O Homem Invisível (1933)

O Homem Invisível
Original:The Invisible Man
Ano:1933•País:EUA
Direção:James Whale
Roteiro:R. C. Sheriff e Philip Wylie, Herbert George Wells
Produção:Carl Laemmle Jr.
Elenco:Claude Rains, Gloria Stuart, William Harrigan, Donald Stuart, Henry Travers, Forrester Harvey

“Repentinamente eu imaginei o poder que possuía, o poder para ordenar, para fazer o mundo rastejar aos meus pés”

O escritor inglês H. G. Wells (1866-1946) foi o autor de uma infinidade de livros de Ficção Científica e Horror que, além de se tornarem muito conhecidos e cultuados, serviram de inspiração para a produção de inúmeros filmes. Obras como A Guerra dos Mundos, A Ilha do Dr. Moreau, A Máquina do Tempo, Os Primeiros Homens na Lua, O Alimento dos Deuses, tiveram várias versões adaptadas para o cinema. O Homem Invisível (The Invisible Man, 1933) é outro exemplo de filme baseado em um livro homônimo de Wells. A direção é de James Whale (1896-1957), o mesmo cineasta de clássicos como Frankenstein (31) e a continuação A Noiva de Frankenstein (35), a produção é do famoso estúdio “Universal”, e o elenco é liderado pelo ator inglês Claude Rains (1889-1967), de filmes como O Lobisomem (41), O Fantasma da Ópera (43), e O Mundo Perdido (60). Aliás, Rains ganhou o papel após o diretor James Whale descartar o grande Boris Karloff, alegando que queria um ator com uma voz mais “intelectual”, tanto que seu rosto praticamente não aparece no filme e sua voz passou a ser reconhecida pelo público.

O filme ajudou a imortalizar o “cientista louco” que se transformou em um “homem invisível” como mais um personagem marcante no imaginário popular, entrando para a galeria dos vilões famosos do cinema fantástico, sendo visto numa grande quantidade de filmes, ou inspirando outros personagens similares. Basta lembrar rapidamente de filmes recentes de orçamentos milionários que abordaram o tema como A Liga Extraordinária (2003), onde o cientista transparente Rodney Skinner (feito por Tony Curran) havia sido convocado para integrar uma liga formada apenas por pessoas com dons diferenciados que teriam um objetivo especial, e Quarteto Fantástico (2005), sendo que nesse caso temos uma “mulher invisível” (a belíssima Jessica Alba).

Em O Homem Invisível, o Dr. Jack Griffin (Claude Rains) é um cientista que está obcecado em ganhar fama e respeito no meio científico, e consegue criar uma fórmula química que testada em si mesmo, transformou-o em invisível. Desesperado em encontrar um antídoto e poder voltar ao normal, controlando os efeitos do experimento, ele se refugia num hotel vagabundo numa pequena cidade do interior, tentando trabalhar sem interferência externa. Porém, após ser constantemente importunado, e somando-se ao fato da droga experimental ter afetado significativamente sua mente evidenciando sinais de psicopatia, o cientista decide se vingar do mundo utilizando a vantagem da invisibilidade para aterrorizar e instaurar um pânico geral nas pessoas, com a ocorrência de assassinatos e acidentes, onde nem mesmo a presença acolhedora da bela noiva Flora (Gloria Stuart), filha de seu chefe, Dr. Cranley (Henry Travers), consegue convencê-lo a parar com os crimes e ideias mirabolantes de poder.

Ele tenta se unir ao antigo parceiro de trabalho, Dr. Arthur Kemp (William Harrigan), solicitando sua ajuda para superar as dificuldades geradas por ser invisível, pois sua nova condição de um homem fora do comum também trouxe obstáculos a serem enfrentados como o fato de precisar aguardar um certo tempo até os alimentos serem digeridos e tornarem-se invisíveis, ou evitar tomar chuva porque a água poderia ser vista nos cabelos molhados ou sobre os ombros, ou ainda a poluição poderia denunciar uma silhueta preta, um nevoeiro poderia transformá-lo numa bolha visível, as unhas das mãos e pés teriam que ser higienizadas a todo momento para impedir que a sujeira possa ser vista, etc. Mas, assustado com as ideias criminosas de um cientista invisível com a mente perturbada, o Dr. Kemp tenta denunciá-lo à polícia e o Inspetor Lane (Donald Stuart) convoca um batalhão de policiais para tentar capturá-lo e livrar o mundo de sua ameaça.

“Eu acho que irei iniciar um reino de terror”

O filme foi lançado no Brasil em VHS pela “Continental” (fora de catálogo há muito tempo) e também foi distribuído no formato DVD pela “Universal”. Tem apenas 71 minutos de duração, a fotografia é em preto e branco e os efeitos especiais de invisibilidade do cientista são incrivelmente bem feitos, tendo em vista a época da produção, no início da década de 1930. A história não perde tempo em grandes explicações, e o filme já começa com o cientista coberto por bandagens, roupas grossas e óculos escuros para esconder o fato de ser invisível. Ou seja, ele já se transformou num monstro após servir de cobaia para suas próprias experiências. Sua mente inicia um processo crescente de deterioração, ficando confuso e atormentado com os acontecimentos, e logo ele já é um criminoso caçado pela sociedade. É extremamente interessante como o protagonista passa rapidamente de um homem da ciência à procura de uma descoberta que beneficie a humanidade, para um criminoso insano que somente enxerga as vantagens que teria sendo um homem invisível, cometendo assassinatos impunemente, roubando bancos e causando acidentes trágicos. Essa ideia é como uma espécie de aviso de H. G. Wells sobre os perigos das descobertas científicas.

Curiosamente, temos vários momentos hilários na sequência passada no hotel, graças à performance da atriz veterana Una O’Connor (que faz o papel da Sra. Jenny Hall, proprietária da pousada) e seus característicos gritos agudos, os quais seriam posteriormente também ouvidos dois anos depois em A Noiva de Frankenstein, quando ela encontra a famosa criatura formada de pedaços de cadáveres, e presenteia o espectador com seus cômicos gritos estridentes. Outra curiosidade que sempre é comentada é o incrível vacilo que os realizadores de O Homem Invisível cometeram numa cena de grande importância para a história, quando o cientista invisível caminha pela neve deixando suas pegadas denunciadoras no caminho, porém o rastro não tem o formato de um pé humano, apenas de um sapato, desconsiderando o óbvio fato que ele deveria estar descalço.

A popularidade alcançada por O Homem Invisível despertou a atenção da “Universal” para a produção de outros cinco filmes dentro do mesmo universo ficcional. Vieram então A Volta do Homem Invisível (The Invisible Man Returns, 40), de Joe May e roteiro de Curt Siodmak, estrelando o ícone Vincent Price em mais um de seus inúmeros papéis de vilão; The Invisible Woman (40), também escrito por Siodmak, com o cientista interpretado por John Barrymore transformando a atriz Virginia Bruce em invisível através de uma máquina; Invisible Agent (40), novamente com roteiro de Siodmak e com Peter Lorre; The Invisible Man’s Revenge (44), escrito por Bertram Milhauser, e finalmente a comédia Abbott and Costello Meet the Invisible Man (51). Vincent Price também fez uma participação especial e super rápida emprestando sua voz para o homem invisível na cena final da comédia Abbott e Costello Encontram Frankenstein (48).

(Visited 453 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien