Mortos de Fome (1999)

Mortos de Fome (1999)

Mortos de Fome
Original:Ravenous
Ano:1999•País:República Tcheca, UK, EUA
Direção:Antonia Bird
Roteiro:Ted Griffin
Produção:Adam Fields, David Heyman
Elenco:Guy Pearce, Robert Carlyle, David Arquette, Jeremy Davies, Jeffrey Jones, John Spencer, Stephen Spinella, Neal McDonough, Bill Brochtrup, Fernando Becerril

Aquele que combate monstros deve se cuidar para que não acabe se tornando um monstro
Friedrich Nietzche, filósofo alemão (1844-1900)

Diante da enorme quantidade de filmes de horror que são produzidos todos os anos, de todos os estilos e para todos os públicos, é fato conhecido que poucos trazem situações originais em suas histórias ou que pelo menos não explorem exageradamente certos clichês que não despertam mais tanta atenção dos fãs. No caso de Mortos de Fome (Ravenous, 1999), dirigido pela cineasta inglesa Antonia Bird a partir de um roteiro de Ted Griffin, temos que reconhecer a atrativa criatividade de sua bizarra história de canibalismo, fugindo um pouco do trivial e acrescentando elementos interessantes, tendo como base do estranho argumento uma lenda indígena sobre os Windigos, homens que ao comerem a carne de outros homens, normalmente inimigos, assumem para si sua força, essência e espírito, tornando-se criaturas capazes de curarem suas doenças e eliminarem seus ferimentos mortais, demonstrando uma força e poder de regeneração fora do comum. O problema é que, assim como ocorre com o vampirismo em relação ao sangue, a fome de carne humana transforma-se num desejo insaciável e voraz, incitando a comer cada vez mais para se tornar ainda mais forte. Uma outra boa descrição para esse fenômeno sobrenatural está anunciada no interessante tagline do filme, Você é quem você come.

A história é ambientada num distante e isolado posto militar americano do século XIX, localizado na California e servindo de assistência para os viajantes que estão atravessando as selvagens Serras Nevadas Ocidentais. Chamado de Forte Spencer, a liderança do local é feita pelo Coronel Hart (Jeffrey Jones), tendo sob seu comando o Major Knox (Stephen Spinella), um bêbado que também é o responsável pelo socorro médico, os soldados Toffler (Jeremy Davies), que é um jovem religioso e uma espécie de capelão, o perigoso e irritado Reich (Neal McDonough), e o fumante Cleaves (David Arquette), um viciado em ervas alucinógenas. Fazem parte ainda da população do forte um casal de ajudantes, os irmãos indígenas George (Joseph Running Fox) e Martha (Sheila Tousey).

Mortos de Fome (1999) (1)

Enquanto isso, é apresentando o Capitão John Boyd (Guy Pearce), recentemente promovido politicamente por sua atuação duvidosa durante uma batalha na guerra civil entre os Estados Unidos e México em 1847. Mais próximo de uma conduta covarde do que heróica no campo de batalha, ele recebe também em represália uma transferência para o longínquo Forte Spencer.

Boyd junta-se então ao grupo do Cel. Hart e numa noite fria de muita neve, surge mais um homem, o estranho Colquhoun (Robert Carlyle), que após ser reanimado de uma hipotermia alega que é um sobrevivente de uma pequena expedição de pioneiros que ficou presa numa caverna por vários meses, por causa de uma tempestade de neve que fechou os caminhos e impossibilitou a continuidade da viagem. Colquhoun contou uma história macabra justificando que para não morrer de fome comeu literalmente seus companheiros.

O Cel. Hart decide então formar uma equipe de resgate para averiguar o misterioso relato, liderando um grupo formado ainda pelo guia índio George e os soldados Reich, Toffler e Cap. Boyd. Porém, eles não imaginavam que descobririam uma terrível revelação sobre Coquhoun e o Cel. Ives, um militar que guiava a expedição que se refugiou na caverna. A partir daí, os homens terão que lutar por suas vidas e para não serem devorados, destacando-se entre eles o Cap. Boyd, que passa a ter a ingrata missão de enfrentar seus piores conflitos internos por causa de um passado vergonhoso, e também de tentar controlar seus novos instintos assassinos.

Mortos de Fome (1999) (2)

Mortos de Fome é um filme diferente, que aborda o tema do canibalismo numa história interessante. Como comer carne humana é considerado um ato de extrema agressividade, essa prática normalmente desperta um sentimento de repulsa nas pessoas. E o filme também tenta apresentar alguns elementos ligeiros de humor negro que poderiam tranquilamente passar despercebidos, tornando-se irrelevantes e desnecessários enquanto prevalecem com muito mais ênfase e energia as cenas envolvendo violência e sangue.

O filme tem algumas cenas pesadas de violência e canibalismo, onde destaca-se uma longa sequência no confronto mortal e decisivo entre um perturbado Capitão Boyd e o Coronel Ives, que tem a intenção de formar uma sociedade secreta de canibais, com direito à várias cenas repletas de pancadaria, ferimentos com instrumentos de corte rasgando a carne, e sangue jorrando em profusão. Uma cena curiosa em particular, e igualmente inverossímil, é quando um acuado Cap. Boyd tenta fugir de seu agressor se jogando do alto de um precipício, esperando sobreviver na queda num choque contra várias árvores, lembrando uma sequência similar em Rambo – Programado Para Matar (First Blood, 1982), onde o veterano combatente da Guerra do Vietnã John Rambo (Sylvester Stallone) se atira de um penhasco para fugir de um atirador, se chocando violentamente contra as árvores abaixo e apenas tendo como prejuízo um corte num dos braços, devidamente costurado logo em seguida.

Mortos de Fome foi lançado em DVD no Brasil pela Fox, num disco trazendo bastante material extra, porém tudo em inglês sem legendas. Inclui um trailer de dois minutos, uma galeria de fotos com desenhos dos figurinos e dos cenários (especialmente o Forte Spencer), uma coletânea de doze minutos com cenas excluídas, e a exibição do filme com comentários da diretora Antonia Bird, do responsável pela trilha sonora Damon Albarn, do roteirista Ted Griffin e dos atores Robert Carlyle e Jeffrey Jones.

Mortos de Fome (1999) (3)

O título nacional do filme, Mortos de Fome, até que não é ruim, tendo relação com a história, mas num primeiro momento o nome acaba ficando associado a uma comédia de humor negro. E o ideal seria traduzir literalmente o original Ravenous para algo como Voraz (nome adotado na distribuição no México), ou Insaciável (nome em Portugal), Devorador, ou ainda Faminto.

O elenco é formado por um time competente de atores onde destacam-se Guy Pearce, Robert Carlyle, David Arquette e Jeffrey Jones. O primeiro nasceu na Inglaterra em 1967 e tem filmes importantes na carreira como Los Angeles, Cidade Proibida (97), Amnésia e Regras do Jogo (ambos de 2000), O Conde de Monte Cristo e A Máquina do Tempo (ambos de 2002), Guerra ao Terror (2008), Não Tenha Medo do Escuro e O Discurso do Rei (ambos de 2010), Prometheus (2012) e Homem de Ferro 3 (2013). O escocês Robert Carlyle nasceu em 1961 e sua filmografia conta com aproximadamente 60 trabalhos, sendo bem conhecido por sua atuação no cultuado Trainspotting – Sem Limites (96), além de A Praia (2000), ambos de Danny Boyle, Baladas, Rachas e Um Louco de Kilt (2001), ao lado de Samuel L. Jackson, Eragon (2006), Extermínio 2 (2007) e Vingança entre Assassinos (2009) Já David Arquette é americano do Estado da Virginia, nascido em 1971 e conhecido especialmente como o policial Dewey na quadrilogia Pânico, criada por Wes Craven e iniciada em 1996, além do drama da Segunda Guerra Mundial Cinzas da Guerra (2001), pela divertida paródia de horror Malditas Aranhas! (2002) e Perseguição Assassina (2006). E completando a equipe de protagonistas principais, tem o veterano Jeffrey Jones, ator americano nascido em 1947 e que teve participações em filmes como Os Fantasmas Se Divertem (88), Ed Wood (94) e A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça (99), todos de Tim Burton.

Curiosamente, Mortos de Fome seria no início dirigido pelo cineasta nascido na Macedônia Milcho Manchevski, que foi logo substituído por Antonia Bird, a pedido do ator Robert Carlyle, que já havia trabalhado várias vezes com a diretora.

Coma para viver. Não viva para comer – Ben Franklin, estadista e filósofo americano (1706-1790)

(Visited 1.321 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

8 comentários em “Mortos de Fome (1999)

  • 09/11/2014 em 00:13
    Permalink

    Nossaaa, assisti esse fi,me quando era mais novo e fiquei doido !!!
    Adoro esse filme,, ate hoje dentro do seu estilo esta entro um dos MELHORES que ja vi ^^
    Extremamente recomendável .

    Resposta
  • 16/06/2014 em 11:41
    Permalink

    Um excelente filme com ótimos atores. Vale a pena assistir e ter em sua videoteca.

    Resposta
  • 18/04/2014 em 09:04
    Permalink

    nunca tinha ouvido falar desse filme mas agora fiquei louca pra assisti-lo,sem falar que só tem gente legal no elenco.

    Resposta
  • 17/04/2014 em 02:41
    Permalink

    Curto muito filmes de canibalismo , mais esse infelizmente não vi ainda , mais vou citar apenas 2 ótimos exemplos nesse tema : o brutal ” Scarce ” de 2008 e o extremo ” Cannibal ” de 2006 !

    Resposta
  • 16/04/2014 em 22:17
    Permalink

    Simplesmente fantástico! Filme imperdível.

    Resposta
    • 16/04/2014 em 22:28
      Permalink

      Realmente o filme aborda o canibalismo dentro do mito do vampirismo, ou seja, o praticante do primeiro ato bizarro adquire força e vitalidade tal como um vampiro ao sugar o sangue de suas vítimas. Filme muito criativo e com um ambiente bastante sinistro que prende nossa atenção até o fim. Sem dúvida alguma para os apreciadores do gênero terror, trata-se de um excelente filme para apreciar numa boa noite.

      Resposta
      • 16/04/2014 em 23:18
        Permalink

        na verdade o filme pega carona da lenda do wendigo que quando um humano come a carne de um outro humano, ganha força e agilidade maior que o normal, mas que só terá sua fome saciada comendo carne humana.
        engraçado que eu tinha visto esse filme a 3 semanas atrás (achei vendo a fimografia do guy pierce) e gostei bastante da temática.
        não é de terror e o filme não chega a dar medo, mas a temática de canibalismo é bem interessante e nojenta

        Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *