O Silêncio da Casa Fria (2020)

4.5
(2)
O Silêncio da Casa Fria
Original:The Silent Companions
Ano:2020•País:UK
Autor:Laura Purcell•Editora: Darkside Books

“Os olhos se mexeram”.

É sempre importante lembrar que o Horror tem suas raízes no gótico. Boa parte das histórias sobrenaturais que você acompanha na literatura, cinema e outras mídias se desenvolveu a partir dos fantasmas do passado, que se abrigavam em castelos e casarões com baixa iluminação, entre corredores frios e silenciosos, como vultos errantes e sombras vivas. Até se entende que tais enredos macabros foram beneficiados pelas condições em que foram produzidos, pelas atmosferas reais, com seus autores desenhando palavras com o auxílio do tinteiro e de candelabros, observando a névoa que cobria as janelas, tocadas pelos dedos gelados dos galhos secos. Se você consegue contextualizar a obra pioneira de Horace Walpole, O Castelo de Otranto (1764), além de Os Mistérios de Udolpho (1794), de Ann Radcliffe, O Monge (1796), de Matthew Gregory Lewis, e as mais conhecidas como Frankenstein (1818), de Mary Shelley e Drácula (1898), de Bram Stoker, fica difícil imaginar alguém que conseguisse resgatar o estilo de escrita nos dias de hoje.

Pois Laura Purcell não apenas obteve êxito em muitos aspectos como soube despontar calafrios com seu primeiro livro gótico O Silêncio da Casa Fria (The Silent Companions), em mais uma edição caprichada da Darkside Books. Com a ótima tradução de Camila Fernandes, o livro se apresenta na composição de três narrativas, que se unem em uma teia maldita de eventos sobrenaturais, numa crescente bastante assustadora. Quem imagina que a obra trará aparições conhecidas, como os que arrastam correntes ou aparecem no reflexo da janela, irá se surpreender pelo modo como as entidades errantes irão se manifestar, enlouquecendo e ferindo, torturando e matando violentamente, com mais ênfase perturbadora na segunda metade da obra.

Em meados de 1865, Elsie está grávida e acaba de se tornar viúva. Ela então viaja para a propriedade do falecido marido Rupert para tratar de seu sepultamento e decidir se fica com o casarão de sua família, consciente que o dono parecia nunca disposto a ocupar ali. No local, apelidado de A Ponte, com toda a descrição de uma morada gótica, ela convive com os poucos empregados, com suas particularidades que envolvem pouca simpatia e frieza, uma vez que o lugar adquirira fama maldita, além da curiosa prima do marido, Sarah. Esta encontra o diário de Anne, uma mulher que vivera na mansão em 1635, e que fora acusada de bruxaria pelos rituais desenvolvidos com o uso de ervas. Aliás, a própria época, envolta em medos e preconceitos, principalmente com os ciganos, parecia propícia pela narrativa a desencadear vinganças e atos cruéis, como são descritos ao longo das páginas.

Dois cômodos parecem assombrados no local, na época de Elsie: o berçário e o sótão, sendo que este último é o que traz os diários que serão lidos por Sarah, além dos malditos “companheiros“! Populares no século XIX, os tais “companheiros silenciosos” ou “dummy boards” eram esculturas de madeira tridimensionais pintadas a óleo e que muitas vezes retratavam familiares, talvez pela razão do próprio nome: parecerem companhias de pessoas solitárias em casarões. Os que surgem pelos cômodos de A Ponte foram adquiridos por Anne, pensando em algo que pudesse agradar a Rainha, que deverá visitar a morada em um dado momento. Contudo, para Elsie, eles começam a representar os antigos moradores como a mudinha Hetta, uma criança que nasceu com uma deformidade na língua e que pode ter sido vítimas dos rituais concebidos pela mãe.

Além dessas duas épocas retratadas, há uma terceira. O livro já abre com a informação, e depois com algumas outras pinceladas, que Elsie está internada no Hospital St.Joseph. Algo aterrorizante aconteceu na morada, e ela está sem lembranças do passado e sem a capacidade de falar. Enquanto é investigada pelo médico, com acusações que podem remeter a uma loucura hereditária, ela tenta através dos procedimentos reviver sua chegada A Ponte e tudo que acontecera até culminar em uma imensa tragédia. Purcell narra a beleza com a mesma proporção que explora o horror, sem poupar o leitor de narrações sangrentas e incômodas. Há muitas mortes descritas no livro, assim como a descrição de paisagens mágicas, da beleza das cores e a influência da natureza. Toda a sua literatura abriga um pesadelo, com a mansão e os Companheiros como personagens dispostos a se alimentar do sofrimento alheio.

Com toda a pesquisa histórica que envolveu seus trabalhos anteriores, como o estudo sobre as monarquias Hanoverian, Laura Purcell está bem à vontade para conduzir o leitor às épocas descritas, resgatando com lucidez a atmosfera e o horror gótico. O Silêncio da Casa Fria traz uma história de fantasmas como você nunca vira antes, um ótimo cartão de visita para os escritos de uma autora que deve ser mais observada.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.5 / 5. Número de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

One thought on “O Silêncio da Casa Fria (2020)

  • 22/03/2021 em 11:26
    Permalink

    Como em todas as publicações da Darkside o projeto gráfico está incrível, simplesmente impecável. Apesar deterem replicado o mesmo projeto original no exterior, não vejo demérito nisso. “O Silêncio da Casa Fria” é leitura obrigatória para todos que adoram romances góticos, principalmente aqueles com casas mal assombradas. A prosa da Laura Purcell é ótima, nos deixando imersos na trama.
    Contada por flashbacks, a narrativa é conduzida com maestria, se desenvolvendo de uma forma bem cadenciada e construindo um clima de horror sem apelação. Acho que um dos problemas de se contar uma história por flashbacks é que mais ou menos sabemos onde a coisa vai dar, contudo os bons escritores conseguem criar um clima de apreensão a partir disso, manipulando as nossas expectativas pelo momento derradeiro. Também gostei muito da construção da protagonista, Elsie, a antipatia inicial é dissipada com o crescimento da personagem.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.