Wolfman – A Verdadeira História do Lobisomem (1979)

5
(1)

Wolfman - A Verdadeira História do Lobisomem
Original:Wolfman
Ano:1979•País:EUA
Direção:Worth Keeter
Roteiro:Worth Keeter
Produção:Earl Owensby
Elenco:Earl Owensby, Kristina Reynolds, Sid Rancer, Ed Grady, Richard Dedmon, Maggie Lauterer, Brownlee Davis, Helene Tryon

“Forças do Mal, poderes da escuridão, criaturas do outro lado, novamente pedimos a sua ajuda para fazermos a vossa vontade. Pedimos que doravante a maldição que paira sobre a família Glascow seja o fardo do filho mais velho.”

O lobisomem é um dos monstros tradicionais do horror, ao lado dos vampiros, demônios, múmias e zumbis, entre outros. A mitologia dos homens transformados em lobos nas noites de lua cheia e que matam violentamente à procura do sangue e carne de suas vítimas, sempre foi um tema bastante explorado no cinema. Através de uma infinidade de filmes de todos os tipos, desde produções bem cuidadas com orçamentos maiores e efeitos especiais caprichados, passando pelos preciosos clássicos antigos e as tranqueiras diversas, muitas delas divertidas justamente por suas características bagaceiras.

A Verdadeira História do Lobisomem (Wolfman, EUA, 1979) é mais um filme dentro desse universo ficcional, com um título nacional exagerado e mal escolhido (bastava apenas nomear como “Lobisomem”, simples como o original), dirigido e escrito por Worth Keeter em seu trabalho de estreia.

Após a morte do pai, Edwin Glascow (Julian Morton), em circunstâncias misteriosas, Colin (Earl Owensby, que também foi o produtor), retorna para sua cidade natal e mansão da família para acompanhar o testamento e resolver questões burocráticas sobre o patrimônio herdado, a pedido do advogado da família, Ewan Rowe (Al Meyers). Depois de sair de casa há muitos anos e viajar pelo mundo, em seu retorno para o vilarejo ele não é bem recebido pelos aldeões e reencontra uma namorada do passado, Lynn Harris Randolph (Kristina Reynolds), com quem estabelece uma nova aproximação.

Reencontra também a avó (Helene Tryon), mantida isolada em seu quarto numa atitude suspeita de seus primos Clemente (Richard Dedmon) e Elizabeth (Magie Lauterer). E após descobrir irregularidades no testamento do pai falecido, Colin decide investigar por conta própria com a ajuda do médico Dr. George Tate (Sid Rancer), mas torna-se vítima de uma conspiração satânica organizada por seus parentes e liderada pelo obscuro reverendo satânico Leonard (Ed Grady), envolvendo uma antiga maldição familiar com licantropia.

Com a ocorrência de assassinatos sangrentos na região com a possível autoria de um grande animal selvagem e com a investigação policial do xerife local (Brownlee Davis), Colin torna-se suspeito e precisa lutar contra a maldição e proteger a antiga namorada.

A Verdadeira História do Lobisomem é uma produção de orçamento reduzido e história clichê de maldição familiar envolvendo o mito do lobisomem, daquelas já vistas tantas vezes que não é possível classificar o filme como algo fora da mesmice. Mas, tem alguns pontos positivos para os apreciadores do cinema de horror gótico, e que são sempre bem vindos como a ambientação sinistra de uma mansão tétrica e seu porão ameaçador na virada entre os séculos 19 e 20, o cemitério fantasmagórico com seus túmulos macabros, a carruagem como meio de transporte, a névoa espessa que sempre gera uma sensação de desconforto, a cerimônia satânica de evocação do demônio, a histórica maldição familiar e o lobisomem com seus efeitos práticos de maquiagem, toscos e sempre divertidos.

Por outro lado, tem também pontos desabonadores como o ritmo arrastado num convite ao sono em alguns momentos, os diálogos simplórios e previsíveis num trabalho sem inspiração do roteiro, as atuações ruins, a duração longa que poderia ser encurtada em pelo menos uns 20 minutos, os ataques da fera que poderiam ser mais violentos e sangrentos, entre outros.

O filme foi lançado em DVD no Brasil por volta de 2010 na coleção “Lobisomens, Vampiros e Zumbis – Volume 2”, da revista digital “Showtime Clássicos”, no mesmo disco com Os Ritos Satânicos de Drácula (The Satanic Rites of Dracula, 1973) e Convenção de Vampiros (The Vampire Happening, 1971).

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.