O Monstro da Bomba H (1958)

O Monstro da Bomba H (1958) (3)

O Monstro da Bomba H
Original:The H-Man / Bijo to ekitai ningen
Ano:1958•País:Japão
Direção:Ishirô Honda
Roteiro:Takeshi Kimura, Hideo Unagami
Produção:Tomoyuki Tanaka
Elenco:Yumi Shirakawa, Kenji Sahara, Akihiko Hirata, Eitarô Ozawa, Koreya Senda, Makoto Satô, Hisaya Itô

Outra pérola do cinema fantástico bagaceiro dos anos 50 do século passado, numa produção do estúdio japonês “Toho” e parceria entre o cineasta Ishiro Honda e o diretor de efeitos especiais Eiji Tsuburaya. O Monstro da Bomba H explora os temas de “homem transformado em monstro” e a paranoia dos efeitos radioativos desconhecidos e incontroláveis da energia atômica testada para a destruição com bombas no conturbado período da Guerra Fria após o término da Segunda Guerra Mundial.

A polícia de Tóquio está investigando as ações de criminosos na cidade, e após perseguição contra o ladrão de jóias Misaki (Hisaya Itô), encontra apenas suas roupas no chão. Atrás de informações e respostas, o Inspetor Tominaga (Akihiko Hirata) procura a namorada do gangster, a cantora de boate Chikako Arai (Yumi Shirakawa). Nesse momento, surge o Dr. Masada (Kenji Sahara), um estudioso dos efeitos da radiação nas pessoas. Ele sugere aos policiais a conexão entre as misteriosas mortes de pessoas derretidas e o desaparecimento da tripulação de um navio no Oceano Pacífico, numa provável relação com os efeitos da explosão de bombas atômicas na região, que poderiam ter criado um monstro mutante gosmento, uma espécie de líquido azul que em contato com as vítimas, fazem-nas borbulharem e derreterem. Após extensa investigação e muitas mortes violentas, a polícia organiza uma ação coordenada para incendiar os esgotos da cidade, local de refúgio das criaturas gosmentas, na tentativa de eliminar a ameaça.

O Monstro da Bomba H (1958) (2)

O grande destaque dessa preciosidade japonesa certamente fica por conta dos ataques violentos das criaturas radioativas derretendo suas vítimas, como líquidos vivos com atividade mental humana (ou “humanos líquidos”). Num excelente trabalho da equipe de efeitos especiais dirigida pelo mestre Tsuburaya, que impressionou as plateias da época e que continua interessante e convincente até hoje, nesses tempos modernos de computação gráfica e excesso de artificialidade.

Assim como em Matango, a Ilha da Morte (1963), que também é da dupla Ishiro Honda e Eiji Tsuburaya, o roteiro procurou explorar outros assuntos em paralelo com a ideia central dos monstros radioativos. Em Matango, temos uma interessante crítica social ao comportamento humano em momentos de crise, com um grupo de náufragos sobreviventes isolados numa ilha competindo entre si pela sobrevivência, ao invés de cooperação para o bem comum. Já em O Monstro da Bomba H, temos uma história de investigação policial sobre as atividades de criminosos e traficantes de drogas na capital japonesa. Porém, o problema é que infelizmente nesse caso, a narrativa tornou-se muito arrastada e entediante na condução dos policiais tentando localizar os bandidos, em meio ao mistério envolvendo o surgimento de vítimas derretidas. E o tédio aumentou significativamente com as várias cenas desnecessárias de cantorias numa boate, as quais deveriam ser trocadas por mais ataques sangrentos dos monstros viscosos. Ou por mais especulações científicas bagaceiras dos efeitos destrutivos da bomba de hidrogênio, assunto que é a maior razão da existência do filme (daí o título). Ou seja, deveríamos ter mais história de monstros e menos história de detetive.

O Monstro da Bomba H (1958) (1)

Curiosamente, percebemos influências do anterior O Estranho de Um Mundo Perdido (1956), produção inglesa da “Hammer” com um monstro gosmento imenso que se alimenta de radiação e derrete suas vítimas. E O Monstro da Bomba H foi lançado pouco antes da cultuada produção americana A Bolha (The Blob), com Steve McQueen, que também tem ideias similares na concepção de um monstro espacial amorfo e gosmento, formado por um líquido pegajoso. Naquele período fértil dos anos 50 para o cinema fantástico bagaceiro, temos inúmeras referências e relações entre filmes de países diferentes abordando a mesma ideia básica de monstros gosmentos radioativos que ameaçariam ainda mais a já instável segurança da humanidade por causa da Guerra Fria.

(Visited 454 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Um comentário em “O Monstro da Bomba H (1958)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien