O Moinho das Mulheres de Pedra (1960)

5
(2)

O Moinho das Mulheres de Pedra
Original:Il mulino delle donne di pietra
Ano:1960•País:Itália, França
Direção:Giorgio Ferroni
Roteiro:Giorgio Ferroni, Remigio Del Grosso, Ugo Liberatore, Louis Sauvat, Giorgio Stegani, Pieter van Weigen
Produção:Giampaolo Bigazzi, Charles Kornel
Elenco:Pierre Brice, Scilla Gabel, Wolfgang Preiss, Dany Carrel, Herbert A.E. Böhme, Liana Orfei

“Elfie agora está morta. Elfie está sepultada no cemitério de Veeze. Que descanse em paz em sua tumba. Em sua tumba.”

Os anos 60 do século passado foram o ápice para o cinema de horror gótico, principalmente com os filmes europeus, desde os ingleses da Hammer aos italianos de Mario Bava. O Moinho das Mulheres de Pedra (Mill of the Stone Women, 1960), de Giorgio Ferroni, é um dos bons exemplos desse fascinante subgênero do Horror, com sua atmosfera sombria e elementos de mistério e insanidade.

A história se passa na pequena cidade de Veeze, na Holanda do final do século 19. O jornalista Hans von Arnim (Pierre Brice) está trabalhando numa matéria pesquisando o centenário de um famoso carrossel macabro que funciona como uma atração turística num moinho (do título), de propriedade do escultor e professor de belas artes Gregorius Vahl (Herbert Boehme). O carrossel é formado por bonecos grotescos de cera representando mulheres assassinadas ou torturadas e que podem ter sua origem em cadáveres reais. Ele tem uma filha doente, Elfie (Scilla Gabel), que vive reclusa no moinho, sem contato com o mundo externo, e que precisa de constantes transfusões de sangue para sobreviver, através de mulheres raptadas no vilarejo, enquanto o inescrupuloso médico Dr. Loren Bohlem (Wolfgang Preiss), que também vive no moinho e teve sua licença cassada pelo Conselho de Medicina, tenta encontrar uma cura para a rara doença do sangue de Elfie.

Depois que o jovem Hans entra em contato com a bela e misteriosa jovem, surge uma inevitável atração mútua, apesar dele estar apaixonado pela amiga de infância Liselotte Kornheim (Dany Carrel). Porém, após seu desaparecimento suspeito, Hans e o amigo Ralf (Marco Guglielmi) precisam agir antes dela se tornar outra vítima dos experimentos nefastos do Prof. Vahl e do Dr. Bohlem.

O Moinho das Mulheres de Pedra tem uma narrativa mais lenta e possui a tradicional atmosfera gótica com elementos macabros envolvendo doença, insanidade, mistério, assassinato, alucinação, pesadelo, experiências científicas bizarras, ambientes sombrios, um moinho sinistro (no lugar do costumeiro castelo gótico), um pequeno vilarejo enevoado e o desaparecimento de mulheres. Sua história inevitavelmente lembra filmes anteriores como Museu de Cera (1953) e Olhos Sem Rosto (1959), pelas similaridades das estátuas bizarras e do pai que não mede esforços, incluindo cometer crimes, para manter a filha viva.

Herbert Boehme está muito bem e convincente no papel desse pai sem escrúpulos que vai perdendo a sanidade e que junto com o “cientista louco” Dr. Bohlem faz as transfusões de sangue para manter a filha doente viva, em troca da vida de outras mulheres inocentes. Outros detalhes interessantes são o laboratório científico com seus instrumentos médicos bizarros, além da maquete do moinho em chamas.

O título original italiano é “Il mulino delle donne di pietra” e foi lançado em DVD no Brasil pela “Versátil” na coleção “Obras-Primas do Terror – Gótico Italiano”.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.