A Lista de Convidados (2021)

5
(4)
A Lista de Convidados
Original:The Guest List
Ano:2021•País:EUA
Autor:Lucy Foley •Editora: Intrínseca

Pessoas ricas e elegantes em uma festa ou reunião, mansões deslumbrantes e paisagens exuberantes, dramas familiares e, para coroar esse ambiente agradável, um assassinato. A rainha do crime Agatha Christie misturou todos esses elementos em uma mesma história, fazendo com que o gênero se tornasse altamente popular – e seu nome nunca seria esquecido. Seguindo essa mesma linha, Lucy Foley – autora de A Última Festa, seu livro de estreia na literatura de suspense – traz um livro cheio de referências “Agatha Christianas” com A Lista de Convidados.

A narrativa começa de um jeito um pouco diferente. Logo de cara, sabemos que algo trágico aconteceu durante um chique casamento em uma ilha irlandesa afastada.

Jules e Will, o típico casal rico, bem sucedido, famoso e perfeito, vão se casar, e resolvem fazer isso no lugar mais exclusivo e majestoso que puderam encontrar. E os amigos que se virem para chegar até ali de barco, com o mar revolto.

Após o anúncio das primeiras páginas, voltamos a momentos antes da tragédia acontecer e acompanhamos o dia do casal, os preparativos, a chegada dos convidados e seus perrengues. O tempo é extremamente importante aqui (tanto no quesito horário quanto no quesito clima). A narração é alternada entre a noiva, a irmã da noiva, a cerimonialista, a esposa do melhor amigo da noiva e o padrinho do noivo. Aos poucos, diversos segredos, frustrações, mágoas e assuntos mal resolvidos são expostos para o leitor, que fará o papel de Hercule Poirot nessa celebração cheia de ressentimentos.

Sabemos que aconteceu alguma coisa, porém, diferente de outras obras que utilizam o mesmo recurso para criar um clima de mistério a mais, não sabemos exatamente o que houve. Quem morreu? Alguém foi morto? Foi um acidente? A pessoa está viva? Quem é a pessoa? Qual o motivo? E, é claro, o mais importante: Quem é o assassino? Todos esses questionamentos vão rondar sua mente até a última linha dessa obra.

Lucy Foley cria um ambiente de tensão e mistério muito eficiente ao mesclar passado e presente, de modo que, conforme a história avança e pequenas coisas são reveladas e comentários são feitos, surgem novos suspeitos e novas vítimas. Chega um ponto que todos parecem culpados e, de fato, ninguém ali é inocente de nada, muitos tem atitudes extremamente desprezíveis e vivem apenas de aparências, sendo charmosos quando convém. Todos têm motivos tanto para matar quanto para morrer.  E justamente não saber quem é a vítima que é o grande diferencial de A Lista de Convidados. Não saber quem é o assassino é o básico de uma história de crime/suspense, começar a história pelo final também não é incomum. Entretanto, não saber nem quem é a vítima, a causa, a circunstância? A autora conseguiu inovar de leve um gênero que já foi tão explorado das mais diversas formas.

Os diferentes pontos de vista também ajudam a criar essa dúvida, levantando cada vez mais perguntas sobre a índole dos personagens e suas motivações, especialmente pela autora deixar no ar coisas importantes no final de cada capítulo, que serão revelados apenas no capítulo seguinte daquele personagem.

Vale dizer que nem todos os convidados são interessantes. Alguns são descritos de forma rasa demais e, por não terem tanto drama a acrescentar quanto outros, acabam ficando chatos e sem propósito, quebrando um pouco o dinamismo da leitura que, na maioria do tempo, é bem fluida. Contrabalanceando esse fato, outros convidados tem tanto a oferecer que ansiamos por capítulos mais longos sobre eles.

Como dito anteriormente, fãs de Agatha Christie notarão várias similaridades com as obras da autora, inclusive o plot twist da revelação final. Será necessário o uso de muita massa cinzenta para adivinhar o desfecho impressionante de A Lista de Convidados, sendo muito convincente sem ser forçado. Os detalhes estão todos ali, o desafio é ser atento o suficiente para percebê-los e solucionar esse mistério.

Lucy Foley deixa a lição: nenhum dinheiro, poder, aparência ou locais paradisíacos pode mudar o caráter de alguém. Uma hora, a verdade sempre aparece.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 4

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Louise Minski

Um experimento de Schrödinger entediado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.