Lady Vingança (2005)

Lady Vingança (2005)
Ela só queria uma vida normal!
Lady Vingança
Original:Chinjeolhan geumjassi / Sympathy for Lady Vengeance
Ano:2005•País:Coreia do Sul
Direção:Chan-wook Park
Roteiro:Seo-Gyeong Jeong, Chan-wook Park
Produção:J.J. Harris, Yeong-wook JoBeth Kono, Tae-hun Lee
Elenco:Yeong-ae Lee, Min-sik Choi, Shi-hoo Kim, Yea-young Kwon, Tony Barry, Anne Cordiner, Su-hee Go, Hye-jeong Kang

O Cinema já contou diversas histórias sobre o sentimento universal do desejo de Vingança. Em gêneros diversos como o Faroeste e o Horror, vemos esse elemento trabalhado como eixo central da história: seja no duelo final entre dois cowboys, ou nos sangrentos assassinatos de um slasher movie onde sempre está onipresente o desejo cego da vingança. Quando esse desejo é colocado nas mãos das mulheres cria-se todo um universo de vingadoras antológicas como as guerreiras sensuais e sanguinárias das produções dos estúdios japoneses como o Toei, em filmes como Sex and Fury, de Norifumi Suzuki, passando por clássicos como I Spit on Your Grave aka The Day of The Women, Carrie – A Estranha, as matadoras com suas pistolas da dobradinha Black Angel, de Takashi Ishii, a guerreira de Azumi até chegar na figura da Noiva dos dois volumes de Kill Bill.

Entre 2002 e 2005, na Coréia do Sul, um emergente cineasta chamado Park Chan Wook ganhou notoriedade mundial com sua “Trilogia da Vingança”, composta pelos filmes: Sympathy for Mr. Vengeance, Old Boy e Sympathy for Lady Vengeance, 2005. Seu cinema de muito estilo, visualmente elaborado e com uma recriação pessoal da estética da violência ganhou muitos elogios da crítica em várias partes do mundo, principalmente na Europa. No Brasil seu cinema é estranhamente desprezado em críticas rasas, sem grandes argumentos em visões obtusas que não reconhecem as grandes qualidades artísticas de sua obra.

Lady Vingança (2005) (2)

Após o lançamento de Old Boy, ficamos na espera do terceiro filme da Trilogia da Vingança, com um entusiasmo maior por se tratar de uma trama com esse tema central e com uma protagonista feminina. Com dois anos de atraso Lady Vingança chegou aos cinemas brasileiros. O filme explora elementos dos outros dois filmes da trilogia: tem a história da personagem principal presa injustamente por um longo tempo, como em Old Boy e uma referência importante ao transplante de órgãos como em Mr Vengeance, esse o mais violento da trilogia. Para protagonizar a Lady Vingança, Wook escalou a bela atriz Lee Young, que colaborou com ele em Zona de Risco, 2000. Em um importante papel está o excelente ator sul-coreano Choi Min Sik, protagonista de Old Boy, que em Lady Vingança interpreta o misterioso e ambíguo Professor Back.

Lady Vingança (2005) (4)

Young interpreta Geum Já, uma ex-detenta que ficou 13 anos presa injustamente e tem sua história contada aos poucos num excelente jogo de montagem criado pelo roteiro que nos surpreende a cada minuto. Fica claro o seu desejo de vingança depurado por 13 anos de cárcere, mas não sabemos inicialmente contra quem e porque. As lembranças da prisão inserem no filme o famigerado subgênero exploitation WIP (Women in Prison), os clássicos filmes sobre presídios femininos dos anos 70 com muita nudez e violência. Em Lady Vingança vemos as internas da prisão dominadas por uma assustadora presidiária que promove agressões e abusos sexuais em várias oportunidades. No excelente jogo de montagem do filme vemos pequenos fragmentos que unem passado e presente e em um deles há uma estilizada cena de tortura onde um dedo é decepado, lembrando o episódio de Wook, Cut, no filme Three Extremes.

Lady Vingança (2005) (3)

Enquanto a história de Geum já é revelada, surgem cenas de grande elaboração como um surrealista e sangrento sonho em meio a neve. A neve parece ser um elemento ao mesmo tempo onírico e redentor para Wook, basta lembrar o final de Old Boy. Na última parte de Lady Vingança vemos a trama melhor explicada e então surge uma grande referência/homenagem ao clássico de Fritz Lang: M – O Vampiro de Dusseldorf. A violência extrema é sugerida o tempo todo mas nem por isso é menos perturbadora. O efeito do sangue em contraponto com a neve, as personagens em um rito de punição coletiva e a neve, sempre a neve, que está presente na última cena de Lady Vingança, fechando essa trilogia violenta, perturbadora mas com grandes momentos de poesia e emoção.

(Visited 783 times, 2 visits today)
Marcelo Carrard

Marcelo Carrard

Marcelo Carrard é Jornalista, Pesquisador e Crítico de Cinema e Editor do Blog: Nudo e Selvaggio.

5 comentários em “Lady Vingança (2005)

  • 24/09/2013 em 17:26
    Permalink

    Uma das MELHORES TRILOGIAS que tenho aqui em casa… FILMAÇO!

    Resposta
  • 23/09/2013 em 14:31
    Permalink

    Esse eu vi no cinema. Sensacional ! Acho melhor que Sr. Vingança, mas inferior à Old Boy.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien