Claustrofobia e armadilhas no thriller MEANDER

4.3
(3)

Produções ambientadas em espaços reduzidos acabam tendo um bom relacionamento com os fãs de horror. Parece que a claustrofobia e o desconforto são as bases de argumentos criativos e que promovem situações tensas e curiosas. Sem ir muito a fundo, o infernauta deve-se lembrar de franquias como Jogos Mortais, Cubo e até filmes bem conceituados como Enterrado Vivo e CircleMEANDER vem dessa safra.

Dirigido e roteirizado por Mathieu Turi, de Depois do Apocalipse (Hostile, 2018), traz uma mulher (Gaia Weiss, da série “Vikings”) que acorda em um estranho tubo cheio de armadilhas mortais. Sua única opção é seguir em frente. Mas não está claro até onde ela pode chegar.

A princípio, a referência maior deveria ser o fraco Crawl or Die (2014), mas, ao observar o trailer, percebe-se que os desafios que ela encontrará pelo caminho são ainda mais intensos e perigosos. Confira a prévia, além de algumas imagens:

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.3 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.