Observadores (2021)

2.3
(3)

Observadores
Original:The Voyeurs
Ano:2021•País:EUA
Direção:Michael Mohan
Roteiro:Michael Mohan
Produção:Michael Ciccone, Ellen De Faux, Greg Gilreath, Adam Hendricks
Elenco:Sydney Sweeney, Justice Smith, Ben Hardy, Natasha Liu Bordizzo, Katharine King So, Cameo Adele, Jean Yoon, Cait Alexander, Blessing Adedijo

Há um segmento de filmes (quase um gênero específico) onde uma reviravolta é esperada para chacoalhar a trama com revelações surpreendentes ou eventos inesperados. Existe um sem número de produções que trabalham com a expectativa da audiência e entregam surpresas bem orquestradas, que fazem sentido no contexto e que são realmente originais, a ponto de se tornarem clássicos modernos.

Para citar apenas alguns filmes mais famosos e recentes, todos queriam saber quem era Keyser Soze em Os Suspeitos (1995), o que atormentava Nicole Kidman e seus filhos em Os Outros (2001) e o que realmente acontecia no Clube da Luta (1999).

Desde que Charlton Heston encontrou uma certa estátua no Planeta dos Macacos (1968), o chamado plot twist tem feito a febre de produtores e roteiristas que buscam, por exemplo, algo à beira da perfeição como O Sexto Sentido (1999), que é mencionado em praticamente todas as discussões sobre surpresas em filmes ou filmes surpreendentes. Contudo, para cada Se7en (1995) que aparece (isso sim que é um final acachapante), são feitos outros tantos que não chegam nem ao calcanhar dos filmes citados anteriormente e, infelizmente, The Voyeurs é um deles.

O filme começa até bem com um casal (Sydney Sweeney e Justice Smith) que acaba de se mudar para um novo apartamento e fica fascinado por acompanhar pelas janelas a vida de outro casal que mora no prédio em frente. Lógico que esse mero exercício de voyeurismo se complica na medida que Pippa (a talentosa Sweeney) irá interferir na vida do casal observado. Contudo, o que poderia resultar num estudo sobre o desejo e aparências, vai se transformar numa trama rocambolesca sem nenhum sentido e propósito, com um plot twist totalmente improvável.
Esse é o tipo de filme onde o roteirista (que é o próprio diretor Michael Mohan) tenta fazer algo espertinho mas naufraga em sua mediocridade sem dó nem piedade.

A primeira metade deste longa disponível na Amazon Prime é até passável, descontando alguns clichês do gênero, mas do meio para o fim o roteiro tenta reviravoltas que atentam contra a inteligência do espectador, o que é fatal para esse tipo de filme. Para que o leitor tenha uma ideia do que estou falando, basta dizer que a revelação bombástica aqui tem o mesmo naipe das revelações de Truque de Mestre (2013) e O Turista (2010), ou seja, somente a velhinha de Taubaté acredita…

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 2.3 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Ricardo Gazolla

Formado em Direito e trabalhando no setor privado, apaixonado por cinema desde a infância quando assistiu Os Goonies (1985) na tela grande. Sua predileção pelo horror começou um pouco depois ao conhecer em VHS A Hora do Pesadelo (1984), Renascido do Inferno (1987) e A morte do demônio (1981). Desde então o cinema se tornou um hobby, um vício socialmente aceito, um objeto de estudo, um prazer público e, agora, no site Boca do Inferno, uma forma de comunicação com as pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.