecido em 01/10/2014
O cineasta Francisco Cavalcanti, falecido em 01/10/2014

Depois da longa orgia final, com os velhinhos mandando ver nas ninfetas, muito divertido, exploitation até a medula… Depois sim, o lado Charles Bronson do Francisco Cavalcanti se aflora e o tiroteio começa. Claro que tudo culmina com o bandidão safado levando um balaço e caindo na piscina, clássico, Old School total !!! Grande Francisco Cavalcanti, um de meus heróis da Boca do Lixo.

(Visited 4.678 times, 31 visits today)
Marcelo Carrard

Marcelo Carrard

Marcelo Carrard é Jornalista, Pesquisador e Crítico de Cinema e Editor do Blog: Nudo e Selvaggio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *