Monstrum #3 (2021)

5
(1)
Monstrum #03 – I Want It All
Original:
Ano:2021•País:Brasil
Páginas:28• Autor:Carlos F. Figueiras•Editora: Independente

A saga Monstrum, do autor Carlos Felipe Figueiras, chega em seu terceiro capítulo com respostas começando a surgir e personagens começando a se encontrar.

Relembrando, no capítulo 2 conhecemos Marvin Leroy, o segurança da peculiar exposição de Sophie Hoang, que inclusive fez sua primeira aparição. Marvin teve que ficar frente a frente com seu passado e enfrentar as consequências de suas decisões orgulhosas.

Dessa vez acompanhamos Bruce Nauman, um sujeito mais interessado em bens materiais do que em relações interpessoais e com um histórico passado de roubar artes famosas e caríssimas para seu então parceiro, Frank. Por um acaso, seu ex-parceiro é patrocinador justamente dessa exposição.

Bruce vai até ali para falar unicamente sobre negócios, imaginando que Frank queira reviver os tempos lucrativos e tenha algum novo trabalho para ele. De fato, a intenção de seu colega é relembrar os velhos tempos, mas não do jeito que ele imagina.

Muitas coisas interessantes acontecem neste capítulo, como por exemplo um dos motivos das pessoas agirem de forma estranha e exagerada em determinadas salas, a transformação assombrosa de um determinado personagem que não consegue o que quer, o encontro de Bruce e Leroy, que aconteceu no capítulo anterior e foi mostrado em detalhes agora e mais um pouco da loucura que foi a aparição da criatura incandescente e o pandemônio que se seguiu.

Aqui temos a presença de dois pecados ao invés de apenas um: Avareza e Luxúria. Sendo assim, já foram abordados quatro pecados capitais na série, faltando apenas Ira, Gula e Inveja, que com certeza serão abordados nos dois capítulos restantes dessa curiosa história.

Nosso protagonista da vez foi baseado, segundo o autor, em visuais andróginos dos anos 80, sem ter ninguém especial em mente como inspiração. Apesar de não ser baseado em alguém de fato, sua aparência lembra um tanto David Bowie – o penteado, a maquiagem e o estilo mais minimalista que Bowie usava no começo de 1980 estão presentes em Bruce –, mas claro que, como sempre, os personagens são uma grande mistura de referências.

A arte continua por conta de Sueli Mendes, sempre muito consistente em seus traços e muito eficaz em mostrar a expressividade dos personagens e detalhes dos locais. Já as cores do terceiro capítulo de Monstrum são obra de Brendda Maria, que utiliza principalmente cores quentes e intensas para combinar com os pecados mostrados e dar ainda mais destaque às curiosas gemas, principais atrações da exposição. Sua escolha de cores e técnica utilizada são tão eficazes que realmente parece que as gemas estão brilhando bem na nossa frente.

Finalmente alguns mistérios começam a ficar menos obscuros a ponto de ser possível elaborar algumas teorias, acontecimentos dos outros capítulos são interligados e falta pouco para descobrirmos o que é, afinal, essa bizarra e única exposição.

Faltam apenas dois capítulos para seu fim, e a Monstrum #4 já está em seus retoques finais antes de ser lançada a campanha no Catarse. Fiquem ligados que avisaremos, como sempre, quando o financiamento começar.

Os volumes anteriores de Monstrum, entre outras obras do autor, podem ser adquiridas no site.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Louise Minski

Um experimento de Schrödinger entediado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.