O Robô Alienígena (1953)

O Robô Alienígena
Original:Robot Monster
Ano:1953•País:EUA
Direção:Phil Tucker
Roteiro:Wyott Ordung
Produção:Phil Tucker
Elenco:George Nader, Gregory Moffett, Claudia Barrett, Selena Royle, John Mylong, Pamela Paulson, George Barrows, John Brown

Para quem aprecia o cinema fantástico bagaceiro, especialmente aquelas tranqueiras de orçamentos minúsculos e fotografia em preto e branco da década de 1950, com roteiros absurdos explorando o tema de invasão alienígena e monstros toscos, é obrigatório conhecer O Robô Alienígena (Robot Monster), produção americana de 1953 dirigida por Phil Tucker, sendo um dos filmes mais ruins que se possa imaginar dentro desse gênero que tanto fascina justamente pela precariedade geral.

O roteiro do chinês Wyott Ordung é extremamente simplório, cheio de clichês e furos. O alienígena Ro-Man (interpretado por George Barrows e com voz de John Brown) chega ao planeta Terra e causa uma destruição geral através de raios cósmicos calcinadores. Porém, apenas uma única família sobrevive ao caos, para a surpresa do monstro invasor do espaço, que precisa reportar suas ações constantemente para seu líder, o Grande Guia (também interpretado pela mesma dupla).

A família fica isolada numa casa de uma região rochosa e vegetação rasteira e é formada pelo pai, o cientista George (John Mylong), a mãe Martha (Selena Royale), o filho pequeno Johnny (Gregory Moffett), sua irmã pequena Carla (Pamela Paulson) e sua irmã adolescente Alice (Claudia Barrett), além do namorado dela, Roy (George Nader), que é assistente do cientista. Eles não morreram no ataque porque são imunes, graças ao soro antibiótico desenvolvido por Roy, e também não são localizados por Ro-Man na casa onde estão refugiados, devido a uma cerca elétrica. Porém, o alienígena recebe uma intimação de seu líder para concluir o plano de invasão e matar os últimos humanos sobreviventes, e não contava com o fato de se afeiçoar pela jovem e bela Alice.

Robot Monster foi lançado originalmente em 3D e é bem curto, com pouco mais de uma hora de duração. É o típico exemplo em que o cartaz promocional é muito mais interessante e chamativo que o próprio filme. O elenco é amador ao extremo, com péssimas atuações de todos, apesar que é difícil exigir algo dos atores numa história tão patética, que até tem espaço no meio do suposto caos para um casamento hilário entre Roy e Alice. O alienígena Ro-Man certamente é um dos mais ridículos e bizarros monstros do cinema bagaceiro em todos os tempos, com um ator vestindo uma fantasia fuleira de gorila com uma espécie de capacete de mergulho com antenas. Ele utiliza equipamentos “tecnológicos” toscos ao extremo, localizados numa caverna, para a comunicação com o Grande Guia e controle do armamento de destruição.

Curiosamente, existem dois outros títulos originais alternativos, “Monsters From the Moon” e “Monster From Mars”, e então podemos definir a origem do alienígena Ro-Man sendo da Lua ou de Marte, dependendo do título escolhido, fato que não significa grande coisa para uma história carregada de confusão e incoerências.

O filme também tem várias cenas aleatórias retiradas de outros filmes como O Despertar do Mundo (1940) e Continente Perdido (1951). São lutas mortais entre animais pré-históricos, como lagartos reais filmados numa perspectiva que os transforma em gigantes, além de dinossauros em efeitos paupérrimos de “stop motion”, tudo em meio a terremotos e desastres geológicos causados pela aniquilação dos raios destruidores dos invasores espaciais. Sem contar que ainda tem uma reviravolta na trama no desfecho, envolvendo o garoto Johnny, e lembrando ideia similar de Invasores de Marte (também de 1953). A coleção de bobagens e cenas absurdas não tem fim. Mesmo o filme sendo curto, os realizadores ainda gastaram um tempo excessivo com o alienígena caminhando no meio do nada, para conseguir atingir a metragem mínima.

Justamente pelo conjunto dessas bizarrices todas é que o filme tornou-se objeto de culto e entretenimento entre os apreciadores do cinema fantástico bagaceiro, além de referência obrigatória quando o assunto for filmes ruins.

(Visited 236 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Um comentário em “O Robô Alienígena (1953)

  • 16/06/2020 em 16:36
    Permalink

    Deviam ter lançado aqui naquela mini coleção sessão da meia noite kkkk, só filme desse nível mto trash de bom, para pelo menos ter no mínimo de 14 a 15 dvds cada com dois filmes dessa época que nem imaginamos que podiam existir 🙂

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien