Rua do Medo: 1978 – Parte 2 (2021)

4.4
(9)

Rua do Medo: 1978 - Parte 2
Original:Fear Street: 1978
Ano:2021•País:EUA
Direção:Leigh Janiak
Roteiro:Leigh Janiak, Zak Olkewicz, R.L. Stine
Produção:Peter Chernin, David Ready, Jenno Topping
Elenco:Gillian Jacobs, Matthew Zuk, Kiana Madeira, Benjamin Flores Jr., Olivia Scott Welch, Sadie Sink, Brandon Spink, Chiara Aurelia, Marcelle LeBlanc, Eden Campbell, Ted Sutherland, Michael Provost, Drew Scheid, Jacqi Vene, Emily Rudd, McCabe Slye

Os slashers de acampamento se estabeleceram pelas chacinas cometidas por Pamela e Jason Voorhees na franquia Sexta-Feira 13. Desde então, aquele passeio que envolvia competições entre equipes de crianças e adolescentes, enquanto os pais curtiam o desafogo da responsabilidade, passou a ser um palco de possibilidades assustadoras mostradas em muitas produções como nos filmes da série Acampamento Sinistro. Nada mais justo que Rua do Medo também recordasse esse período depois de homenagear os slashers oitentistas e o filme Pânico; e também fizesse uma referência ao ano em que Michael Myers retornou a Haddonfield para o longa que, inclusive, serviria de inspiração para o “filhinho-da-mamãe” e assassino dos acampamentos.

O primeiro filme já basicamente definiu os caminhos. Uma antiga bruxa, Sarah Field, levada à morte na cidade de Shadyside, amaldiçoou o local, para que assassinos sobrenaturais perpetuassem sua vingança. Quando Sam (Olivia Scott Welch) ficou possuída pela entidade no epílogo, Deena (Kiana Madeira) e Josh (Benjamin Flores Jr.) tiveram que ir ao encontro de C. Berman (Gillian Jacobs), conhecida por ser uma das únicas sobreviventes de um massacre ocorrido em 1978 no Acampamento Nightwing. A sequência inicial traz uma referência a Sexta-Feira 13 – Parte 2, quando a mulher passa a pressentir uma ameaça, e a câmera inteligente de Leigh Janiak trabalha em prol desse clichê do estilo “assassinato inicial“.

Ela então traz de volta a época, quando Ziggy (Sadie Sink) era ameaçada no acampamento por um grupo de garotas lideradas pela insuportável Sheila (Chiara Aurelia). Chamada de bruxa devido a sumiços no local, ela quase é morta na ação exagerada da jovem, impedida pela chegada dos monitores Nick Goode (Ted Sutherland) e Kurt (Michael Provost). Em um diálogo daqueles que insultam a inteligência, no roteiro de Zak Olkewicz e Leigh, falas óbvias como “futuro delegado” são ditas para situar o espectador e forçar a relação com o personagem do primeiro filme. Ziggy é irmã da certinha Cindy Berman (Emily Rudd), que já traz as características de sua sobrevivência na fórmula dos slashers: não transa, não usa as drogas oferecidas por Alice (Ryan Simpkins), vive passando sermão nos demais, incluindo seu namorado Tommy (McCabe Slye) – notem os nomes que trazem lembranças dos filmes da franquia Sexta-Feira 13, como a sobrevivente do primeiro filme, Alice (interpretada por Adrienne King), vítima inicial do segundo filme; e Tommy, de Sexta-Feira 13 – O Capítulo Final, Sexta-Feira – Parte 5 e Sexta-Feira 13 – Parte 6.

Depois que Tommy passa a sangrar pelo nariz e ter visões da bruxa, ele é quase morto pela enfermeira e, um quase Crazy Ralph, Mary Lane (Jordana Spiro) – mãe da assassina cantora Ruby (Jordyn DiNatale) -, que anuncia ter visto o nome dele em uma parede, algo a ser mostrado futuramente. Com o desafio do acampamento entre jovens de Shadyside e Sunnyvale, com a apresentação de outros personagens como Gary (Drew Scheid, esteve em Halloween, 2018) e a vítima inicial Arnie (Sam Brooks), o terror começa quando Cindy e Alice encontram o covil da bruxa, a partir de seu Livro das Sombras, e Tommy finalmente é possuído. De posse de um machado, com sequências sangrentas com cabeças esmagadas e partidas ao meio, sem poupar adolescentes, o rapaz inicia uma trilha de corpos desmembrados, atacando todos os que cruzam seu caminho.

Até engrenar, com a possessão e banho de sangue, Rua do Medo – Parte 2 segue como uma aventura adolescente comum. Sem o exagero do humor do primeiro filme, assim como os sustos falsos felizmente foram contidos, o longa funciona melhor pelo grupo de personagens, pela ambientação claustrofóbica (curiosamente usaram o mesmo cenário de Sexta-Feira 13 – Parte 6) e sequências de suspense. Cria-se realmente uma preocupação imensa com a jovem Ziggy, uma vez que na narração de C. Berman, ela já adianta que perdera a irmã no massacre; e ela age como uma sobrevivente, uma final girl de primeira, não apenas por todo o bullying que sofre no local, mas também pelo modo como luta com o vilão por diversos lugares, conquistando a empatia do público.

Ignorando os ferimentos, rapidamente curados – como a perna de Alice que teve fratura exposta e até o ataque sofrido por Deena no final de 1994 -, e algumas sequências que não empolgam como a bolha que desperta outros assassinos, resta ao espectador se divertir com um slasher quase tradicional, repleto de homenagens a um estilo que faz muita falta. Se Jason Voorhees parece que se aposentou dos acampamentos, ao fãs do subgênero ainda há essa franquia, que resgata a época de maneira saudosamente sangrenta.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.4 / 5. Número de votos: 9

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

One thought on “Rua do Medo: 1978 – Parte 2 (2021)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.