Maligno (2021)

4.1
(15)

Maligno
Original:Malignant
Ano:2021•País:EUA
Direção:James Wan
Roteiro:Akela Cooper
Produção:
Elenco:Annabelle Wallis, Maddie Hasson, George Young, Michole Briana White, Mckenna Grace, Jacqueline McKenzie, Ingrid Bisu

Foi no longínquo ano de 2004 que Jogos Mortais, filme do até então desconhecido James Wan, chegou aos cinemas e deu início a uma franquia interminável que dura até hoje. Nos anos seguintes, Wan lançaria mais filmes que virariam franquias: Sobrenatural, de 2010, e Invocação do Mal, de 2013 – esta a mais rentável do cinema de terror, ultrapassando os dois bilhões de dólares em bilheteria.

Gostando ou não do estilo de Wan, é inegável que o cara se tornou um dos grandes nomes do cinema de horror atual antes de partir para aventuras ainda maiores fora do gênero, tendo dirigido Velozes e Furiosos 7 (2015) e Aquaman (2018). Mas é no horror que Wan se sente realmente em casa e, cinco anos depois de dirigir Invocação do Mal 2, ele finalmente volta ao gênero com um filme pequeno, se comparado às suas experiências mais recentes na direção. Estamos falando de Maligno, longa que chega aos cinemas com mais de um ano de atraso por conta, claro, da pandemia de COVID-19.

A trama de Maligno foi mantida em segredo por bastante tempo, com Wan indicando apenas que sua inspiração foram os filmes giallo italianos. Em julho desse ano, finalmente, foram liberados o pôster do filme (trazendo uma Annabelle Wallis encarnando Barbara Steele em A Maldição do Demônio, de Mario Bava), um trailer que de fato traz uma figura que remete aos gialli (o assassino misterioso que usa luvas negras e um instrumento afiado) e a aguardada sinopse. Mas então, do que se trata o bendito filme?

Madison (Wallis) é a nossa protagonista, uma moça grávida que, não bastasse estar em um relacionamento abusivo com um homem alcoólatra, ainda começa a ter visões de assassinatos sangrentos cometidos por uma figura cujo rosto ela não consegue enxergar. Logo Madison descobre que tais assassinatos são reais, e parecem estar de alguma forma ligados a ela. Com a ajuda de sua irmã, Sydney (Maddie Hasson), Madison tenta descobrir o que está acontecendo, se possível sem se tornar a principal suspeita pelos crimes.

Maligno é uma história original imaginada por James Wan e Ingrid Bisu (que também tem um papel no filme), com roteiro escrito por Akela Cooper. Como Wan disse em entrevistas, não se trata de uma adaptação, sequência ou qualquer coisa do tipo. Agora, será que o resultado desse retorno ao terror mais intimista é positivo? Em partes.

Maligno é um horror cativante, que mantém a identidade de Wan, mesmo sendo diferente do que ele já fez antes. Há bem poucos jump scares, por exemplo, o que já é uma mudança bem considerável. O maior problema aqui é a previsibilidade. Com um pouco de atenção, o espectador vai sacar a explicação para os eventos que atormentam Madison já no primeiro terço da produção. E não por falta de opção! O vilão, Gabriel, pode ser uma assombração, um serial killer humano, um amigo imaginário que ganhou vida, um pedaço da imaginação de Madison e por aí vai. Sua aparência e a forma como ele se move, graças à atriz e contorcionista Marina Mazepa, também contam pontos positivos.

Mesmo assim, o caminho que o espectador deve percorrer até chegar à conclusão da história é bem construído. Maligno segue num crescendo de horror e suspense, até em dado momento virar um “que porra é essa que eu tô assistindo?” quando acontece a reviravolta já esperada. James Wan é um cara que gosta de brincar com os títulos de seus filmes, e é só então que entendemos exatamente o que significa o “maligno”.

Bava, Argento, Cronenberg são alguns dos diretores que Wan cita quando questionado sobre suas influências para gravar Maligno, mas é possível também perceber seu próprio cinema ali, transformado, mas sempre transparecendo um diretor que tem segurança no que está fazendo. Pra quem gosta do estilo do diretor, esse novo filme deverá ser uma experiência dentro das expectativas. Pra quem não gosta, será uma produção apenas mediana. A ver se Maligno também vai dar origem a uma nova franquia de horror.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.1 / 5. Número de votos: 15

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Silvana Perez

Escolheu alguns caminhos errados e acabou vindo parar na Boca do Inferno. Ainda fala de feminismos no Spill the Beans e de ciclismo no Beco da Bike.

5 thoughts on “Maligno (2021)

  • 18/09/2021 em 21:54
    Permalink

    Bah, curto muito o JW e sou eternamente grato por SAW & THE CONJURING, mas este filme é bem ruim. Não sei se foi pela expectativa de ser uma obra dele, mas não consigo ver as qualidades todas expostas nas mais diversas críticas positivas sobre o filme. Praticamente unânime. Mas não gostei. Por momentos achei constrangedor. Mas enfim, as velhas questões de gostos pessoais.

    Resposta
  • 18/09/2021 em 18:44
    Permalink

    Não gostei muito do filme, apesar de reconhecer que ele tem potencial. Acho a parte da delegacia extremamente exagerada e sem nexo, apesar de gostar do momento inspirado em Cronenberg. Gosto também de algumas tomadas meio que no estilo do cinema de terror Japonês, com os ângulos contra plongée e as silhuetas. De fato, Wan sabe dirigir, mas as atuações ruins, os efeitos especiais um pouco “exagerados” e a história meio que “clichê” não me conquistaram muito.

    Resposta
  • 13/09/2021 em 12:08
    Permalink

    Mais da metade do filme me deu muito sono, mas depois da tal revelação, veio o oposto. O final salvou o filme de Wan: d até então ruim para regular.

    Resposta
  • 13/09/2021 em 11:45
    Permalink

    Que filme sensacional! James Wan é incrível, o cara brinca com várias referências e homenagens com uma inventividade, diversão e despretensão deliciosas. O segredo é assistir sem levar a sério, sem esperar sustos, medos e a experiência final será bem divertida.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.