The Conjuring – The Lover #1 (2021)

5
(2)
The Conjuring - The Lover #1
Original:The Conjuring - The Lover #1
Ano:2021•País:EUA
Páginas:32• Autor:Rex Ogle, Scott Snyder, David Leslie Johnson-McGoldrick, Dave Johnson, Denys Cowan, Garry Brown •Editora: DC (Selo Horror)

O selo DC Horror foi inaugurado com essa série e tem como premissa a publicação de títulos com a temática, diferentemente do que se possa pensar pelo senso comum, que isso ficaria a cargo do DC Black Label, um substituto para a linha descontinuada da Vertigo que tem como alvo história para público mais maduro — temáticas que requerem um pouco mais de cautela e reflexão por parte do público — mas não necessariamente de horror/gore.

Acredito ser esse selo uma setorização das publicações que tenham relações com propriedades intelectuais diretamente ligadas com a temática de horror e que de alguma forma exijam um trato jurídico diferente tais com as linhas de filmes da New Line Cinema (A Hora do Pesadelo, a própria série do Invocação do Mal, IT, de Stephen King e Premonição como exemplos).

Esse é o primeiro número 1(de 5) da série lançada como produto derivado da franquia The Conjuring (Invocação do Mal no Brasil), que tem como o *set* um prelúdio do filme The Conjuring: The Devil Made Me Do It contando a história de Jéssica, uma caloura universitária que além de lidar com os dramas de sua vida (notas baixas, relacionamento problemático e etc) ainda precisa lidar com uma constante sensação de estar sendo observada a todo instante.

O que a leva gradualmente a entrar em uma espiral de desespero.

A série ainda tem como uma história secundária auto-contida (inicia e fecha em cada edição) sobre os objetos pertencentes da coleção de artefatos sobrenaturais de Ed e Lorraine, sob o título Tales from the Artifact Room.

Neste volume é a do Ferryman, escrito pelo famigerado Scott Snyder e desenhos de Denys Cowan, que já recebeu inclusive indicação ao Eisner Award por “Equipe de Arte” em seu trabalho de reformulação do personagem Question (juntamente de Dennis O’Neil).

Conta a história de um homem e uma maldição decorrente de uma brincadeira ainda infantil de retirar a moeda destinada ao barqueiro – isso ambientado em um tempo contemporâneo e em território norte americano.

A história tem desfecho previsível, mas tem o ritmo de um conto de horror pós-moderno. É satisfatório com a proposta de ligar os objetos à coleção de Ed e Lorraine.

E com isso a história da primeira parte lança questionamentos e apresenta poucas respostas, forçando para além dos limites do quadrinho em si a tentativa de entender mais o que acontece neste universo enquanto a segunda história funciona como intervalo consciente.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Ed "Toy" Facundo

Cearense nascido e criado na capital, apaixonado pela ideia de dar vidas aos seus brinquedos ou resolver intrigantes configurações do lamento - talvez esteja em um copo de cerveja - e vocalista da banda de death/thrash metal Human Heritage. Veio à Newcastle (Upon Tyne) em busca daquilo que traumatizou Constantine e sobrando tempo para exercer sua profissão de desenvolvedor de jogos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.