Hypnotic: Ameaça Invisível (2023)

3.8
(5)

Hypnotic: Ameaça Invisível
Original:Hypnotic
Ano:2023•País:EUA, UK, Canadá
Direção:Robert Rodriguez
Roteiro:Robert Rodriguez, Max Borenstein
Produção:Guy Botham, Lisa Ellzey, Mark Gill, John Graham, Jeff Robinov, Racer Rodriguez, Robert Rodriguez
Elenco:Ben Affleck, Alice Braga, JD Pardo, Dayo Okeniyi, Jeff Fahey, Jackie Earle Haley, William Fichtner, Zane Holtz, Ruben Javier Caballero, Kelly Frye, Sandy Avila

O policial interpretado por Ben Affleck é um pai que, num instante de descuido, tem sua filha sequestrada num parque público. A criança nunca mais é encontrada. Alguns anos depois, chamado para atender uma ocorrência de um possível assalto a banco, ele encontra uma pista que pode levar ao paradeiro de sua filha. Essa trama está ligada ao personagem do ótimo William Fichtner, que tem o poder de subjugar qualquer pessoa por meio de uma forte hipnose, fazendo com que ela faça o que ele mandar.

Esse é o início da trama que, aos poucos, se torna cada vez mais inverossímil e delirante, o que seria plenamente desculpável num filme assumidamente B como os produzidos por Roger Corman nos anos 70/80 ou dirigido com mais leveza e refinamento por um Sam Raimi, por exemplo. Contudo, ao contrário, o diretor Robert Rodriguez, responsável por duas pérolas cinematográficas – Um Drink no Inferno (1996) e Sin City (2005) -, pesa a mão e leva a trama a sério demais, sem qualquer sutileza e com zero senso de humor, o que seria muito bem-vindo, em razão do roteiro sem qualquer elemento plausível.

Aliás, gostaria de ver essa premissa filmada como uma comédia rasgada, nas mãos do trio Jim Abrahams, Jerry Zucker e David Zucker, os homens por trás de clássicos satíricos como  Apertem os cintos, o piloto sumiu (1980), Top Secret (1984) e Corra que a Polícia vem aí! (1988). Seria de rolar de rir, assim como os filmes citados!

Bom, do jeito que está, sem qualquer pretensão por parte do espectador, o longa pode até funcionar na falta de outra opção, em razão do suspense impresso em algumas cenas e para, pelo menos, entender ao final o que diabos aconteceu na tela.

Quanto aos atores, Alice Braga e William Fichtner estão bem e tentam dar alguma dignidade aos seus respectivos papéis e diálogos sofríveis, ao contrário de Ben Affleck, que exala canastrice e é uma tarefa árdua se envolver inteiramente no seu drama. Difícil acreditar que um ator tão limitado supreendentemente é um craque na direção, como já constatado em Medo da Verdade (2007) e Argo (2102), dois excelentes filmes com o astro atrás das câmeras.

Disponível na Amazon Prime, a crítica demoliu e o público não foi ao cinema ver esse misto de ficção científica e suspense, mas ouso dizer que ao longo da projeção eu vi potencial e me liguei ao filme em alguns momentos. Pena que esse projeto, não me canso de repetir, ficou soterrado na ambição de seus realizadores em compor algo tão austero, enquanto que o roteiro pedia um toque demente e desequilibrado.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3.8 / 5. Número de votos: 5

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Avatar photo

Ricardo Gazolla

Formado em Direito e trabalhando no setor privado, apaixonado por cinema desde a infância quando assistiu Os Goonies (1985) na tela grande. Sua predileção pelo horror começou um pouco depois ao conhecer em VHS A Hora do Pesadelo (1984), Renascido do Inferno (1987) e A morte do demônio (1981). Desde então o cinema se tornou um hobby, um vício socialmente aceito, um objeto de estudo, um prazer público e, agora, no site Boca do Inferno, uma forma de comunicação com as pessoas.

One thought on “Hypnotic: Ameaça Invisível (2023)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *