O Castelo dos Mortos Vivos (1964)

4.8
(4)

O Castelo dos Mortos Vivos
Original:Il castello dei morti vivi
Ano:1964•País:Itália, França
Direção:Luciano Ricci, Warren Kiefer
Roteiro:Paul Maslansky, Warren Kiefer, Fede Arnaud
Produção:Paul Maslansky
Elenco:Christopher Lee, Gaia Germani, Philippe Leroy, Mirko Valentin, Donald Sutherland, Antonio De Martino, Renato Terra, Luigi Bonos, Luciano Pigozzi

“Esta noite, nas sombras, encontrarão os assassinos. Passei por baixo das muralhas do castelo. Atrás do rosto do monstro. Para salvar os corpos e almas que deixam esse lugar maligno.” – bruxa

O lendário ator inglês Christopher Lee (1922 / 2015) ficou eternamente conhecido por seus papéis do vampiro Conde Drácula, principalmente nos filmes da cultuada produtora “Hammer”. Em sua vasta e bem sucedida carreira com quase três centenas de créditos, ele contribuiu significativamente para a história do cinema fantástico, sendo um dos grandes nomes sempre associado ao gênero.

Nos anos 60 do século passado ele participou de alguns filmes italianos de horror gótico como O Chicote e o Corpo (1963), O Túmulo do Horror (1964) e O Castelo dos Mortos Vivos (Il Castello dei Morti Vivi / The Castle of the Living Dead, 1964), uma co-produção de Itália e França com fotografia em preto e branco e direção do americano Warren Kiefer, que teve uma carreira curta.

Ambientado no início do século XIX no interior da França após o término das guerras napoleônicas, onde ainda existia muita violência nas áreas rurais, um pequeno grupo de atores circenses viaja pelos vilarejos encenando um enforcamento público, entre outras atrações, sempre bem recebido pelas pessoas. Liderada por Bruno (Jacques Stany), a trupe ainda tinha a bela Laura (Gaia Germani), o revoltado Dart (Luciano Pigozzi), o anão Nick (Antonio de Martino) e o mudo Gianni (Enni Antonelli). Após uma briga num bar, Dart é expulso da equipe e é substituído por um andarilho e ex-soldado, Eric (Philippe Leroy), que tem um interesse romântico por Laura.

Eles são convidados para fazer uma apresentação pessoal para o recluso Conde Drago (Christopher Lee) e então partem em viagem ao seu imponente castelo, onde no caminho encontram uma velha bruxa que fala em rima (Donald Sutherland), e que avisa sobre os perigos que estão por vir. Ignorando as ameaças da bruxa, eles são recepcionados no castelo pelo sinistro serviçal Sandro (Mirko Valentin), e se deparam com uma grande coleção de pássaros e animais empalhados numa imensa sala do castelo.

Sem saberem das reais intenções que se escondem por trás do aristocrático anfitrião Conde Drago, que se apresenta como um cientista que está trabalhando com um novo produto químico em experiências de embalsamamento, o grupo de atores terá que lutar por suas vidas para escaparem do “castelo dos mortos vivos”.

Para os fãs de Christopher Lee, só a sua presença já é motivo mais do que suficiente para conhecer o filme, que também é indicado para quem aprecia o cinema de horror gótico, especialmente o italiano. E apesar de alguns momentos arrastados, deverá despertar interesse aos apreciadores de filmes antigos bagaceiros, em preto e branco, com orçamentos reduzidos, castelos sombrios e roteiros com “cientistas loucos”.

Lee faz o papel de mais um vilão em sua extensa carreira, dessa vez um homem da ciência motivado em eternizar a forma física dos seres vivos, de animais a humanos, mantendo as feições preservadas para sempre através de experiências químicas em seu laboratório repleto de aparelhos bizarros.

O serviço sujo para conseguir as vítimas fica a cargo do serviçal cruel e assassino Sandro, que persegue os candidatos à animação suspensa nos arredores de um sinistro jardim com enormes esculturas góticas e construções de pedra, ou nos longos corredores escuros e tétricos do castelo, sempre com um clima perturbador de atmosfera sombria.

Curiosamente, O Castelo dos Mortos Vivos é um dos primeiros filmes da extensa carreira do veterano Donald Sutherland, fazendo aqui os papéis de uma bruxa sinistra, um soldado atrapalhado que trabalha na polícia do vilarejo e outro homem velho. Seu filho, Kiefer Sutherland, também é ator com carreira bem intensa e muitos o reconhecem pelo papel de Jack Bauer na série de TV “24 Horas”.

Foi lançado em DVD no Brasil pela “Versátil”, na coleção “Obras Primas do Terror – Gótico Italiano – Volume 02”.

“A vida eterna pode ser um sonho. Mas, a beleza eterna pode se tornar uma realidade.” – Conde Drago

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.8 / 5. Número de votos: 4

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

One thought on “O Castelo dos Mortos Vivos (1964)

  • 22/02/2022 em 08:23
    Permalink

    Se tem Gaia Germani no elenco já vale uma conferida no filme. Essa mulher é uma explosão de sensualidade.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.