Vulgar (2000)

Vulgar (2000) (3)

Vulgar
Original:Vulgar
Ano:2000•País:EUA
Direção:Bryan Johnson
Roteiro:Bryan Johnson
Produção:Monica Hampton
Elenco:Brian O'Halloran, Bryan Johnson, Jerry Lewkowitz, Ethan Suplee, Matthew Maher, Don Gentile, Thomas W. Leidner, Michael Tierney, Scott Schiaffo

Apesar de sua vida estar no buraco, Will Carlson (Brian O’Halloran, de O Balconista) procura se manter otimista e seguir com sua carreira de palhaço de festas infantis. As crianças o odeiam, sua mãe o despreza e ele tem um único amigo no mundo, Syd (Brian Johnson), que tenta convencê-lo a procurar outra ocupação. Certo dia, Will surge com a ideia de diversificar o seu trabalho, atendendo festas de despedida de solteiro como Vulgar, uma espécie de um “palhaço erótico”. Nunca na história da humanidade uma ideia deu tão errado.

Vulgar (2000) (1)

Já no seu primeiro trabalho como Vulgar, Will cai nas mãos de Ed Fanelli (Jerry Lewkowitz) e seus filhos dementes, Frankie (Ethan Suplee) e Gino (Mathew Maher), trio de psicopatas que o submetem a uma noite de estupros, surras e humilhação. Voltando para casa destruído pela experiência, Will tenta retomar sua vida normal. Mas, seguindo a máxima que diz que no fundo do poço não há como descer mais, Will se torna uma celebridade ao salvar a vida de uma criança durante um assalto. Com a ajuda de um produtor da televisão (interpretado pelo célebre co-produtor Kevin Smith) ele ganha seu próprio programa infantil e se torna querido por todo o país. O passado volta par assombrá-lo quando os Fanelli resolvem chantageá-lo com uma fita de vídeo com as gravações daquela noite infernal. Junto com Syd, Will decide por um fim a esse pesadelo, sem saber que está subestimando os seus algozes.

Vulgar (2000) (2)

Sujo e perturbador ao extremo, Vulgar é o tipo de filme que só poderia ser feito de forma independente. Com um orçamento mínimo, o filme diz a que veio através das fantásticas atuações de Brian O’Halloran e Jerry Lewkowitz. O primeiro é um ator veterano dos filmes de Kevin Smith, que constrói seu personagem de forma simpática e piedosa, com destaque para a cena em que chega em casa depois de ser estuprado. Já Lewkowitz, que só tem um outro filme no currículo, está aterrador como Ed Fanelli, psicopata furioso e sem um pingo de glamour. A cena em que tortura um garoto de sete anos até a morte com um maçarico o coloca entre um dos vilões mais crueis do cinema, mesmo sem precisar usar gore explícito. Vulgar não é para os fracos, mas incrivelmente ainda consegue ser doce e engraçado em diversos aspectos. Talvez por isso seja tão perturbador.

(Visited 235 times, 1 visits today)
Matheus Ferraz

Matheus Ferraz

Mineiro, autor publicado e mestre em Biografia pela University of Buckingham

4 comentários em “Vulgar (2000)

  • 29/06/2015 em 11:55
    Permalink

    Mais um filme que quero assistir e não acho, como ‘Spring’.

    Resposta
  • 24/06/2015 em 11:45
    Permalink

    Após ler a crítica fiquei realmente curioso pra assistir, então como não consegui fazer o download, o vi em um site gringo. De perturbador realmente só a monotonia do filme que se arrasta em infinitos 83 minutos, nenhuma cena, nem mesmo a do estupro conseguiu me impressionar, tudo muito sugerido e insinuado. O vilão atua bem e causa repulsa e o personagem do palhaço gera compaixão. Esperava uma vingança sanguinária e me frustrei.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien