Duna – Volume 1 (2021)

5
(4)
Duna - Volume 1
Original:2021
Ano:Dune – The Graphic Novel, Book 1•País:EUA
Páginas:176• Autor:Brian Herbert, Kevin J. Anderson•Editora: Intrínseca

Considerada a obra de ficção científica mais vendida de todos os tempos, e também uma das mais importantes, Duna inova em sua narrativa, trazendo elementos de fantasia enquanto aborda questões filosóficas, políticas, tecnológicas, religiosas e ambientais, revolucionando o mundo da ficção científica. Grandes nomes, que perduram até hoje e são muito conhecidos na cultura pop – Star Wars, Blade Runner e Alien, por exemplo -, foram inspirados pela obra de Frank Herbert, escrita em 1965 e que rendeu mais cinco livros escrito pelo mesmo e diversos outros escritos por seu filho, como uma expansão da saga original.

O sucesso foi tanto que músicas foram feitas baseadas no livro, como é o caso de To Tame a Land, da banda inglesa Iron Maiden, e Traveler in Time, da alemã Blind Guardian. Em 1984 a saga ganhou uma adaptação para o cinema e, em 2021, uma nova adaptação cinematográfica será lançada.

Além de continuar o legado do pai, Brian Herbert decide trazer essa história tão rica e complexa para o mundo dos quadrinhos, prometendo ser uma versão, dividida em três volumes, totalmente fiel aos livros.

O Duque Leto Atreides, juntamente com sua família, exército e servos preparam-se para deixar Caladan – local de água e natureza em abundância – e mudar sua residência para Arrakis, também conhecido como Duna. Arrakis é conhecido por ser um local desértico, com poucas plantas e onde água é considerada uma riqueza a ser racionada, porém, possui valiosas especiarias.

Na noite dos últimos preparativos antes da mudança o jovem Paul Atreides recebe uma incomum visita, conhecida de sua mãe. O destino do jovem filho do duque começa a ser selado.

Já em sua nova residência, a família precisa se adaptar não apenas ao ambiente seco e árido, mas também lidar com os Harkonnen, casa que governou Duna de forma impiedosa durante muito tempo, e que ainda não está pronta para deixar o poder de uma de suas cidades de bom grado.

Segredos, intrigas e traições rondam a casa Atreides, que precisará se aliar aos nativos da região e lidar com perigos visíveis, como vermes de areia, e invisíveis, como armadilhas letais.  Paul, sem conhecimento algum disso, será uma peça fundamental desse jogo.

A história do primeiro volume abrange o primeiro ato do livro, e não deixa nada a desejar. As partes longamente descritivas deram lugar a imagens muitíssimo bem feitas por Raúl Allén e Patricia Martín, fazendo valer a frase “uma imagem vale mais do que mil palavras”. Aqui, literalmente.  As cores e contrastes utilizados captam a essência de cada local e momento, criando uma atmosfera de tensão quando necessário, e também de diferença de temperaturas. Quando focados no olhar e expressões, os traços passam os sentimentos dos personagens naquele momento sem precisar de diálogos. Até mesmo a linguagem corporal é desenhada de tal modo que palavras se tornam dispensáveis em momentos de alerta.

Para os fãs da saga original, não se preocupem, pois todos os eventos estão retratados quadrinho a quadrinho, como prometido. Cada detalhe, do primeiro contato com os nativos à roupa utilizada no deserto, está lá. As conspirações, a letalidade dos vermes de areia, a tecnologia e tudo mais que faz de Duna uma narrativa única são retratadas com maestria. Nota-se todo o cuidado de Brian Herbert ao tentar fazer jus à obra e ao nome de seu pai.

Para quem não é familiarizado, a graphic novel também não decepciona. Alguns termos e nomes podem ser confusos de primeira, mas nada que não seja compreensível posteriormente e que atrapalhe a grandiosidade do enredo ou que não seja resolvido com um glossário no final da edição (quem sabe na próxima). Se este for o seu primeiro contato com o universo de Duna e é amante de ficção científica, é um prato cheio.

As intrigas e conspirações políticas não são tediosas, pelo contrário, criam complexidade e deixam a trama ainda mais envolvente. A ação presente em batalhas e ataques de vermes de areia quebram uma possível monotonia, fazendo com que a leitura seja fluida na maior parte do tempo, mantendo o leitor interessado. Algumas coisas não são explicadas ou são faladas de modo bem superficial, e provavelmente serão abordadas de modo mais completo nos volumes posteriores.

A narrativa, inovadora para a época, levanta importantes questões sobre como tratamos a Terra e nossos ecossistemas, a importância da água e até onde pode ir a tecnologia, além de outras reflexões que continuam extremamente necessárias e atuais, tudo isso misturado à fantasia e ficção.

A graphic novel acaba sendo uma excelente maneira de entrar em contato pela primeira vez com o mundo do grande clássico da ficção científica Duna, tanto para novatos quanto para quem não tem paciência de fazer a longa leitura dos livros – apesar de ser altamente recomendada caso queira se aprofundar.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 4

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Louise Minski

Um experimento de Schrödinger entediado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.