Octaman (1971)

4.5
(4)

Octaman
Original:Octaman
Ano:1971•País:México, EUA
Direção:Harry Essex
Roteiro:Harry Essex
Produção:Michael Kraike
Elenco:Pier Angeli, Kerwin Mathews, Jeff Morrow, David Essex, Jerome Guardino, Robert Warner, Buck Kartalian

“Desde o começo dos tempos o Homem tem explorado a Terra, desafiando os elementos em busca de aventura. Hoje temos uma nova espécie de aventureiros, os cientistas. Estes exploram as regiões desconhecidas, não em busca de riquezas ou aventura. Buscam respostas para problemas humanos como a contaminação e as enfermidades. Uma destas pessoas, numa destas investigações, está no comando de uma expedição ecológica numa primitiva comunidade pesqueira latino-americana. Onde descobriram o horrível efeito da radioatividade, na forma de uma velha lenda, incrivelmente aterrorizante, cuja trajetória foi escrita com sangue.”

Nada é mais divertido do que um filme bagaceiro de horror e ficção científica antigo, com efeitos práticos e monstros de borracha. Octaman (1971), dirigido e escrito por Harry Essex, é outra pérola do cinema de gênero de produção paupérrima e entretenimento garantido para os apreciadores de tranqueiras, com história bizarra de revolta da natureza através da vingança de uma criatura mutante gerada por poluição radioativa.

A história é tão simples que pode ser resumida em poucas linhas. Uma expedição científica está no México, liderada pelo Dr. Rick Torres (Kerwin Mathews) e sua namorada Susan Lowry (Pier Angeli). Eles analisam os lagos da região e a relação com os efeitos da radioatividade de testes atômicos, e depois de capturarem pequenos polvos de aparência estranha, são atacados brutalmente e perseguidos por uma criatura mutante mista de homem e polvo, que espalha o horror e deixa um rastro de sangue de suas vítimas.

Octaman é a típica combinação de bizarrice de uma história clichê exagerada no escapismo com um monstro gerado por deformação da natureza com poluição radioativa em efeitos toscos com um ator (Read Morgan) vestindo uma roupa verde de borracha e cheia de tentáculos falsos perseguindo os invasores de seu território. Aqui não temos nada de artificialidade de computação gráfica dos filmes mais modernos, com monstros gerados em CGI. Nada supera um monstro bagaceiro com efeitos práticos, sendo aqui o primeiro trabalho de Rick Baker, que fez parte da equipe de técnicos que criaram a concepção da fera mutante. Ele que seria mais tarde reconhecido como um dos grandes nomes dos efeitos especiais, responsável entre outros, pelo literalmente Incrível Homem Que Derreteu (1977) e pela transformação do lobisomem no clássico oitentista Um Lobisomem Americano em Londres (1981), além dos símios em Planeta dos Macacos (2001), de Tim Burton.

O monstro de Octaman, misto de homem e polvo, tem semelhanças com o réptil humanoide de O Monstro da Lagoa Negra (1954), clássico do cinema de gênero que também teve o roteiro assinado por Harry Essex, além de várias outras similaridades entre ambos os filmes.

Mesmo sendo uma produção de baixo orçamento, Octaman é basicamente todo centrado na figura da criatura mutante, que aparece bastante em cena desde o início, tanto em momentos de ataques de dia quanto de noite (e às vezes em ambos na mesma sequência de cenas, em erros de gravação comuns nesses filmes tranqueiras).

Por ser um filme de monstro, ele rouba todas as cenas e é mostrado claramente o máximo possível, ao contrário da maioria das outras produções de monstros toscos, que por dificuldades de seus orçamentos reduzidos e falta de investimentos nos efeitos especiais, são pouco mostrados e geralmente apenas no ato final, com muita enrolação na história para cumprir a metragem mínima necessária.

Em Octaman, a criatura deformada pelo lixo nuclear, que tem sempre a boca aberta estática e só os olhos se movem discretamente, ataca suas vítimas tanto em terra quanto na água, e o ator dentro da roupa de borracha tem seu trabalho bastante dificultado pela redução de visão através do traje e falta de flexibilidade de movimentos.

O filme tem um roteiro simples com cientistas estudando a poluição com radiação na natureza, enfrentando a ira de um polvo mutante assassino. Divertido para os apreciadores de tranqueiras com monstros e história bizarra, com o espectador desligando o cérebro para escapar da realidade.

Vale registrar alguns momentos risíveis com os efeitos toscos, como o filhote de polvo andando na terra, sendo um bicho de borracha estático puxado por fios “invisíveis”, e também o polvo mutante arremessando o corpo de uma vítima do alto de uma colina, sendo um boneco patético rolando morro abaixo. Tem também a cena clássica do monstro aquático carregando a mocinha em seus braços, um clichê quase que obrigatório nesses filmes bagaceiros.

Curiosamente, a atriz italiana Pier Angeli morreu prematuramente, apenas com 39 anos, logo após as filmagens de Octaman, vítima de uma overdose de barbitúricos. O ator David Essex, com apenas dois filmes na curta carreira, é filho do diretor e roteirista Harry Essex, fazendo aqui o papel do índio mexicano Davido, integrante da expedição científica. E cenas de Octaman aparecem num programa de TV em A Hora do Espanto (Fright Night, 1985), como se fosse um filme de alienígenas.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.5 / 5. Número de votos: 4

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.