Não me Esqueça (2009)

0
(0)

Não me Esqueça (2009)

Não me Esqueça
Original:Forget Me Not
Ano:2009•País:EUA
Direção:Tyler Oliver
Roteiro:Jamieson Stern, Tyler Oliver
Produção:Tyler Oliver, Jamieson Stern
Elenco:Carly Schroeder, Cody Linley, Brie Gabrielle, Micah Alberti, Jillian Murray, Zachary Abel, Sean Wing, Chloe Bridges, Brittany Renee Finamore, Bella Thorne, Barbara BainDan Gauthier, Christopher Atkins, Julie Janney

Filmes como as franquias Acampamento Sinistro e A Noite dos Demônios, além deste Não me Esqueça, ensinam que você deve tratar bem qualquer garota que se chame Angela. Elas podem ser sedutoras, cruéis e vingativas, podendo voltar como uma entidade maléfica e até mesmo como um transexual assassino, tornando-se um risco qualquer tentativa de amizade. No caso desta produção de 2009, uma brincadeira mal realizada traz de volta o espírito vingativo de uma garota esquecida, culminando em assassinatos e aparições fantasmagóricas.

Sandy Channing (Carly Schroeder, de O Ritual) tem uma vida perfeita. Bonita, recém-aceita para estudar em Stanford, ela tem amigos festeiros, um namorado fiel, uma ótimo família e foi eleita a presidente da escola. Toda essa vida de sonho se encerra depois que a garota decide reviver com o grupo uma brincadeira do passado chamada O Jogo. Trata-se de uma espécie de Pega-Pega, em que, após a cantoria de alguns versos, um é eleito “Fantasma” e deve perseguir os demais no cemitério da região. Cada um que é pego se transforma em fantasma e também ajuda a correr atrás dos demais. Na época da escola eu costumava brincar de “Corrente“. A regra é a mesma; a diferença é que ela acontecia numa quadra e cada um que é pego acaba “se acorrentando” ao perseguidor, andando de mãos dadas até o fim da partida.

Não me Esqueça (2009) (2)

Quando estão prestes a iniciar a partida, entra em cena a “desconhecidaAngela (Brittany Renee Finamore, de Pulse 3) e pede para participar. Ela acaba vencendo o jogo, mas antes que seja determinada vencedora acaba se atirando de um bosque, sem deixar de mencionar o fato dela não ter sido lembrada por Sandy. Seu corpo não é encontrado. E, de acordo com o grau de importância, os amigos acabam encontrando a morte com o fantasma de Angela, seja afogado, triturado por uma máquina ou num acidente de carro, obrigando Sandy a confrontar seus erros do passado para tentar sobreviver.

Não Me Esqueça é o típico slasher adolescente sobrenatural. Envolto em clichês, com efeitos especiais que lembram aqueles programas de computador com alteração facial – embora eu tenha gostado da caracterização da garota morta -, o filme se torna diferente por um detalhe curioso: cada vítima de Angela passa a ser esquecido por todos, menos Sandy. E não é um esquecimento apenas do grupo; a vítima simplesmente deixa de existir até mesmo para os parentes, tornando-se ainda mais eficiente quando cada uma das vítimas começa a surgir como uma assombração na busca pela seguinte.

Deixando de lado essa pequena inovação, o que sobra é um mistério sem graça e uma vontade absurda de ver a morte rápida e dolorosa de todos os jovens acéfalos da produção, incluindo a protagonista. Não me Esqueça não irá te assombrar durante a noite, muitos menos conseguirá acatar o título imperativo!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

(Visited 644 times, 1 visits today)

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

2 thoughts on “Não me Esqueça (2009)

  • 16/01/2014 em 22:43
    Permalink

    nunca assisti,mas agora desanimei mais ainda.

    Resposta
  • 15/01/2014 em 13:57
    Permalink

    Descartável! Pena, se divessem trabalhado melhor o filme, ele poderia ficar na lembrança de alguém e ser reasistido. A maldição do esquecimento! rs
    Existe Pulse 3??? Só o primeiro presta!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.