Anything for Jackson (2020)

4.8
(11)

Anything for Jackson
Original:Anything for Jackson
Ano:2020•País:Canadá
Direção:Justin G. Dyck
Roteiro:Keith Cooper, Justin G. Dyck
Produção:Keith Cooper, Justin G. Dyck, Christopher Giroux, Bill Marks
Elenco:Sheila McCarthy, Julian Richings, Konstantina Mantelos, Josh Cruddas, Yannick Bisson, Lanette Ware, Claire Cavalheiro, Scott Cavalheiro, Kaitlyn Leeb, Rebecca Lamarche

É sempre bom assistir a produções com elementos de satanismo que exploram a temática de maneira criativa. Um desses exemplares e que pode não ter o devido reconhecimento é o terror Anything for Jackson, de Justin G. Dyck, que tem em seu currículo mais de 30 trabalhos na direção, sendo que grande parte composta por produções família, comédias infantis e principalmente natalinas – sem pesquisar a fundo e só observando o título, você identifica 14 filmes de Natal! Em meio a uma filmografia leve, quase sem censura, lá está este longa, com argumento dele mesmo com Keith Cooper, e roteiro deste último. Trata-se de um dos melhores filmes de terror de 2020, se as listas fizerem jus realmente aos destaques do ano.

Segundo as trívias, o filme custou a bagatela de U$250 mil dólares e o conceito fora apresentado a Bill Marks do Vortex Studio, que comprara a ideia em apenas cinco minutos de conversa com a dupla de realizadores. Para abreviação dos custos, boa parte das cenas foram filmadas na casa de Cooper, com algumas extras no porão de Dyck. E você quase não percebe que se trata de uma produção simples, econômica e quase independente, devido aos ótimos efeitos especiais, muitos realizados de maneira prática, e e sem explorar de maneira exacerbada o CGI (é até possível identificar em quais cenas foram usados os recursos do computador). Dessa forma, sem grandes nomes no elenco ou um marketing exagerado, Anything for Jackson pode passar despercebido, caso o infernauta não observe com atenção seus méritos.

Com a câmera imóvel na cozinha dos Walsh, a sequência inicial mostra o momento em que Audrey (Sheila McCarthy, de Antiviral, 2012) e Henry (Julian Richings, que fez a Morte na série Supernatural) sequestram a jovem grávida Shannon (Konstantina Mantelos). Assim que desperta presa a uma cama, em um sótão, ele é recepcionada pelo pequeno Jackson (Daxton William Lund), somente para descobrir – em um momento O Sexto Sentido (1999) – que aquela é apenas mais uma das assombrações que serão vistas no filme. O garoto está morto e, como já antecipam o título e a sinopse, os seus avós pretendem realizar um ritual para que ele renasça no bebê que a jovem está esperando.

Até aí você logo imagina que a trama irá se desenvolver a partir da luta pela sobrevivência de Shannon para tentar sair de seu cativeiro antes que seja tarde, uma vez que o casal aparenta só querer a criança. No entanto, a criatividade do roteiro reside exatamente em seu foco narrativo, pois a trama irá apenas acompanhar os dois idosos na busca por seu objetivo, com flashbacks que mostram como eles começaram a acreditar na possibilidade de renascimento de Jackson e o envolvimento deles em um culto satânico. E não é apenas isso: ao mexer com forças ocultas, eles passarão a ser aterrorizados por entidades perturbadas, dispostas também a buscar um hospedeiro, numa das melhores ideias do roteiro.

A moça sequestrada até desaparece de cena em dado momento, enquanto o público acompanha episódios aterrorizantes como o do “homem do saco“, do “fio dental” e a do “trick or treat” – só vendo para entender os calafrios. Outros personagens despontam para complicar a trama como o satanista Ian (Josh Cruddas) com seus próprios intentos, a detetive Bellows (Lanette Ware) e o vizinho chato Rory (Yannick Bisson), além do livro de invocações e rituais, também com sua participação fundamental. Assim, todos eles irão se confrontar, atrapalhando o casal até mesmo com a atormentada e constante repetição de suas mortes.

Anything for Jackson é um achado no gênero. Algumas resenhas abordaram o humor negro da produção, algo que se nota até, mas que não é o seu ponto máximo. O longa se constrói pelos arrepios, pelo modo como a narrativa se apresenta sem cair nos velhos clichês do estilo e também pelo respeito aos fãs de horror. Está disponível no Shudder, e espera-se que encontre algum lançamento e distribuição por aqui para que mais pessoas possam acompanhar de maneira assustadora o casal disposto a fazer qualquer coisa por Jackson!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.8 / 5. Número de votos: 11

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

3 thoughts on “Anything for Jackson (2020)

  • 26/08/2021 em 16:59
    Permalink

    Embora não tenha entendido o fim, gostei.

    Resposta
  • 17/01/2021 em 20:05
    Permalink

    Filme muito bom, com enredo que surpreende por fugir do esperado.

    Spoiler:
    Não gostei da evolução instantânea de personalidade do personagem Ian. Assim que ele entrou na casa dos Walsh e concordou em ajudar no ritual, pensei “Ih, com certeza esse cara vai fazer o ritual para ele e enganar o casal!”. E aquela cena dele no porão de casa saiu do “Manual do metaleiro satanista”? Hahahaha.

    Resposta
    • 11/03/2021 em 10:10
      Permalink

      Aquela cena do “porão do rock” e tão clichê quanto o cara ser “filhinho” da mamãe hahaha

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.