O Retorno da Maldição – A Mãe das Lágrimas (2007)

Mother of Tears (2007)

O Retorno da Maldição - A Mãe das Lágrimas
Original:La terza madre
Ano:2007•País:Itália
Direção:Dario Argento
Roteiro:Jace Anderson, Dario Argento, Walter Fasano, Adam Gierasch, Simona Simonetti
Produção:Claudio Argento, Dario Argento, Marina Berlusconi, Giulia Marletta
Elenco:Asia Argento, Cristian Solimeno, Adam James, Moran Atias, Valeria Cavalli, Philippe Leroy, Daria Nicolodi, Coralina Cataldi-Tassoni, Udo Kier, Robert Madison, Jun Ichikawa, Tommaso Banfi

O final do ano de 2007 e o início de 2008 marcaram a história do horror cinematográfico moderno com a conclusão de duas lendárias trilogias. A primeira foi iniciada pelo Mestre José Mojica Marins ainda nos anos 60, com os filmes: A Meia-Noite Levarei Sua Alma e Esta Noite Encarnarei No Teu Cadáver e finalmente se encerrou com o lançamento no primeiro semestre de 2008 de A Encarnação do Demônio. A segunda trilogia foi iniciada pelo mestre do horror europeu: Dario Argento, em 1977 com o clássico absoluto Suspiria, seguido pela fábula neogótica A Mansão do Inferno, de 1980. No halloween de 2007 Argento finalmente lançou o aguardado Mother of Tears aka La Terza Madre, um filme de altos e baixos que no geral não desaponta os fãs e nos traz cenas eletrizantes de horror e gore extremo.

Mojica teve mais sorte, mais tempo e condições de filmar o que realmente queria com cenas inesquecíveis e extremas como escalpelamento, um lago de sangue, um barril de baratas e outras maravilhas. Já Argento teve menos dinheiro, tempo e infra-estrutura do que precisava para finalizar sua trilogia, mas o talento desse grande mestre superou as dificuldades e a ajuda da família e dos amigos, uma tradição forte do cinema Italiano, fez com que Mother of Tears conseguisse impactar o publico.

Mother of Tears (2007) (1)

 

Já na abertura vemos imagens clássicas da pintura medieval e renascentista com representações do inferno e do Juízo Final feitas por mestres como Giotto. Essas imagens são sublinhadas pela poderosa trilha-sonora de Claudio Simonetti, colaborador e amigo pessoal de Argento desde os tempos em que ele era o tecladista dos Goblin, lendário grupo que brindou os fãs do cinema de horror com as clássicas trilhas de Prelúdio Para Matar e Suspiria, além de Phenomena, sem contar as colaborações do Goblin em trilhas antológicas de filmes como Buio Omega e Dawn of the Dead. Uma voz sinistra sussurra no meio da música a palavra “Mother…”, em um efeito assustador.

A história começa durante escavações em Roma onde novas catacumbas são descobertas, revelando uma série de urnas de pedra. A arquitetura secular de Roma é muito bem aproveitada pela bela direção de fotografia de Frederic Fasano, outro colaborador habitual de Argento.

Mother of Tears (2007) (2)

O horror realmente começa quando somos transportados para o Museu de Arte Antiga de Roma. O cenário é de intensa atmosfera e a câmera nos guia detalhadamente pelos momentos de macabras descobertas onde Sara, interpretada por Asia Argento, e uma colega, abrem uma das urnas encontradas na escavação das catacumbas. Ao abrir a urna, a amiga de Sara se corta e uma gota de sangue cai dentro da tal urna. Argento nos remete aos clássicos filmes de vampiros onde a abertura de caixões e a queda acidental de gotas de sangue iniciam a reação em cadeia de horror. Assim como em Evil Dead, a amiga de Sara, sozinha na sala, começa a invocar acidentalmente palavras em latim que fazem reviver os demônios. A cena do assassinato brutal é antológica, com uma absurda sucessão de golpes de lâminas que culminam no sufocamento da mulher com suas próprias tripas: simplesmente inacreditável. Os demônios não aparecem claramente em cena, apenas seu “bichinho de estimação”, um macaco demoníaco que emite ruídos assustadores.

Mother of Tears (2007) (3)

Como em todos os filmes de horror, a polícia não acredita no que Sara presenciou ao ver, em meio às sombras, criaturas misteriosas saindo do local do homicídio de sua colega. Aos poucos Sara, que é uma incrédula, passa a acreditar na presença do sobrenatural e tem visões da mãe morta que teria enfrentado as poderosas bruxas dos filmes anteriores da trilogia. Várias referências as tramas de Suspiria e A Mansão do Inferno se complementam e se fecham durante todo o filme. Seria interessante rever os dois primeiros filmes para compreender melhor alguns detalhes da trama de Mother of Tears. As fortes tensões cromáticas dos dois primeiros filmes com a intensidade do vermelho, do verde e do azul, nesse filme estão menos visíveis, mais envoltas em sombras e climas que lembram telas de Goya e Bosch. Os únicos momentos onde a cor é mais intensa ocorre no covil da Mãe das Lágrimas, a Mater Lachrymarum, interpretada pela bela atriz israelense Noran Atias. Numa alusão ao inferno, as cenas do covil tem uma tonalidade laranla/avermelhada e possuem um forte e dionisíaco acento erótico e ao mesmo tempo abjeto, uma característica clássica da obra de Argento. Outra marca do diretor está na subversiva mistura de elementos de horror extremo com a singeleza dos Contos de Fadas, numa mistura que pode não agradar as novíssimas gerações, mas que funciona muito bem.

Mother of Tears (2007) (4)

O grupo de discípulos da Mãe das Lágrimas é muito interessante. Roma passa a sofrer uma série de atentados violentos, ondas de suicídio e atos insanos provocados pela presença da bruxa. Grupos de jovens bruxas andam pela cidade como roqueiras rebeldes. Uma delas persegue Sara em um trem, numa referência ao filme de Argento, Sleepless. De traços orientais a jovem bruxa é uma figura muito interessante. Um dos discípulos é um sujeito careca aterrador que proporciona ao espectador um duplo homicídio em um apartamento com direito a lâminas perfurando olhos e um brutal empalamento, sempre acompanhado do tal macaco dos infernos. Em alguns momentos, auxiliado pela trilha de tensões sacras, o filme lembra A Profecia, em sua primeira versão. O assassinato do Padre é de uma brutalidade assustadora e um dos momentos altos do filme.

Para quem achava que o filme não seria sangrento, Mother of Tears consegue ser tão ou mais violento do que Suspiria e A Mansão do Inferno. A questão do enigma a ser desvendado reaparece nesse filme também. Se em Suspiria o enigma era o da Flor Azul, e em A Mansão do Inferno era A Chave está bem debaixo de seus pés, em Mother of Tears, é: O Que se Vê não é real, e o Quê não se Vê é real. A solução desse enigma é a chave para se chegar ao covil da Mãe das Lágrimas. Ao contrário dos dois primeiros filmes da trilogia, Mother of Tears se passa em vários cenários internos e externos e não quase que totalmente dentro de uma casa.

Mother of Tears (2007) (6)

Argento pretendia fazer um épico, mas o baixo orçamento e os prazos limitados de filmagem fizeram com que ele deixasse de lado uma série de cenas, em especial um voo coletivo de bruxas sobre Roma com tintas apocalípticas. O sangue e muitos dos efeitos de maquiagem são artesanais, uma raridade nos dias de hoje. O que importa é que o filme está pronto e tem momentos realmente perturbadores. Argento continua mestre e sempre será. E tenho dito.

(Visited 1.673 times, 1 visits today)
Marcelo Carrard

Marcelo Carrard

Marcelo Carrard é Jornalista, Pesquisador e Crítico de Cinema e Editor do Blog: Nudo e Selvaggio.

5 comentários em “O Retorno da Maldição – A Mãe das Lágrimas (2007)

  • 15/10/2015 em 23:09
    Permalink

    Da trilogia só falta eu ver este, mas ainda não me animei. E Argento tem feito uns filmes ultimamente que… deixa pra lá. Mas ainda pretendo conferir este aqui.

    Resposta
  • 11/10/2015 em 22:52
    Permalink

    Muito ruim. Está aquém de “Suspiria” e “Mansão do Inferno”. Vale pela sempre deslumbrante Asia Argenti.

    Resposta
  • Pingback:Videoteca » La Terza Madre – 2007

  • 14/09/2014 em 16:32
    Permalink

    Eu respeito a opinião de cada um, mas sinceramente acho esse um dos piores filmes de Dario Argento (só não ganha de Drácula 3D).Uma história horrorosa, efeitos que parecem da Rede Record (retirando os assassinatos, isso é bem feito) e atores sofríveis de tão ruins que por um instante eu achei que o Nicolas Cage ia aparecer em cena.Para mim essa película se compara mais com a “qualidade” do Uwe Boll do que do mestre Dario Argento.Só não daria zero em respeito a ele.

    Resposta
  • 04/08/2014 em 22:17
    Permalink

    Eu realmente não consigo acreditar nessa nota dada apesar de ter falado muito bem do filme , mais tudo bem cada um com sua opinião né .
    ” Mother Of Tears ” não é só o melhor da trilogia mais sim o melhor de todos , obra – prima e nota 10 ainda é pouco para esse filme , pois aqui tem de tudo e um pouco mais que o Mestre Dario Argento nos proporciona : trilha sonora foda , a história se encaixa perfeitamente com Suspiria e Inferno , mudanças de cenários , demônios , bruxas e principalmente a sua extrema violência que supera seus filmes anteriores com suicídios , atentados violentos e atos insanos como uma mãe que mata seu próprio filho o tirando do carrinho de bebê e o jogando de cima da ponte la embaixo no rio , e é claro o gore extremo resultando em evisceração , empalamento , olhos perfurados , mutilações e muito mais .
    A trilogia foi encerrada da melhor forma possível , com chave de ouro , Dario Argento provou mais uma vez que é um Mestre e impressionou não só a mim mais todo mundo que esperava o fim da trilogia .
    ” Mother Of Tears ” não é um clássico mais ultrapassou e muito das expectativas que nós fãs de Dario Argento esperavamos depois de muito tempo com o fim da trilogia , pra mim será sempre o melhor . É obrigatório para colecionadores , fãs de Horror e fãs do Mestre Dario Argento .
    Tenho a enorme felicidade de ter e perdi as contas de quantas vezes já assisti , ” Mother Of Tears ” com muito orgulho está na minha coleção !!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien