Partum Artifex (2021)

5
(2)
Partum Artifex
Original:Partum Artifex
Ano:2021•País:EUA
Desenvolvedora:Joakim “Chef” Lundstrom•Distribuidora: Joakim “Chef” Lundstrom

Você estaciona o carro e se depara com uma propriedade (talvez uma casa de veraneio) no meio do nada, em uma noite de chuva provincial. Não há como entrar pela entrada principal que parece estar trancada e ninguém responde. Mas nada que um pouco mais de investigação te leve ao interior da mesma, onde um estranho anfitrião anuncia o que vai se seguir pela próxima hora e meia, talvez duas…

Esqueça a questão do clichê inicial de carro em meio à floresta e da propriedade abandonada, você queria estar ali! Aquela propriedade te atrai na mais profunda curiosidade mórbida.

Desenvolvido para ser submetido à game jam do estúdio Senscape (Serena, Asylum), especializado em jogos com focos em narrativas visuais e o uso da engine unreal, Partum Artifex foi produzido em um período entre 26 de novembro e 13 de dezembro e se saiu como vitorioso. O seu desenvolvedor, Joakim “Chef” Lundstrom, atualmente trabalha como game design lead na Greylight Entertainment (STAIRS) e fez um trabalho com um nível de polimento sensacional para tão pouco tempo.

A mecânica do jogo é basicamente semelhante aos jogos de horror em primeira pessoa que têm como foco a investigação na qual se concentram em resolver puzzles – e neste caso com um certo grau de dificuldade, mas nada excessivo: mover objetos de um lugar ao outro e, dentro desse grande “escape room” sem temporização, entender a narrativa com a voz de um assassino serial que trata de seus assassinatos como uma obra de arte.

Todo o level design do jogo foi equilibrado de uma forma que mesmo puzzles que necessitem um maior distanciamento entre os objetivos não se tornem maçantes. Há mais de uma construção além da principal (a casa): outras duas cabanas, nas quais a narrativa se estende e a experiência também. Não há necessariamente uma constante sensação de pavor impulsionado por jumpscares, mas uma contínua vontade de entender mais e mais os desígnios pelos quais psicopata te conduz sem forçar. Sua curiosidade faz o resto.

O layout marcante utiliza artes originais e fotos reais para determinados momentos. É bastante competente, não era de se esperar o extraordinário do gore aqui já que o foco não é esse, mas não deixou a desejar em nada.

A única falha – que se possa dizer – está no controle da movimentação, pois o “correr” não se diferencia tanto do mover-se normalmente, e a diferenciação entre estar de pé e agachado vai um pouco além da estrutura humana, apesar da mecânica requerer essa proximidade para ver determinados detalhes ficando estranho na estética – nada além disso.

A trilha sonora e seu uso são outros dois grandes pontos fortes do game. Os momentos do silêncio e a sensação de imersão que as trilhas trouxeram são simplesmente bem balanceados, inclusive a narração em off do psicopata que, por vezes, causa uma certa estranheza pela atuação mas nem de longe te tira a supressão de realidade. Kudos no Sound Designer, com a composição de Fredrik Häthén.

Já foi anunciado o interesse de Joakim dar continuidade no projeto e para breve, com lançamento ainda em 2022. É definitivamente um jogo para imersão e que nos faz aguardar sua versão estendida.

Link para download:

https://snougi.itch.io/partum-artifex

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Avatar photo

Ed "Toy" Facundo

Cearense nascido e criado na capital, apaixonado pela ideia de dar vidas aos seus brinquedos ou resolver intrigantes configurações do lamento - talvez esteja em um copo de cerveja - e vocalista da banda de death/thrash metal Human Heritage. Veio à Newcastle (Upon Tyne) em busca daquilo que traumatizou Constantine e sobrando tempo para exercer sua profissão de desenvolvedor de jogos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *