Horror Queer – Parte 5: Anos 1990 – Novo Cinema Queer e Papais-Vampiro Gays

Parte 5: Anos 1990 – Novo Cinema Queer e Papais-Vampiro Gays

O cinema queer passou por uma transformação distinta na década de 1990 com a chegada do que B. Ruby Rich apelidou de “New Queer Cinema”, um movimento que centrou as experiências queer no cinema, abstendo-se de glamourizar seus protagonistas LGBTQ. “Não mais sobrecarregados pelo pano de fundo repleto de imagens positivas que procuram aprovação, ou pela relativa obscuridade da produção marginal, os filmes poderiam ser tanto radicais quanto populares, elegantes e economicamente viáveis“, escreve Michele Aron em “New Queer Cinema: A Critical Reader”. “Paris is Burning” (1990) narrou as experiências de participantes negros e hispânicos da cultura Drag em Nova York. “My Own Private Idaho” (1991) fez estrelas com prostitutas masculinas. Lésbicas letais foram transformadas em complexas heroínas em filmes como Heavenly Creatures (1994), Fun (1994) e Butterfly Kiss (1994). Como Aron coloca, “Esses filmes não se desculpam pelos defeitos de seus personagens ou, melhor, pelos seus crimes: eles evitam as imagens positivas“.

Esse desafio foi graças em grande parte ao início da crise da AIDS e do ativismo queer em face da administração Reagan, que permaneceu em silêncio enquanto a doença se limitava a ser conhecida apenas como uma “peste gay”. No contexto do horror, Nightbreed (1990) fez um heroico ativista com seu protagonista Aaron Boone, mas somente depois que ele assumiu sua forma de monstro. “Interview With the Vampire” (1994) apresentou a escuridão e a luz da experiência do monstro queer colocando o depressivo Louis em conflitos morais e empáticos ao lado do sensual e carismático Lestat.

Nightbreed (1990) – A história de Aaron Boone (Craig Sheffer), um homem assombrado por sonhos sobre uma cidade de monstros, é essencialmente uma história sobre um cara que está percebendo sua verdadeira natureza: a de um “monstro” que está fadado a se juntar a “seus irmãos” para derrotar um assassino que se esconde na normalidade social. Neste trabalho palpavelmente queer de Clive Barker, Boone até mesmo reúne a comunidade de monstros de Midian na batalha contra seus opressores gritando: “Se quisermos sobreviver, não podemos nos esconder! Irmãos e irmãs…está na hora de lutar!

Silence of the Lambs (1991) – O grupo ativista Queer Nation protestou contra o Oscar de 1992, em parte por causa das indicações para O Silêncio dos Inocentes. O filme ganhou todos os cinco importantes prêmios da academia naquele ano e é aclamado como um dos grandes filmes de todos os tempos, mas também ficou à mercê da terrível transmisoginia e transfobia inerente ao principal antagonista do filme, Buffalo Bill (Ted Levine) que, de certa forma acabou se tornando um dos monstros queer mais assustadores da história do cinema.

Interview With the Vampire (1994) – Como sabemos, os filmes de vampiros são muito estranhos no início. Mas aqui, você tem toda a performance de Tom Cruise como Lestat – e o fato de que ele e o Louis de Brad Pitt estão presos em um emaranhado de amor, ódio e obsessão, como companheiros de alma mortos-vivos. Eles também começam a co-parentear uma menininha abandonada nos guetos invadidos pela peste para se tornar uma eterna princesa. Que família moderna!

Nadja (1994) – O conde Voivoide Arminius Chousescu Dracula morre com uma estaca no coração, e sua filha Nadja (Elina Löwensohn) aparece para reivindicar o corpo, esperando que sua morte a liberte da vida (heteronormativa) que seu pai lhe impôs. Nadja se prepara para levar as cinzas para o Brooklyn e visitar seu irmão gêmeo Edgar (Jared Harris), que ela não via há muito tempo. Antes de partir, no entanto, ela para em um bar e conhece Lucy (Galaxy Craze). Lucy também está sentindo uma sensação de vazio, então leva Nadja para casa onde acabam fazendo sexo. Um verdadeiro conto lésbico contemporâneo de vampiros com direção executiva de David Lynch e direção de Michael Almereyda.

Heavenly Creatures (1994) – Esta entrada inicial de carreira de Peter Jackson apresenta tanto uma história sobre maioridade quanto um casal de lésbicas letais. Baseado em uma verdadeira história de crime da Nova Zelândia, o filme é estrelado por Melanie Lynskey como Pauline e Kate Winslet como Juliet, garotas adolescentes que desenvolvem uma obsessão uma pela outra que se torna um relacionamento sexual e as leva a matar a mãe de Pauline quando ela se atreve a separá-las. Este modelo de assassino LGBTQ furioso é controverso na medida em que atua no estereótipo do criminoso queer, mas também explora uma raiva que pode ser vista como manifestada justamente em face da opressão.

Killer Condom (1996) – Esta comédia de terror alemã regida por Martin Walz diz respeito a um detetive gay chamado Luigi Mackeroni, que está determinado a resolver o caso de um preservativo assassino que está castrando os homens. Enquanto o filme recebeu uma crítica mista do New York Times, The Killer Condom também recebeu elogios leves. “Que este filme de língua alemã com legendas em inglês também lida com deslocamento, anomia urbana, amor e tolerância está entre seus ativos, assim como diversão com filmes como Psicose e sua zombaria contra políticos americanos que pregam valores morais enquanto praticam vícios familiares.” O filme também recebeu apoio do livro “Culture and the Condom“, de Thuy DaoJensen, que observa a sua existência dentro do contexto de uma era “pós-sexo seguro” (leia-se: na sequência da AIDS), e deu-lhe crédito por significar “os muitos discursos conflitantes sobre a atividade sexual em nossa cultura”, e “imbui alívio cômico ao refletir tensão e ansiedade sobre a atividade sexual para procriação versus prazer ”.

FONTES:

Wikipedia – Queer Horror
Vulture – 50 Essential Queer Horror Films
Wussymag – Haunted: The intersections of queer culture and horror movies
Dazed – Queer horror: a Primer
Monsters in the Closet: Homosexuality in the Horror Film (Harry M. Benshoff – 1997)
New Queer Cinema: The Director’s Cut (Ruby Rich – 2013)
Uninvited: Classical Hollywood Cinema and Lesbian Representability” (Patricia White – 1999)

A SEGUIR…

Década de 2000 – De fora, porém orgulhoso

Leia também:

Parte IV: Anos 80 – Conservadorismo, AIDS e a incorporação Queer

Parte III: Anos 70 – Vampiras lésbicas e criaturas bissexuais

Parte II: Os Anos 50 – Monstros cafonas e mais subtextos queer

Parte I: Horror Queer – Quando o medo é a baixa representatividade

(Visited 599 times, 1 visits today)
Iam Godoy

Iam Godoy

Escritor, colunista, fotógrafo, libertino, subversivo e um porra-louca sem noção do perigo. Comanda desde 2013 o site Gore Boulevard, antro de clássicos e bagaceiras sangrentas.

2 comentários em “Horror Queer – Parte 5: Anos 1990 – Novo Cinema Queer e Papais-Vampiro Gays

  • 18/04/2020 em 16:57
    Permalink

    adooroo terror, tanto que faço um efeitos especiais e criei um vampiro que conta historia que a galera me manda, se quiserem, deem uma olha la, canal will aleksander… e se inscrevam p receberem novo videos de terror rsr

    https://www.youtube.com/watch?v=HKnEoSOOn2A

    Resposta
  • 03/04/2020 em 00:53
    Permalink

    o livro O Silêncio dos Inocentes é muito bom e vale a pena ler

    O filme é adaptação dele

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *