Benny Loves You (2019)

4.3
(7)

Benny Loves You
Original:Benny Loves You
Ano:2019•País:UK
Direção: Karl Holt
Roteiro: Karl Holt
Produção: Karl Holt
Elenco: Karl Holt, Claire Cartwright, George Collie, James Parsons, Anthony Styles, Darren Benedict, Lydia Hourihan, David Wayman, Jennifer Healy, Bella Munday

Desde que Chucky ganhou vida ao ser possuído pelo assassino Charles Lee Ray, em 1988, os brinquedos passaram a ser vistos de outro modo. Na verdade, não foi o pontapé desse subgênero, até porque pode-se lembrar do boneco de ventríloquo do filme Na Solidão da Noite (1945) e até outros brinquedos ocasionais como o boneco de palhaço de Poltergeist – O Fenômeno (1982). Contudo, foi o “good guy” de Don Mancini e os bonecos da franquia Puppet Master – e até o boneco do Fofão para os brasileiros – os grandes responsáveis pelos arrepios dos pequenos e provável afastamento na hora do sono. E há Benny. E ele ama você. E isso pode ser um problema para todas as outras pessoas.

Lançado em 2019, sob o comando satírico de Karl Holt, responsável também pelo roteiro, Benny Loves You tem consciência de sua natureza trash-cômica e não se esconde disso. Se tentasse se camuflar de produção séria como Brinquedo Assassino (a trilogia e os últimos dois filmes com o vilão Chucky), Robert the Doll e até Annabelle, seria um fiasco de proporções imensas. Mas, trata-se de uma comédia pastelão, que relembra produções sangrentas como Fome Animal, e faz uso dos exageros para divertir. Sabendo o que irá ver em cena – não espere absolutamente nada mais que isso – e se acostumando com o ritmo frenético da edição e dos acontecimentos, o longa tem grandes chances de funcionar para você.

Depois de uma sequência inicial hilária, com uma mãe tendo que aturar uma filha chata, enjoada e reclamona – e que chega a pesquisar na internet se é certo bater na filha – até esta ter o destino selado por seu brinquedo, o filme apresenta o designer de uma manufatura de brinquedos Jack (o próprio diretor Karl Holt), que acaba de completar 35 anos, mas que guarda na memória recente a morte acidental de seus pais, o que o fez morar sozinho. Por ser tratado como criança desde sempre, incluindo as comemorações de aniversário, ele se mantém como uma, virgem, sempre de pijama, com pôsteres em seu quarto eternamente adolescente. Sentindo-se ameaçado no emprego – sem chance de promoção – pelo colega Richard (George Collie), que produziu um robô muito mais eficiente em sua funcionalidade do que o dele, o tal A.I.D.S, ele decide adotar uma nova vida, abandonando esse seu lado para adquirir mais prestígio. Mas, não imaginava que seu boneco de estimação fosse ganhar vida.

Com apenas quatro falas (“Benny Loves You“, “weeee” e “Okey dokey” e “ta dám“), mas sempre armado com uma faca ou o que servir de ameaça, o brinquedo passa a fazer muitas vítimas. Sempre com a mesma expressão facial de um boneco dos Muppets (em efeitos de CGI muito bem realizados), vestindo um colete e um andar saltitante, o ciumento Benny mata qualquer pessoa que se torne uma ameaça ao amor que sente por Jack, e isso inclui Dawn (Claire Cartwright), uma mulher que trabalha com ele e se sente afeiçoada pelo atrapalhado rapaz, e sua ex-namorada Tara (Lydia Hourihan). Como acontece em Fome Animal, mesmo com esse boneco causando o horror em sua morada, ele tenta manter sua vida normal, limpando os rastros de sangue e escondendo uma cabeça da dupla bocó de policiais que insiste em incomodá-lo.

 

No entanto, por trás do banho de sangue e ações violentas de um brinquedo insano ao estilo Bad Milo, existe uma mensagem mágica que envolve as coisas que deixamos para trás no amadurecimento, como fizera a franquia Toy Story e que levou o público às lágrimas. Benny tem uma natureza violenta, é um monstrinho psicopata, mas é o que mais se aproxima de Jack como amigo, sem outras intenções. Ele quer aquele Jack de volta, que lhe dê atenção e o mantenha como único amigo, e para isso pretende eliminar qualquer coisa que coloque essa amizade em risco. Com o estilo inglês de humor, com exageros e sequências insanas de brigas entre brinquedos e o próprio modo como tudo se conclui, Benny Loves You é um belo achado para quem é fã de terror e humor e guarda com carinho as lembranças da infância.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.3 / 5. Número de votos: 7

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

One thought on “Benny Loves You (2019)

  • 01/08/2021 em 13:13
    Permalink

    É um filme cheio de exageros e, por isso mesmo, muito divertido!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.