Tara Maldita (2018)

4.6
(7)

 

Tara Maldita
Original:The Bad Seed
Ano:2018•País:EUA
Direção:Rob Lowe
Roteiro:Barbara Marshall, William March
Produção:Justis Greene, Harvey Kahn
Elenco:Mckenna Grace, Rob Lowe, Cara Buono, Patty McCormack, Sarah Dugdale, Lorne Cardinal, Luke Roessler, John Emmet Tracy, Lucas Steagall, Kate Isaac, Marci T. House, Shauna Johannesen, Ema Mlinar, Nevis Unipan

Aquela menina terrível do clássico Tara Maldita (The Bad Seed, 1956), de Mervyn LeRoy, inspirado na literatura de William March iria voltar de qualquer jeito. Se não numa continuação, em uma versão adulta de Rhoda (dos olhos esbugalhados de Patty McCormack), pelo menos em uma refilmagem moderna. Melhor ainda ao perceber pelo trailer algumas mudanças significativas e a escolha da minha atriz-mirim preferida do momento, Mckenna Grace, que esteve em Independence Day: O Ressurgimento, Amityville: O Despertar, Capitã Marvel e na excelente série A Maldição da Residência Hill, atuando como uma jovem e expressiva Theo. É sempre empolgante quando se percebe que uma refilmagem respeitou o trabalho original e tentou trazer novos suspiros para o enredo, mesmo que seja para um filme feito para a TV.

A primeira preocupação de fã da obra original é saber se ela seria uma refilmagem ou uma nova adaptação. No caso, pode-se dizer que é um pouco dos dois e nenhum ao mesmo tempo: o roteiro de Barbara Marshall apresenta uma versão moderna da pequena e cruel interesseira, alterando personagens e situações, ainda que respeite o que foi feito na década de 50. Vale também como elogio da proposta a direção e atuação de Rob Lowe, em sua estreia no comando de longas, apesar de manter as características de uma produção para a TV como o fade out entre algumas cenas para a entrada dos comerciais. The Bad Seed estreou no canal Lifetime no dia 9 de setembro de 2018, e depois foi ao ar um especial com os bastidores e entrevistas no dia 16. Conquistou quase dois milhões de views, entrando para o Top 10 dos programas conferidos na data.

No enredo, o viúvo David (Lowe) – espere aí! Tanto no original quanto na adaptação quem cuidava da menina era a mãe e ela não era viúva! – está tendo que se virar sozinho para cuidar da pequena Emma (Grace) – optaram por não manter o nome Rhoda -, um pequeno demônio que possui em casa. Com uma beleza doce, ampliado pelo olhar levemente caído da atriz, a garota é incapaz de sentir emoções, mas está disposta a qualquer atitude para conseguir o que deseja. Como no original, seu primeiro interesse é a medalha escolar, conquistada por disciplina e notas. Na perspectiva de Emma ela é erroneamente dada para o simpático Milo (Luke Roessler), que, na mesma ocasião – nada de acampamento escolar em outra data -, terá sua curta vida finalizada num riacho próximo. Sem mostrar a ação, mas destacando a cor intensamente vermelha de seu vestido, a pequena mente sobre ter sido a última pessoa a estar com o coleguinha, e isso inclui o desaparecimento da medalha.

Se na literatura de March, a escola, na figura da professora Ellis (Marci T. House), já não encontra razões para a continuidade de Emma no local, devido ao temor de outros pais, aqui há apenas algumas dúvidas sobre a tragédia. A menina não terá escrúpulos quando tiver a ousadia de colocar um vespeiro, escondido em seu veículo. É claro que para isso dependerá da boa vontade do infernauta que não criará questionamentos sobre o modo como ela fez isso: usou uma escada para retirá-la? Como conseguiu a chave do carro da professora? E como ela sabia que a simples presença dos insetos no interior do veículo já será suficiente para levá-la à morte? E se a professora simplesmente resolvesse pedir ajuda?

Outra grande mudança – e essa foi bem-vinda – é notada na substituição do empregado Leroy pela babá Chloe (Sarah Dugdale). Mantendo a mesma tortura psicológica contra a jovem, e isso inclui até mesmo textos parecidos com o original sobre a ameaça de ser condenada à cadeira elétrica, a babá ainda usa de sua sensualidade e beleza para seduzir o pai, ampliando o incômodo e praticamente selando seu destino, similar ao de Leroy. David busca ajuda psicológica com a Dra. March (Patty McCormack, que interpretou a Rhoda no filme de 56), que estabelece uma conexão com o original na fala: “Você lembra a mim quando eu tinha a sua idade!“. Uma belíssima homenagem!

Com um final diferente, e com mais suspense e criatividade, The Bad Seed cumpre bem seu papel de atualizar a literatura e o filme, além de brindar Mckenna Grace com seu primeiro grande papel. Mesmo não sendo perfeito, com falhas visíveis principalmente no roteiro, o longa desperta o interesse pelo texto original e permite reflexões sobre uma possível continuação, sem o lado sobrenatural de obras similares! Só de pensar em Rhoda/Emma na vida adulta, já dá bastante medo…

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.6 / 5. Número de votos: 7

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

(Visited 24.265 times, 1 visits today)

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

11 thoughts on “Tara Maldita (2018)

  • 17/04/2021 em 23:30
    Permalink

    Então, eu assisti o filme e fiquei fixada na garota, no melhor estilo psicótica. A atriz mirim fez um papel impecável, convenceu bastante e na minha opinião, não faltou nada para sua atuação. Gostaria que a psicóloga realmente tivesse tido uma maior participação na trama e achei a morte da babá desnecessária, era para ter ficado até o fim, ela foi uma excelente coadjuvante. A única parte fraca foi realmente o papel do pai, vivido do Love, esperava mais da atuação do ator e muito mais do personagem. Mas no mais, amei o filme e dei logo 5 estrelas.

    Resposta
  • 11/04/2021 em 17:50
    Permalink

    Gostei muito. Não é realmente um roteiro perfeito mas muito divertido e a sinopse diferente dos filmes atuais sobre psicopatia infantil. Vou procurar assistir o original e ler a obra literária original tbm. No geral recomendo pra quem, como eu, gosta de se divertir com uma trama clássica e não recomendo para o público de filmes de terror moderno, pois, o teor é mais psicológico e denso deixando fora as óbvias cenas de susto e sangue q esse público tanto busca.

    Resposta
  • 25/12/2020 em 11:21
    Permalink

    Só estou vendo ótimos comentários sobre
    esse o reboot, em geral. Vou pesquisar pra ver os dois, o original e o novo.

    Resposta
  • 01/11/2020 em 17:53
    Permalink

    Assisti o filme original. Assustador! Eu era criança e esse filme assobrou a minha infância.

    Resposta
  • 22/08/2020 em 03:15
    Permalink

    Ainda não consegui ver o Original,Mas esse eu achei que faltou usar muito a história da Rhoda,Já que é a própria,No meu ver,A mesma poderia fingir ajudar Emma,Pra no fim ajuda_la a fazer tudo que deseja e assim se tornarem melhores amigas,Pronta a pra matar quem tivesse pelo caminho,Sobre a babá,Achei uma puta sacanagem as ameaças que a mesma fazia,Poderia ser uma psicopata tbm,as 3 juntas,Mas sem confiar em.nenhuma,Pois qualquer uma das três poderia matar a outra,Mas não ela morre super facilmente,Lamentável,A menina é genial,Só não consegui entender o porquê ela tá sempre de cara fechada,Psicopatas não são felizes pelo que fazem? Fora a questão do filme ser uma mistura de Amigo oculto,Caso 39 e a profecia,Com dierenca que o Pai so queria se defender,Espero que o original não seja assim,Fora isso o filme é ótimo dou 5/10

    Resposta
  • 23/01/2020 em 13:31
    Permalink

    Filme Excelente… Gostei muito da substituição do caseiro pela babá. As duas jogando veneno uma na outra é muito divertido. A atriz que faz a menina é excelente e as caras de ódio que ela faz são super engraçadas. Só não gostei do ator que faz o pai, super esquisito, não sabe passar emoção, não gostei. Fora isso o filme é excelente.

    Resposta
    • 19/06/2020 em 03:38
      Permalink

      Você deve ser novinho porque o ator principal (Rob Lowe) já fez muito sucesso no passado, é bem famoso, mas realmente isso num garante nada pq tb achei ele bem engessado e estranho no filme.

      Resposta
    • 18/04/2021 em 12:03
      Permalink

      Me admira o filme antigo ter optado por um final mais corajoso (embora não explícito por causa da época) , meu pai disse q assistiu no cinema na época (ele nasceu em 40) e disse que as pessoas aplaudiram e comemoraram o desfecho da garota! Estamos em 2021 e os caras ficam copiando esse final parecido com o a profecia,o q até é válido pois o menino era o filho do coiso Ruin, mas sinceramente eu esperava um final a lá anjo maldito ( que a mãe deixou o moleque morrer) .

      Resposta
  • 20/05/2019 em 18:54
    Permalink

    Curti bastante! Eu gosto muito do filme clássico e esse soube trazer a obra de volta com uma repaginada bacana. A atriz mirim mandou muito bem tbm, fez jus a atriz original.

    Resposta

Deixe uma resposta para Gil Rodrigues Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.