Horror Queer – Parte 3: Anos 70 – Vampiras lésbicas e criaturas bissexuais

Parte 3: Anos 70 – Vampiras lésbicas e criaturas bissexuais

Como escreve o estudioso de cinema B. Ruby Rich em seu livro New Queer Cinema: The Director’s Cut, “Considere o estado de filmes gays e lésbicas nos Estados Unidos antes de 1969. Indiscutivelmente não havia tal coisa, apenas uma dispersão de diretores gays e lésbicas, que trabalhavam muitas vezes com roteiros fechados, fazendo filmes que se disfarçavam de heterossexuais para o mercado de massa, embora com o ocasional ator gay ou lésbica dando uma piscadela sutil”. Mas com a dissolução final do Código Hays em 1968, os gays saíram imediatamente correndo do armário – mesmo não possuindo a luz mais lisonjeira – para introduzir seus ideais na indústria cinematográfica dos anos 70.

A liberação sexual estava latente sobre a América, e assim os monstros do horror também se tornaram hiperssexualizados. E com o aumento da visibilidade queer após a Rebelião de Stonewall (NOTA: A Rebelião de Stonewall foi uma série de manifestações violentas e espontâneas de membros da comunidade LGBT contra uma invasão da polícia de Nova York que aconteceu nas primeiras horas da manhã de 28 de junho de 1969, no bar Stonewall Inn, localizado no bairro de Greenwich Village, em Manhattan, em Nova York, nos Estados Unidos. Esses motins são amplamente considerados como o evento mais importante que levou ao movimento moderno de libertação gay e à luta pelos direitos LGBT no país.), os personagens LGBTQ estavam mais explicitamente presentes do que nunca na tela: o subtexto se tornou texto. É claro que os personagens esquisitos eram tão monstruosos quanto antes – mas pelo menos estavam saindo das sombras. O armário de celuloide estava finalmente se abrindo, mas ainda havia um longo caminho a percorrer quando se tratava de representação.

Dorian Gray (O Retrato de Dorian Gray, 1970) – Esta atualização do filme de 1945 de Albert Lewin era mais gay do que seu antecessor. Representações de sexo e sexualidade poderiam agora ser mais explícitas do que eram nos dias de Lewin, mas o Dorian Gray dos anos 1970 (interpretado por Helmut Berger) também é mais aparentemente hétero do que era antes. De qualquer maneira, Dorian é um personagem construído para simbolizar a decadência e depravação da Londres dos anos 70 – e a forma erótica como seu corpo é filmado nesta versão definitivamente não é para fãs estritamente femininas.

Dr. Jekyll and Sister Hyde (O Médico e a Irmã Monstro, 1971) – Essa história de troca de gêneros fez um pouco mais do que seu antecessor, Frankenstein Created Woman, para desfazer as questões que se apresentavam quando uma figura masculina e feminina compartilhava o mesmo corpo. Na busca da vida eterna, o Dr. Jekyll (Ralph Bates) começa a experimentar em si mesmo uma formula secreta, tomando hormônios femininos por via intravenosa. Como resultado, Jekyll se transforma em uma mulher, a irmã Hyde. Jekyll faz compras de roupas femininas para Hyde, e um homem chamado Howard chega até a flertar com sua alter-ego, mas é claro que o sentimento não é recíproco (claro, Jekyll retoma o controle do corpo novamente antes que as coisas fiquem um tanto físicas para sua “irmã”.). No livro Hammer and Beyond: The British Horror Film, Peter Hutchings explica a mudança do papel das mulheres no horror nos anos 70 como a transformação da mulher de objeto passivo em garotas-problema. ”E a irmã Hyde era definitivamente um problema, tentando matar a mulher interessada em Jekyll por incitar nele impulsos heterossexuais enquanto ela tentava assumir plenamente a autonomia de seu vaso corporal compartilhado”.

The Vampire Lovers (Carmilla, a Vampira de Karnstein, 1970) – Com as regras de censura relaxando em um post-code de Hollywood, o pessoal da Hammer Films decidiu capitalizar o veio com esta adaptação de Carmilla, que se concentrava em uma jovem vampira chamada Mircalla Karnstein. Mircalla atendia prontamente pelo nome de Carmilla enquanto seduzia mulheres jovens e matava pessoas em uma cidade do leste europeu do século XVIII. Para continuar seguindo as façanhas da Família Karnstein, veja Lust for a Vampire (1971) e Twins of Evil (1971), que completam a trilogia, mas que são menos abrangentes no movimento queer.

The Daughters of Darkness (Escravas do Desejo, 1971) – As vampiras lésbicas eram um assunto verdadeiramente global na década de 1970; este filme de terror erótico belga é considerado um dos exemplos mais artísticos do subgênero. Um casal recém-casado em lua-de-mel tem a má sorte de encontrar a condessa Elizabeth Báthory (Delphine Seyrig) e sua “secretária”, com quem sempre viaja. Há tanto sadismo, assassinato e transformação neste filme, que a crítica Camille Paglia agrupou na categoria de “alto teor psicológico” em seu livro Sexual Personae.

The Blood Spattered Bride (A Noiva Ensangüentada, 1972) – Esta versão da história de Carmilla é um clássico do terror espanhol. Desta vez, no entanto, é Mircalla Karstein (Alexandra Bastedo) quem assombra os sonhos de uma mulher recém-casada chamada Susan (Maribel Martín), a quem ela seduz, infiltrando seus sonhos antes que os dois eventualmente entrem em um caso escandaloso. Sua paixão desperta uma sede de sangue em Susan, que concorda em tentar matar seu marido (Simón Andreu), assim como Mircalla matou o dela séculos atrás.

Rocky Horror Picture Show (homônimo, 1975) – É um fato bem conhecido que Rocky Horror Picture Show é um dos filmes mais esquisitos já feito. Se os conservadores esperavam que houvesse uma maneira de empurrar o gênio gay de volta à garrafa depois que ele se soltou na década de 1970, esmagaram por vez todas suas esperanças e sonhos quadrados. Tim Curry oferece uma performance virtuosa no estilo “camp” como o Dr. Frank N. Furter, o doce cientista travesti do longínquo planeta Transexual Transylvania.

Protagonista icônico, Tim Curry

FONTES:
Wikipedia – Queer Horror
Vulture – 50 Essential Queer Horror Films
Wussymag – Haunted: The intersections of queer culture and horror movies
Dazed – Queer horror: a Primer
Monsters in the Closet: Homosexuality in the Horror Film (Harry M. Benshoff – 1997)
New Queer Cinema: The Director’s Cut (Ruby Rich – 2013)
Uninvited: Classical Hollywood Cinema and Lesbian Representability” (Patricia White – 1999)

A SEGUIR…

Anos 1980 – Conservadorismo, AIDS e a incorporação Queer

Leia também:

Parte II: Os Anos 50 – Monstros cafonas e mais subtextos queer

Parte I: Horror Queer – Quando o medo é a baixa representatividade

(Visited 905 times, 1 visits today)
Iam Godoy

Iam Godoy

Escritor, colunista, fotógrafo, libertino, subversivo e um porra-louca sem noção do perigo. Comanda desde 2013 o site Gore Boulevard, antro de clássicos e bagaceiras sangrentas.

Um comentário em “Horror Queer – Parte 3: Anos 70 – Vampiras lésbicas e criaturas bissexuais

  • 05/09/2019 em 14:49
    Permalink

    Rapaz, confesso que quanto esses artigos começaram torci o nariz, por três motivos, o primeiro foi o preconceito mesmo, achei que a “escolha” (desculpem se não for o termo correto, mais não consegue pensa numa palavra melhor) ou direcionamento afetivo do autor de alguma forma iram macular o texto, e que iria ler muita militancia, reclamações, e excesso de visão contemporanea em cima de filmes com decadas de existencia, segundo, a falta de material, não achei que haveria informação sucifiente para o autor conseguir achar personagens e subtramas lgbts, ou melhor “Queer” como ele mesmo nomeou, em filmes de uma época onde muito mais do que hoje a exclusão social era bem mais forte a pessoas “queer”, terceiro e ultimo, o genero terror na minha cabeça sempre esteve atrelado ao medo, aos temores do subconsciente, e as representações fantasticas desses temores na forma de monstros, assassinos, fantasmas, ou seja, nada a ver com orientação sexual… Para quem leu as resenhas ate aqui pode ver o quanto eu quebrei a cara, principalmente neste terceiro argumento, o autor, não apenas quebrou esses três argumentos que agora vejo eram rasos, como me mostrou intepretações diferentes, de filmes e personagens que eu gostava, mas nunca tinha percebido como poderiam ser intepretados de outra forma… Não a toa cinema apesar de ser entretenimento também é arte.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien