Feliz Natal (2022)

3.4
(10)

Feliz Natal
Original:Christmas Bloody Christmas
Ano:2022•País:EUA
Direção:Joe Begos
Roteiro:Joe Begos
Produção:Joe Begos, Josh Ethier
Elenco:Riley Dandy, Sam Delich, Jonah Ray, Dora Madison, Jeff Daniel Phillips, Abraham Benrubi, Jeremy Gardner, Graham Skipper, Kansas Bowling, Joe Begos, Josh Ethier, Elliott Gilbert, Adam Dietrich, Matt Mercer, Aerial Washington

Uma das tradições dos fãs de horror em época natalina é conferir produções temáticas. Incomodado com as uvas passas no arroz e com a piada do pavê, em ver o Bruce Willis enfrentando terroristas em um prédio ou aeroporto ou até as aventuras claustrofóbicas de um menino esquecido em casa, há a incansável busca por obras que envolvam Papais Noeis assassinos, brinquedos enlouquecidos, duendes insanos ou simplesmente tenha a neve como pano de fundo, mesmo residente em um país tropical. Rever filmes clássicos como Noite do Terror ou qualquer uma das continuações bizarras de Natal Sangrento – isso sem falar nos Gremlins, que sempre estão em exibição em algum canal – pode ser interessante, mas e os novos? Com cheirinho de peru feito na própria véspera? Será que nada mais é feito na Sétima Arte do Medo, com iluminações coloridas, árvore e algum louco carregando um machado? Christmas Bloody Christmas veio para suprir essa necessidade.

O curioso título pode não animar, assim como o trailer ou cartaz contendo um Papai Noel com olhos brilhantes. Mas, o filme de Joe Begos (de Bliss, 2019) cumpre seu papel como diversão descompromissada, com bom grafismo nas mortes e um vilão fugido de Exterminador do Futuro. Fazem parte do pacote natalino os bons efeitos especiais, as boas atuações e personagens que realmente despertam a empatia do espectador, pelo menos até o segundo ato. Antes que um robô assassino com vestimentas natalinas, produzido a partir de inteligência militar (!!!), comece a trilhar sangue, o público poderá se identificar com Tori (Riley Dandy), dona de uma loja de discos e que tem em Robbie (Sam Delich) seu principal conselheiro e funcionário para debates acalorados sobre encontros ocasionais por aplicativos de paquera, capas de disco e cortes de cabelo de roqueiros e filmes de terror, com menção aos “filmes ruins da Blumhouse” (piadinha externa do Shudder), continuações como Cemitério Maldito 2, de Mary Lambert.

Iniciado com um bom plano-sequência com a chegada da garota até o encontro com o amigo, ele tenta a todo custo convencê-la de não ir ao encontro com um “desconhecido conhecido” para beber, fumar maconha e curtir a noite de véspera de Natal. Depois de uma passagem pela loja dos amigos Lahna (Dora Madison) e Jay (Jonah Ray) em um bar, onde encontram por acaso o xerife Monroe (o grandalhão Jeff Daniel Phillips), eles partem para a casa de Tori para mais músicas e drogas, até serem incomodados pelo Papai Noel de Westworld. Comerciais na cena inicial já brincam com o absurdo com sugestão de bebidas para crianças e uso da maconha para produção de biscoitos, mas servem para mostrar que a narrativa não precisa exatamente de lógica para funcionar.

Assim, sem curto circuito ou influência de vodu, um Papai Noel robô, que era comercializado para serviços de proteção entre outras funções até ser considerado impróprio, de repente ganha vida. A transa de Lahna e Jay é interrompida pela força de seu machado, que o corta ao meio, obrigando a mulher a fugir pela loja. Depois ele partirá para um vizinho de Tori, com o diretor intercalando cenas de tensão e violência com o momento íntimo entre Tori e Robbie. Nessa perseguição, haverá o envolvimento de Liddy (Kansas Bowling), irmã da protagonista, e seu namorado Benny (Joe Begos), além de vários policiais. Cabeças pisadas e esmagadas, olhos furados, pescoço retorcido, machadada nas costas… tudo com grafismo em lentes coloridas que dão um tom Suspiria à produção. Pela condição robótica do vilão, ele terá a resistência de um T-100, em sua obsessão pela survivor girl.

Talvez incomode – não, na verdade, incomoda mesmo – a idiotice de praticamente todo o elenco, fazendo jus aos filmes de terror mencionados. Tal personagem é retirado pelo vidro dianteiro de um veículo pelo Papai Noel, que se afasta para buscar seu machado, o que daria tempo para a outra pessoa sair e ajudar a que está prestes a ser morta. O que a que ficou no carro faz? Fica buzinando, como se isso fosse impedir o ato. Outras ações estúpidas envolvem personagens abandonados, a gritaria que não resolve nada e até os policiais que, ao verem alguém pedindo ajuda desarmada, sem oferecer nenhum perigo, resolvem algemá-la e levá-la à delegacia para averiguar.

O Papai Noel cibernético não tem nada com isso. Parte para cima como todo bom vilão de horror dando preferência ao seu machado, não poupando nem sequer uma criancinha que lamenta ter ganhado roupas em vez de brinquedos. Pode ser que Christmas Bloody Christmas nunca adquira o status de clássico do horror, capaz de figurar entre outras produções mais reconhecidas no Natal. Mas é uma produção bem divertida, rápida, com boas referências e bastante violenta, melhor que muitos filmes feitos com mais recursos. Se houver uma oportunidade de conhecer esse terror natalino, não deixe de lado como as frutinhas de um panetone. Vai valer a pena como um passatempo dos mais sangrentos!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3.4 / 5. Número de votos: 10

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Avatar photo

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

3 thoughts on “Feliz Natal (2022)

  • 26/12/2023 em 00:47
    Permalink

    “Fazem parte do pacote natalino os bons efeitos especiais, as boas atuações e personagens que realmente despertam a empatia do espectador”
    Tá brincando sobre isso dos personagens né? A não ser que você esteja excluindo a protagonista que dai dá pra entender mais. Eu achei a protagonista desse filme INSUPORTÁVEL, nunca desejei tanto que o vilão matasse a “heroina” quanto nesse filme. Era um filme com grande potencial, com boas mortes violentas e uma direção decente porém o filme foi praticamente todo comprometido para mim por causa da porre da protagonista que eu não via a hora de morrer, fazia muito tempo que um personagem principal não me incomodava tanto quanto nesse filme.

    Resposta
  • 23/01/2023 em 17:44
    Permalink

    Ótimo divertimento e entretenimento. Como um bom filme (mais ou menos) de terrir deve ser. Esquecível, mas bom filme. Bem sangrento, serve para uma sexta ou sábado à noite fácil, fácil. O fato de não ter muita explicação é o que dá a diversão do filme. Simplesmente ritmo e matança desenfreada, sem ter muito o que falar ou explicar. Não é um clássico, como dito no texto e nem pretende ser.

    Resposta
  • 31/12/2022 em 14:35
    Permalink

    Perda de tempo. Baixa qualidade. Tudo inexplicável.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *