Assombrações ocultas da Residência Hill

0
(0)

Um dos grandes destaques do horror de 2018 foi, sem dúvida, a série A Maldição da Residência Hill, de Mike Flanagan, inspirada na obra de Shirley Jackson. O que poderia ser mais um produto envolto em clichês, embebido do subgênero das casas assombradas, acabou se revelando assustador e divertido, ao apresentar uma dupla narrativa com o passado de uma família moradora da mansão e as consequências trágicas no presente. E o melhor de tudo é que a série foi além dos sustos para envolver simbolismo em cada ação – como a pequena que desaparece em dado momento e alega que estava ali o tempo todo, justificando uma possível atitude drástica anos depois -, dramas pessoais e o modo de lidar com as perdas.

A série ainda promoveu momentos genuínos como o excelente episódio 6, dividido em longos “plano-sequência” (tomada única, sem cortes) e uma conclusão emocionante. Com tantas qualidades como o ótimo elenco expressivo (a jovem Theo, interpretada por Mckenna Grace, é simplesmente um achado no cinema), não poderia ser diferente: destaque na CCXP 2018 e o anúncio de uma continuação, inspirada em outra obra clássica.

É provável que a série ainda se destaque pelo que não foi claramente mostrado. Sejam as estátuas que se mexiam discretamente no corredor para acompanhar o personagem de Henry Thomas ou os múltiplos fantasmas presentes na produção, o que torna tudo ainda mais divertido é tentar caça-los pelos episódios. Essa brincadeira assustadora – e que foi negada pela produção, num jogo de marketing bem interessante – foi revelada em inúmeros vídeos do youtube. Segue como exemplo o canal abaixo, que revelou cada aparição e fez muitas pessoas reverem a série com olhares mais atentos.

Vejam e se divirtam brincando de caça-fantasmas:

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.