Oldboy – Dias de Vingança (2013)

Oldboy (2013)

Odlboy - Dias de Vingança
Original:Oldboy
Ano:2013•País:EUA
Direção:Spike Lee
Roteiro:Mark Protosevich, Garon Tsuchiya, Nobuaki Minegishi
Produção:Doug Davison, Roy Lee, Spike Lee
Elenco:Josh Brolin, Elizabeth Olsen, Samuel L. Jackson, Sharlto Copley, Michael Imperioli, Pom Klementieff, James Ransone, Max Casella, Linda Emond, Elvis Nolasco, Rami Malek

A esta altura da vida você já deve ter visto Oldboy, de Chan-wook Park, e sabe porque sua reputação o precede; se não viu, não perca mais tempo com minhas letras mal escritas. Pare o que estiver fazendo e coloque-o já na sua lista de prioridades. Como um primor da bizarrice e do cinema fantástico como um todo, a ideia de um remake americano já poderia ser considerada um ultraje, contudo americanizar Oldboy passava por um desafio maior que a tradução e mera comparação com o original: era preciso entender um contexto cultural do oriente que torna Oldboy perversamente único, uma referência do cinema sul-coreano.

Mas Spike Lee teve peito de tocar o projeto depois que a Dreamworks comprou os direitos em 2004, produzindo e dirigindo o longa. Contra tudo e contra todos, a consequência foi o total desprezo. A crítica especializada praticamente ignorou a obra e o público também: dos 30 milhões de dólares de orçamento, não fez nem 5 milhões em bilheteria. O suplício da obra foi merecido?
Se levarmos em consideração o roteiro escrito por Mark Protosevich (Eu Sou a Lenda, Thor) não era para tanto, pois a linha segue como o original: Joe Doucett (Josh Brolin) é um executivo workaholic, que, além de ser um babaca no trabalho, é um negligente marido e pai no começo dos anos 90. Depois de uma bebedeira homérica, Joe acorda surrado em um quarto de hotel sem janelas.

Oldboy (2013) (2)

Pelos próximos 20 anos, comida chinesa e vodca são transferidas por baixo da porta, e o mundo passa por ele na pequena tela de TV do quarto, incluindo no pacote um noticiário sobre o assassinato de sua esposa lá em 1993, com Joe sendo o principal suspeito, e seus regulares aniversários de desaparecimento.

Subitamente ele é solto e apenas com um celular no bolso e as cartas que escreveu no cárcere para a filha Mia, Joe vibra por vingança. No caminho para encontrar quem o privou da liberdade por duas décadas, acaba cruzando o caminho de uma enfermeira chamada Marie (Elizabeth Olsen), o amigo Chucky (Michael Imperioli, Família Soprano) e lentamente começa a montar as peças para descobrir a identidade de seu captor: um sádico e degenerado milionário (Sharlto Copley, Distrito 9) com um passado para com Joe. Contudo a principal pergunta não é “quem“, mas “por que” Joe foi tratado assim. No caminho Lee recria cenas icônicas do mangá original e do filme coreano, como a luta de Joe com martelo contra criminosos liderados por Samuel L. Jackson.

Oldboy (2013) (1)

Entre tantos, o maior dos problemas é falta energia, aquela rude interpretação crua que convence e causa tamanho impacto com as revelações finais. Por mais que Josh Brolin se esforce – e, justiça seja feita, é o mais consistente do elenco – cada ator parece estar contracenando em seu próprio filme, cada um para um lado. Sharlto Copley não mostra sutileza em sua vilania, é tão exagerado em seu figurino e maneirismos que lembra Gomez Addams, da Família Addams; Samuel L. Jackson é ele mesmo num filme do Tarantino; Elizabeth Olsen não consegue formar aquela conexão com Joe, tão necessária para o andamento da trama… E por aí vai.

Diz a lenda que Lee não concordou com os cortes impostos pelo estúdio, que reduziu a duração do filme de 140 para 105 minutos, mas não sei se estes cortes repostos seriam diferentes para melhorar alguma coisa.

Oldboy (2013) (4)

Do jeito que está, no meio do novelão hermético e artificial tipo “Avenida Brasil” que o Oldboy americano vai se formando; as escolhas de Joe não condizem com o que se espera de alguém tão remoído pela vingança. Ao final, como o próprio personagem principal, a questão não está em “quem“, mas no “por que“: Talvez se fosse um filme separado e original tivesse algum valor, mas se não se equipara ao original ou adiciona nada novo ao legado de Oldboy. Qual é o motivo de fazê-lo? Talvez demore 20 anos para a resposta, enquanto isto Joe infelizmente merece o esquecimento dentro de um quarto de hotel sem janelas.

(Visited 1.435 times, 1 visits today)
Gabriel Paixão

Gabriel Paixão

Colaborador e fã de bagaceiras de gosto duvidoso. Um Floydiano de carteirinha que tem em casa estantes repletas de vinis riscados e VHS's embolorados. Co-autor do livro Medo de Palhaço, produz as Horreviews e Fevericídios no Canal do Inferno!

4 comentários em “Oldboy – Dias de Vingança (2013)

  • 24/10/2015 em 03:35
    Permalink

    A pergunta que não quer calar… será que tiveram a coragem do original de ter um final fodástico ou fizeram um final para o público americano ficar feliz???

    Resposta
  • 21/05/2015 em 22:57
    Permalink

    Realmente não se compara com o original,porém esta muito longe de ser um filme ruim!
    Esse remake não choca quanto ao original,as atuações são inferiores ao original;
    Situações bizarras como continuar com o bar aberto apos um tumulto e ser ameaçado e a mulher do nada se importar em ajudar outra pessoa como se não tivesse mais nada da vida a fazer são coisas que não dá para engolir!
    Mas é um filme altamente assistivel!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien