Farsa Trágica (1964)

Farsa Trágica (1964)
Clássico do humor negro com Price, Karloff, Lorre e Rathbone

Farsa Trágica
Original:The Comedy of Terrors
Ano:1964•País:EUA
Direção:Jacques Tourneur
Roteiro:Richard Matheson
Produção:Samuel Z. Arkoff, James H. Nicholson
Elenco:Vincent Price, Peter Lorre, Boris Karloff, Joyce Jameson, Joe E. Brown, Beverly Powers, Basil Rathbone, Alan DeWitt, Buddy Mason, Douglas Williams, Linda Rogers, Luree Holmes

Como dizemos aos clientes, quando um ente querido dorme o sono eterno, deixe a Funerária Hinchley & Trumbull cuidar do empacotamento.

Um interessante filme de baixo orçamento produzido pela dupla de especialistas Samuel Z. Arkoff e James H. Nicholson (responsáveis por uma infinidade de pérolas do cinema fantástico) é Farsa Trágica (The Comedy of Terrors, 1964), também conhecido como The Graveside History, lançado no Brasil nos tempos do vídeo VHS pela Globo.

Considerado um clássico absoluto do humor negro, sem a exposição de violência e apenas utilizando discretas sugestões, Farsa Trágica reuniu quatro dos maiores atores do cinema de horror de todos os tempos, Vincent Price (1911-1993), Boris Karloff (1887-1969), Peter Lorre (1904-1964) e Basil Rathbone (1892-1967). E foi dirigido por outro grande nome do gênero fantástico, o francês Jacques Tourneur (1904-1977), responsável também por preciosidades como Cat People (1942), produzido pelo lendário Val Lewton, Night of the Demon (1957) e War Gods of the Deep (1965).

Filmado em apenas vinte dias, com turno de trabalho de doze horas diárias, o filme utilizou os mesmos cenários do macabro cemitério que faziam parte do set de filmagens de The Premature Burial (1962), dirigido por Roger Corman e baseado em obra de Edgar Allan Poe. O roteiro de Farsa Trágica é também de outro especialista no gênero, o consagrado Richard Matheson, um dos principais escritores, junto com Ray Bradbury, dos episódios da série original da televisão Além da Imaginação (1959/64), além também de escrever os argumentos de clássicos como O Incrível Homem Que Encolheu (1957) e A Casa da Noite Eterna (1973).

Farsa Trágica (1964) (1)

Trazendo alguns dos momentos de humor negro mais inesquecíveis e antológicos da história, com cenas super engraçadas e muito bem protagonizadas pelo fantástico quarteto de atores principais, que parecem se divertir mais do que o próprio público com suas performances refinadas, o filme é uma aula de cinema no gênero Comédia dos Terrores.

Por volta de 1890, uma agência funerária de New England passa por graves dificuldades financeiras com poucos clientes. Seus proprietários são Waldo Trumbull, interpretado por Vincent Price, e seu sogro, Amos Hinchley, um velho decrépito, meio surdo e dominhoco, interpretado por Boris Karloff. Trumbull é casado com a bela Amaryllis (Joyce Jameson), uma esposa negligenciada pelo marido alcoólatra e que vive quebrando os copos da casa com seus gritos agudos de frustração, pois seu sonho era ser cantora de ópera e constantemente ela está exercitando sua arte pela casa. O ex-presidiário fugitivo e desengonçado Felix Gillie (Peter Lorre, excepcional ator húngaro que morreu pouco tempo depois do lançamento do filme) é o assistente de Trumbull e está apaixonado pela desprezada Amaryllis. Trumbull tenta também frequentemente matar seu sogro e sócio através da ingestão de um veneno, o qual o velho esclerosado pensa ser apenas um simples remédio.

Farsa Trágica (1964) (3)

A situação ruim da funerária torna-se ainda mais desastrosa quando o proprietário do prédio onde funciona o estabelecimento, John F. Black (Basil Rathbone), aparece para cobrar o aluguel atrasado de um ano inteiro. A única solução que Trumbull descobriu foi a de criar clientes, e com a ajuda de seu assistente desajeitado, que já foi ladrão de banco, eles passam a procurar cidadãos ricos à noite para matá-los e oferecer seus serviços funerários à família. Como a sorte não estava do lado deles, sempre que criavam um cliente, a viúva desconsolada e supostamente inocente acabava fugindo com o dinheiro do marido e não pagava os honorários da funerária. Diante disso, a solução do problema foi fazer com que o próprio dono do prédio, Sr. Black, que sofria de catalepsia, uma rara e terrível doença que dá a impressão da vítima estar morta, virasse também um cliente forçado. Após várias tentativas inúteis de matá-lo, finalmente Trumbull e seu assistente Gillie conseguem seu objetivo, porém, Black acorda da inconsciência de sua doença e saí da cripta pertencente aos seus familiares, partindo para a vingança.

Como curiosidade, no elenco há o destaque até de uma gata atriz devidamente creditada como Rhubard, que interpretou o papel de Cleópatra, uma gata amarela de estimação da família Hinchley, que aparece em muitas cenas.

São tantas as sequências hilariantes que é impossível não rir com satisfação das cenas, como no confronto mortal e quase interminável entre Black e Trumbull, com o primeiro demonstrando sofrer de catalepsia e simular a morte várias vezes, sempre ressurgindo e declamando poemas de William Shakespeare. Ou no velório do Sr. Black, onde Amaryllis está cantando com sua voz aguda uma música fúnebre em homenagem ao suposto falecido, que tem uma letra no mínimo curiosa, parodiando os acontecimentos em torno da doença do Sr. Black:

Farsa Trágica (1964) (4)

Ele não está morto, mas dormindo. Ele não está morto mesmo. Seus olhos se abrirão e ele verá as belezas da eternidade. Ele não nos deixou, pois constantemente poderemos ver que ele observa tudo que fazemos.

A dupla interpretada por Vincent Price e Peter Lorre é simplesmente impagável, com trocas de diálogos e expressões faciais super engraçadas. Para se ter uma ideia da canastrice de ambos, eles utilizam o mesmo caixão da funerária por 13 longos anos, sendo que após a cerimônia de enterro dos clientes e com suas famílias indo embora do cemitério, eles rapidamente retiram o corpo do caixão e o enterram direto na terra, aproveitando o ataúde para o próximo funeral.

Ambos os atores estiveram juntos também em outro filme igualmente excepcional, Muralhas do Pavor (Tales of Terror, 1962), dirigido e produzido por Roger Corman e também com roteiro de Richard Matheson em três histórias baseadas em contos de Edgar Allan Poe. Num dos episódios, Price e Lorre são dois rivais degustadores profissionais de vinho, e eles travam um disputado duelo para reconhecer a qualidade, marca e idade de vários vinhos finos, utilizando métodos estranhos e fora do comum, onde se destacam as mais inusitadas expressões faciais que fariam um morto levantar de sua tumba de tanto rir.

Enfim, Farsa Trágica é um clássico do humor negro refinado, sem sangue nem violência, apenas utilizando um roteiro inteligente com um clima mórbido de discreto horror, uma autêntica comédia dos terrores, como diz o título original. Um filme para ser homenageado e relembrado sempre, como um exercício de puro entretenimento e para manter eterno o fascinante cinema fantástico produzido por consagrados nomes do passado como Jacques Tourneau, Richard Matheson, Vincent Price, Peter Lorre, Boris Karloff, Basil Rathbone, e outros tantos mais…

(Visited 146 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

2 comentários em “Farsa Trágica (1964)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien