O Chamado vs. O Grito (2016)

O Chamado vs. O Grito
Original:Sadako V Kayako
Ano:2016•País:Japão
Direção:Kôji Shiraishi
Roteiro:Kôji Shiraishi
Produção:Kadokawa Daiei
Elenco:Mizuki Yamamoto, Tina Tamashiro, Aimi Satsukawa, Misato Tanaka, Masahiro Kômoto, Masanobu Andô, Runa Endo

O que era para ser uma brincadeira de Primeiro de Abril se transformou na maior aposta do cinema de terror japonês dos últimos anos. Mas infelizmente o resultado não foi dos mais satisfatórios. Depois de Freddy Vs Jason, Alien Vs Predador, Batman Vs Superman, King Kong Vs Godzila, e uma série de crossovers, eis que Sadako e Kayako decidiram se enfrentar.

Sadako é a assombração responsável pela fita maligna em Ringu, lançado em 1998. Já Kayako, da franquia Ju-on, de 2000, foi assassinada pelo marido e virou um encosto na casa onde morreu. Ao lado do fantasma do filho Toshio, o garoto que está sempre de cueca e que mia, Kayako é capaz de matar qualquer pessoa que se mude ou simplesmente visite o endereço.

Depois das suas respectivas sequências e refilmagens norte-americanas, os produtores da vez decidiram por juntar as duas fantasmas mais famosas do Japão em Sadako Vs Kayako prometendo uma batalha épica entre as duas. A ligação do projeto com o Primeiro de Abril se deu uma vez que a ideia surgiu pela primeira vez como um trailer falso unindo as duas personagens. O sucesso do material de mentira foi tão grande que significou sinal verde para a produção ser feita.

O filme começa até de maneira interessante acompanhando duas narrativas distintas. Uma família se torna vizinha da casa assombrada por Kayako ao mesmo tempo em que duas amigas assistem por acidente ao vídeo maligno de Sadako. Uma curiosidade interessante é que logo no começo do filme tanto a casa de Kayako como o vídeo de Sadako são apresentados por um professor para os alunos de uma escola como lendas urbanas bastante populares no Japão. Após seus respectivos primeiros contatos com a casa assombrada e com a fita de vídeo, as personagens tentam diferentes maneiras de se livrarem das fantasmas.

Tudo parece perdido para as jovens até que um excêntrico exorcista e sua assistente cega decidem aproveitar que as duas assombrações estão em plena atividade para encerrarem de vez os problemas sobrenaturais causados por ambas. A lógica é colocar Sadako e Kayako para se enfrentarem de modo que ambas possam se aniquilar. Claro que isto não vai dar certo e a situação vai fugir do controle.

Um dos principais desafios em unir personagens em crossovers é conseguir encontrar uma história capaz de se adequar ao histórico dos personagens em questão e ao mesmo tempo consiga avançar dentro da trama fílmica. Nenhum destes dois casos parece ter sido alcançado em Sadako Vs Kayako. O roteiro é previsível e preguiçoso. Além disso, a justificativa para o embate também é forçada. E quando a luta finalmente acontece é que se torna possível perceber como o filme é equivocado ao vermos uma das lutas mais sem graça do cinema.

A direção ficou a cargo de Kôji Shiraishi, responsável pelo excelente Noroi, de 2005, e do regular Kuchisake-onna, de 2007. O elenco apenas cumpre o seu papel sem nenhum destaque. Curiosamente tanto Sadako quanto Kayako são interpretadas por novas atrizes. Takako Fuji, que fez Kayako nos dois primeiros Ju-ons e em O Grito e O Grito 2 não participou deste filme. Rie Inō, que fez Sadako em Ringu e Ringu 2 também não voltou dando lugar para a novata Elly Nanami.

Sadako Vs Kayako também peca pelo excesso de efeitos especiais e uso de CGI, algo totalmente desnecessário em se tratando de filmes de fantasmas japoneses. Isto fica inclusive mais evidente na batalha entre as duas, que por sinal é bastante rápida e dificilmente vai provocar alegria nos fãs que esperaram para verem as duas vilãs tão queridas se enfrentando.

Futuro

Este é a sétima vez que vemos Sadako em ação. A fantasma esteve presente em Ringu, Ringu – Espiral, Ringu 2, Ringu 0 – Birthday, Sadako 3D e Sadako 3D2. Apesar de Ringu ser um ótimo filme, o nível da franquia foi caindo assustadoramente em cada sequência chegando até os risíveis Sadako 3D e Sadako 3D2.

Kayako esteve presente em Ju-on, Ju-on 2, Ju-on 3, Ju-on: The Beginning of the End e Ju-on: The Final. Diferente da saga Ringu, as sequências de Ju-on sempre resultaram em trabalhos de qualidade.

Filme chega aos cinemas japoneses em junho

Ambos os filmes ganharam refilmagens feitas nos Estados Unidos. Ju-on foi rebatizado de O Grito e Ringu foi refilmado como O Chamado. E será justamente dos Estados Unidos que teremos um novo filme sobre as fantasmas japonesas. No caso, O Chamado vai ganhar a sua segunda sequência, O Chamado 3. O trailer parece trazer mais uma refilmagem do que um avanço na trama. Resta aos fãs esperarem enquanto se recuperam de Sadako Vs Kayako, um projeto no qual o perdedor foi o público.

(Visited 1.683 times, 1 visits today)
Filipe Falcão

Filipe Falcão

Jornalista formado e Doutor em Comunicação. Fã de filmes de terror, pesquisa academicamente o gênero desde 2006. Autor dos livros Fronteiras do Medo e A Aceleração do Medo e co-autor do livro Medo de Palhaço.

6 comentários em “O Chamado vs. O Grito (2016)

  • 15/01/2017 em 13:41
    Permalink

    Não é tão ruim, mas é decepcionante. O embate das duas fantasmas decepciona muito, mesmo, de tão rápido. Roteiro cheio de furos, notadamente quanto à casa de Kaiako, onde, em tese, era pra todo mundo que entra morrer – o que não ocorre. Será a fantasma seletiva como a justiça brasileira?!

    Resposta
  • 14/01/2017 em 16:54
    Permalink

    Poderiam fazer uma refilmagem norte-americana de Sadako e Kayako, pra tentar salvar. Porque realmente, foi muito fraco.. batalha mesmo entre as duas teve pouco.

    Resposta
  • 14/01/2017 em 15:44
    Permalink

    Tava com uma certa expectativa pra ver esse filme. Uma pena.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *