Love, Death + Robots – Volume 2 (2021)

5
(1)

Love, Death + Robots - 2ª Temporada
Original:Love, Death + Robots - Season 2
Ano:2021•País:EUA
Direção:Dominique Boidin, Léon Bérelle, Rémi Kozyra, Maxime Luère, Tim Miller, Robert Valley, Alex Beaty, Elliot Dear, Meat Dept, Simon Otto, Jennifer Yuh Nelson
Roteiro:Tim Miller, Philip Gelatt, John Scalzi, Joe R. Lansdale, Neal Ashe, J.G. Ballard, Meat Dept, Harlan Ellison, Joachim Heijndermans, Rich Larson
Produção:Joshua Donen, David Finche,r Victoria L. Howard, Jennifer Miller, Tim Miller, Al Shier
Elenco:Scott Whyte, Nolan North, Steven Pacey, Emily O'Brien, Fred Tatasciore, Michelle C. Bonilla, Ike Amadi

Quando lançada pela Netflix com até mesmo pouco alarde em 2018 e sobre um estranho ar de mistério sobre seu conteúdo, a antologia Love, Death + Robots foi um verdadeiro acontecimento. O projeto de animações de ficção científica trazia um experimentalismo único na plataforma, com 18 episódios que, ainda que irregulares em alguns momentos, foram de encher os olhos e os corações de quem gosta de histórias insanas e marcantes. O sucesso foi um resultado claro e, após anos de espera, o segundo volume chegou para, infelizmente, derrubar as boas expectativas criadas até então.

Originalmente desenvolvido por Tim Miller e com produção de gigantes como David Fincher, o segundo volume de Love, Death + Robots deixa de apostar num experimentalismo de ideias ousadas e absurdas para navegar dessa vez em áreas mais seguras. A redução no número de episódios também não ajudou. Com apenas oito composições, a diversidade de ideias também ficou menos marcante aqui.

A empolgação de um grande fã do Volume 1 já é rapidamente suprimida pelo fraco episódio de abertura Atendimento Automático ao Cliente, onde uma idosa burguesa e seu cachorrinho precisam lidar com a loucura de seu aspirador de pó automático. Pouco carismático em seus personagens e apostando mais no humor, o episódio não engrena. O seguinte, Gelo, tem estilo e uma ideia interessante, mas também falta um pouco de carisma para nos encantar.

Mas é quando Esquadrão de Extermínio aparece que sentimos o espírito de Love, Death + Robots de volta. A incrível história de um mundo onde a imortalidade foi dada em troca da ilegalidade da reprodução humana, nos apresentando um exterminador de crianças à la Blade Runner, é simplesmente sensacional, nos deixando naquele desejo bom de que poderiam ter nos dado mais. É de longe o melhor episódio do Volume.

E enquanto Snow no Deserto e o lovecraftiano A Grama Alta patinam por um razoável bom gosto, mas morno de interesses, o Volume 2 traz seu segundo melhor episódio em Pela Casa, com uma noite de Natal incrivelmente bizarra e sensacional em seus eventos altamente imprevisíveis. Já os dois últimos episódios são um total banho de água fria. Gaiola de Sobrevivência pode ter a melhor animação da temporada e Michael B. Jordan no elenco, mas é simplesmente uma chatice de enredo, enquanto O Gigante Afogado até tenta nos mergulhar em suas perspectivas filosóficas junto a um episódio mais tranquilo, mas que simplesmente não funciona.

Com menos enredos originais, mas tecnicamente impecáveis, volta aqui o trabalho magnífico de estúdios de vídeo games mostrando que são capazes de apostar em outras mídias. A Blur Studio (famosa nas franquias Halo e Call of Duty) e Unit Image (de parcerias com a Ubisoft, inclusive para o inédito Far Cry 6) fazem seus nomes e encantam nossos olhos mesmo quando o resultado final do todo não é o mesmo.

Por causa de tudo isso, é difícil conter o sentimento de frustração com o Volume 2. Misturando ficção científica com terror e até mesmo questionamentos humanitários ao apresentar personagens em jornadas de descobertas ou desolação, Love, Death + Robots ganhou um espaço grande no coração de um público que anseia por novidades de ideias malucas e ousadas, mas que, infelizmente, parece não se repetir com a real força do que poderia ser aqui.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Samuel Bryan

Jornalista, acreano, tão fã de filmes, games, livros e HQs de terror, que se não fosse ateu, teria sérios problemas com o ocultismo. Contato: games@bocadoinferno.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.