O Homem do Planeta X (1951)

5
(5)

O Homem do Planeta X
Original:The Man from Planet X
Ano:1951•País:EUA
Direção:Edgar G. Ulmer
Roteiro:Aubrey Wisberg, Jack Pollexfen
Produção:Jack Pollexfen, Aubrey Wisberg
Elenco:Robert Clarke, Margaret Field, Raymond Bond, William Schallert, Roy Engel, David Ormont, Gilbert Fallman, Tom Daly

A quantidade de filmes bagaceiros de horror e ficção científica produzidos principalmente a partir de meados do século passado é imensa, para o deleite dos apreciadores do cinema fantástico de baixo orçamento. O Homem do Planeta X (The Man From Planet X) é um filme americano de 1951 dirigido por Edgar G. Ulmer que deve ser sempre resgatado e reverenciado, não pelas qualidades cinematográficas reservadas para os clássicos, mas pela nostalgia e garantia de entretenimento com mais uma história de invasão alienígena.

Com fotografia em preto e branco, duração curta de apenas 70 minutos (característica comum dos filmes similares de orçamentos reduzidos daquela distante período), um roteiro carregado de clichês e situações para favorecer a precariedade da produção, além de efeitos toscos da nave espacial e do bizarro alienígena humanoide com cabeça enorme, o filme é uma daquelas divertidas tranqueiras que investiam em promoção com pôsteres exagerados com frases de efeito para chamar a atenção para seus elementos fantásticos, que impressionavam as plateias da época.

Na história, o cientista Professor Elliot (Raymond Bond) está com sua jovem filha Enid (Margaret Field) numa antiga torre de pedra localizada numa ilha remota da Escócia. A construção, erguida como proteção de ataques dos vikings, está servindo de observatório espacial para o cientista, que descobriu a aproximação misteriosa de um planeta até então desconhecido, identificado agora apenas como “X”. Ele tem o auxílio do Dr. Mears (William Schallert), um antigo aluno com passado suspeito e reputação duvidosa. E também recebe a visita de um amigo jornalista americano, John Lawrence (Robert Clarke), que informado por outro cientista, Dr. Robert Blane (Gilbert Fallman), sobre a descoberta do planeta ameaçador, decide viajar até a Escócia para investigar o evento. A ilha, sempre envolta em muita névoa espessa, seria o local na Terra mais próximo de um possível contato com o planeta em rota de aproximação.

Certa noite, ao vasculhar os arredores da torre de observação, eles encontram uma nave espacial pousada parecida com um sino de mergulho (a única diferença entre o espaço e a água é a densidade, justifica o Prof. Elliot), e são surpreendidos pelo contato com o alienígena do título (interpretado por Pat Goldin, não creditado), um humanoide com cabeça imensa e rosto com feições distorcidas, que usa um capacete transparente e aparelho respirador acoplado ao corpo, comunicando-se apenas com ruídos.

Após um contato inicialmente amistoso, o alienígena procura ajuda para seu planeta que está congelando, mas a confiança logo é quebrada graças às ações inescrupulosas do ganancioso Dr. Mears, criando um clima de animosidade com o “homem do planeta X”, que passa a usar como forma de retaliação um raio que controla a mente das pessoas. Dessa forma, ele recruta um grupo de escravos agindo como zumbis entre os aldeões de um vilarejo na ilha. Ao instaurar o medo pelo contato entre raças mal sucedido, a confusão acaba despertando a reação da polícia e de um pequeno grupo de soldados do exército que vieram do continente atendendo um pedido de socorro repassado por um navio que navegava próximo à ilha.

A temática da invasão alienígena sempre foi um interessante argumento nos filmes produzidos após o fim da Segunda Guerra Mundial, com seus roteiros influenciados pela paranoia da recém iniciada Guerra Fria entre os Estados Unidos e a antiga União Soviética, através do medo crescente dos americanos de uma invasão comunista em sua sociedade. O intruso alienígena vindo do misterioso planeta X é considerado uma ameaça, porém com suas intenções ainda em análise. Mas, após contato com o assistente Dr. Mears, que pensa nos lucros que poderiam ser obtidos com o uso de uma tecnologia extraterrestre superior, o confronto é inevitável.

Em O Homem do Planeta X iremos encontrar os clichês dos filmes bagaceiros que exploram a ficção científica e horror, com personagens estereotipados como o tradicional cientista que descobre um planeta se aproximando da Terra, sua bela filha que terá um interesse romântico com um jornalista investigativo, além da presença de um vilão ganancioso para tumultuar e gerar os conflitos. Há os elementos tradicionais indispensáveis como a nave espacial tosca e o monstro bizarro do espaço sideral, um invasor alienígena com feições humanoides que garante a diversão todas as vezes que aparece em cena. Uma vez sendo uma produção de recursos escassos, as filmagens ocorreram em poucos dias utilizando cenários reaproveitados, e as soluções do roteiro são todas simplórias com resultados previsíveis. E justamente a somatória de todos esses fatores garantem a diversão.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 5

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.