Sharknado (2013)

Sharknado (2013) (4)

Sharknado
Original:Sharknado
Ano:2013•País:EUA
Direção:Anthony C. Ferrante
Roteiro:Thunder Levin
Produção:David Michael Latt, Geoffrey Mark
Elenco:Ian Ziering, Tara Reid, John Heard, Cassie Scerbo, Jaason Simmons, Alex Arleo, Neil H. Berkow, Heather Jocelyn Blair, Sumiko Braun, Diane Chambers

A fantasia se nutre de absurdos. Imaginar uma cegonha carregando bebês até as casas, antecipando os drones, ou pensar na possibilidade de um homem velho e gordo produzir brinquedos no Polo Norte, com a ajuda de duendes…são exatamente essas improbabilidades que tornam a imaginação tão rica nas idades iniciais. Com o tempo, a maturidade se protege com um campo de força ou blindagem, impedindo que os pés saiam do chão e encontrem caminhos alternativos na estrada de tijolos amarelos. Você já se flagrou tentando encontrar uma explicação para a digestão dos zumbis? Já tentou entender por que somente a Lua Cheia transforma os amaldiçoados em Lobisomens? (será que se mandarmos um exemplar para o espaço, ele viverá constantemente como uma criatura?) Quem poderia vencer um confronto entre a Múmia e a Criatura de Frankenstein? E se um tromba d´água conseguisse carregar um cardume de mais de 20 mil tubarões até uma cidade grande? Felizmente, o gênero fantástico na Sétima Arte está aí para resgatar essas bizarrices e nos propor possibilidades inimagináveis!

Por que tubarões? Sabe-se lá o motivo, mas Hollywood tem uma certa cisma com vacas e esses animais marinhos. Se o primeiro já apareceu voando em Twister; pegou fogo em Marte Ataca; foi puxada pelos pés por um balão em Tá Todo Mundo Louco; serviu de alimento para os velociraptors de Parque dos Dinossauros, para os graboides de O Ataque dos Vermes Malditos e para os crocodilos de Pânico no Lago; explodiu em O Massacre da Serra Elétrica – O Início e Trash – Náusea Total; transformou-se em zumbi em Dead Meat, em vampiro em O Pequeno Vampiro e exímia lutadora em Kung-Pow e Eu, Eu Mesmo e Irene; o segundo passou a estrelar as mais insanas produções: Homem-Tubarão (Sharkman, 2005), Tubarão em Veneza (Shark in Venice, 2008), Tubarões no Japão (Jaws in Japan, 2009), Tubarão Dinossauro (Dinoshark, 2010), Mega Shark Versus Crocosaurus (2010), O Tubarão do Pântano (Swamp Shark, 2011); Tubarões da Areia (Sand Sharks, 2011), Tubarão da Neve (Snow Shark: Ancient Snow Beast, 2011), Ataque do Tubarão Mutante (2-Headed Shark Attack, 2012), Avalanche de Tubarões (Avalanche Sharks, 2013), O Tubarão Fantasma (Ghost Shark, 2013)… E há até o brasileiro Tubarão da Terra

Sharknado (2013) (1)

Para um projeto como Sharknado ir além de uma piada de botequim ou pôster divulgado como brincadeira no American Film Market, seriam necessárias uma produtora cara-de-pau como a The Asylum (que já havia brincado com tubarões em Mega Shark vs. Crocosaurus e Ataque do Tubarão Mutante) e um canal ousado como o SyFy. Quando o ator Robbie Rist viu a imagem, insistiu para o amigo Anthony C. Ferrante (diretor do terrível Hospital Maldito, 2005) assumir o comando de algo que ele julgava insano, ficando apenas com uma ponta e a composição da trilha. Cada ator contratado tinha noção do que poderia sair desse filme, mesmo tendo que contracenar com o fundo verde para a inserção de cenas digitais. E também imaginavam a falta de qualidade técnica, a partir de um orçamento que não ultrapassava um milhão de dólares. Seria uma brincadeira levada a sério, não havendo limites para as mais absurdas possibilidades. Um vale-tudo do gênero fantástico para ser evitado por quem procura explicações lógicas nos filmes de terror e quer se convencer das situações mostradas. E há de tudo, acredite!

O surfista Fin Shepard (Ian Ziering, da série Barrados no Baile, 1990) está assustado com a ousadia dos tubarões. Eles estão avançando pela baía de Santa Mônica, e atacando as pessoas na praia. Uma das vítimas é seu amigo Baz Hogan (Jaason Simmons, de O Jogo do Espelho), mordido longamente na perna durante um mergulho – numa cena que sugeria um amputamento, mas que apenas apresentou alguns cortes superficiais e artificiais. A dupla se une com a atendente Nova Clarke (a gostosinha Cassie Scerbo, de Uma Patricinha de Outro Mundo, 2011) e com o bebum George (John Heard, que fez nos bons tempos Esqueceram de Mim) e partem para Berverly Hills para resgatar a ex de Shepard, April Wexler (a ex-gatinha Tara Reid, da série American Pie), e seus filhos.

Sharknado (2013) (2)

O que parece ser apenas uma forte tempestade (aliás, nem parece porque às vezes o céu parece claro e o chão seco) logo se transforma em gigantes inundações, com tubarões pelas ruas, no esgoto, saltando nas janelas e atacando carros – é impressionante o quanto essas criaturas são sempre vorazes em qualquer situação! Shepard se transforma num “herói de todos“, salvando um ônibus escolar e enfrentando os animais com motosserras e com o que estiver pelo caminho. Se os tubarões voadores já não fossem uma ameaça (no Brasil, só a inchente já bastava), eles são arrastados por três tornados para Los Angeles, destruindo o letreiro de Hollywood, prédios e casas – tudo feito numa computação caseira, incluindo a água, a tempestade e o sangue.

Sharknado (2013) (5)

Enquanto a filha adolescente, Claudia (Aubrey Peeples), só questiona o sumiço do pai, o irmão dela resolve pilotar um helicóptero para atirar bombas produzidas manualmente nos ciclones para cessar o fenômeno e impedir o avanço dos animais voadores! “Vamos precisar de um helicóptero maior!“, uma das inúmeras referências ao clássico Tubarão, de Spielberg, que deve ter adorado a homenagem! Quando você pensa que já viu de tudo e só resta aguardar o final da sessão, eis que duas personagens importantes são devoradas por tubarões e desaparecem de cena. Enquanto os sobreviventes lamentam as perdas, as vítimas saem ilesas de dentro do tubarão com uma motosserra, num banho de sangue falso e improvável.

Sharknado (2013) (3)

Se o espectador entender a proposta – ora, o que poderia esperar de um filme com tubarões voando por um tornado? -, ele facilmente irá se divertir. Sharknado é tão ruim, mal feito, com péssimas atuações e efeitos precários que fiz questão de vê-lo duas vezes para não achar que tudo não passou de um sonho. Entrou tranquilamente para a minha lista pessoal de melhores filmes ruins ao lado do hilário Birdemic, produções que conduzem o cinema ao universo infantil das improbabilidades e dos absurdos.

(Visited 272 times, 1 visits today)
Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro "Medo de Palhaço", além de ter participado de várias antologias de horror!

5 comentários em “Sharknado (2013)

  • 03/11/2016 em 14:02
    Permalink

    os efeitos são tão ruims que da a ilusão de que tenho problema de vista hehehehe

    Resposta
  • 14/11/2015 em 06:19
    Permalink

    Essa bagaceira é muito hilária, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    Resposta
  • 30/05/2015 em 18:56
    Permalink

    Eu não vi este filme, mas deve ser melhor que Tubarão 3 e Tubarão 4.

    Resposta
  • 28/05/2015 em 17:31
    Permalink

    Que coragem! não aguentei 20 minutos do filme, que dirá ver mais de uma vez! rs

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien