Penny Dreadful (2016) – 3×02: Predators Far and Near

Penny Dreadful (2016) – 3×01: The Day Tennyson Died

 

Penny Dreadful - Terceira Temporada
Original:Penny Dreadful - Third Season
Ano:2016•País:EUA
Direção:Damon Thomas
Roteiro:John Logan
Produção:James Flynn, Adrián Guerra, Sheila Hockin, Morgan O'Sullivan
Elenco:Reeve Carney, Timothy Dalton, Eva Green, Rory Kinnear, Patti LuPone, Billie Piper, Wes Studi, Harry Treadaway, Josh Hartnett, Christian Camargo, Douglas Hodge, Simon Russell Beale, Shazad Latif, Sarah Greene, Samuel Barnett

Quando Penny Dreadful estreou na TV há dois anos, a série surpreendeu a todos por ir na contramão do que estava sendo feito dentro do gênero do horror na TV. Saiam de cena os assassinos mascarados e as fantasias vampirescas para dar lugar a uma produção mais centrada nas origens do gênero. A série se inspirava nos romances fantásticos do século XIX, no teatro Grand Guignol e nos jornais sensacionalistas baratos de Londres, que dão nome à série. O resultado foi arrebatador.

Penny Dreadful reúne personagens clássicos da literatura em uma história original e cativante com dramas pessoais interessantes e adultos. Tudo isso muito bem envolvido por uma produção impecável e um elenco excelente. Eva Green pode ser o centro das atenções na pele da trágica Vanessa Ives, mas sobra espaço para todos os personagens brilharem.

A redução do número de episódios para esta terceira e as pistas que apontam para um confronto decisivo entre os personagens e o vilão da primeira temporada, que antes agia nas sombras, mas que agora parece que irá dar as caras neste terceiro ano, deixaram os fãs com a pulga atrás da orelha, temendo pelo futuro de Penny Dreadful. Por enquanto, são apenas especulações, mas o primeiro episódio desta terceira temporada apresenta algumas mudanças estéticas que são bem-vindas à série, pois pode expandir o universo de Penny Dreadful.

A abertura, passada no velho-oeste americano faz com que esqueçamos, pelo menos por alguns minutos, que estamos vendo uma série de horror passada no século XIX. A série deixa sua sobriedade de lado momentaneamente para entregar uma abertura violenta, digna dos melhores westerns produzidos em Hollywood nos últimos anos. A sequência na África, quando acompanhamos os passos de Malcon Murray (Timothy Dalton), reforça esta nova abordagem da série.

Logo somos apresentados a uma Vanessa Ives (Eva Green) desolada e reclusa após os acontecimentos da última temporada. Eva Green continua mostrando por que pode ser considerada uma das melhores atrizes de sua geração. Seu drama e sua recuperação graças à ajuda do adorável Ferdinand Lyle (Simon Russel Beale) são convincentes e funcionam bem como elemento de transição entre as temporadas.

Seguindo no ritmo de novos rumos e mudanças, o núcleo Frankenstein não fica para trás. Vemos a criatura (Rory Kinnear) presa em um navio no circulo ártico quando um pequeno vislumbre de seu tempo ainda vivo faz com que o monstro resolva voltar para seu país. Mais um elemento que dá pistas do futuro da série e que promete mais sofrimento e dor para o nosso querido e incompreendido monstro. No outro extremo da “família” Frankenstein, vemos Victor (Harry Treadaway) buscando ajuda de um antigo colega de faculdade, o Dr. Henry Jeckyll (Shazad Latif) para enfrentar Lily (Billie Piper) e Dorian Gray (Reeve Carney). Não fica claro se o Dr. Jeckyll já desenvolveu a fórmula que o transforma no Sr. Hyde, mas pode ser por isso que Victor procura sua ajuda para enfrentar o casal de amantes imortais.

Lily e Dorian são os únicos personagens do núcleo principal que não aparecem neste primeiro episódio, dando a entender que a terceira temporada se dividirá em três núcleos que se cruzarão em determinado momento: Malcon Murray libertando o licantropo Ethan Chandler (Josh Hartnett) das garras do seu tão temido pai; Victor e Jeckyll enfrentando Dorian e Lily e Vanessa Ives, que irá se deparar sozinha com seu mais perigoso desafio e, posteriormente, reunida com seus amigos lutarão contra a ameaça do vilão da temporada.

Em seus últimos dez minutos, The Day Tennyson Died, apresenta finalmente a ameaça que nossos heróis terão de enfrentar nesta temporada e é impossível falar dela sem estragar as surpresas e o prazer da descoberta. Portanto, caro infernauta, deixaremos que você mesmo descubra e divirta-se com este excelente começo de temporada que consegue inovar sem descaracterizar a série e consegue um feito inédito em Penny Dreadful que é o de equilibrar igualmente o tempo de tela de todos os personagens do elenco

Saboreie Penny Dreadful como se saboreia um bom livro: devagar e sem pular logo para a última página!

(Visited 262 times, 1 visits today)
Rodrigo Ramos

Rodrigo Ramos

Designer por formação e apaixonado por HQs e Cinema de Horror desde pequeno. Ao contrário do que parece ele é um sujeito normal... a não ser quando é Lua Cheia. Contato: rodrigoramos@bocadoinferno.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *