Horror Queer – Parte Final: 2010 – Eles estão aqui. Eles são Queer. Acostume-se com isso

4.4
(7)

No início dos anos 2000, filmes como Hellbent (2004) e Make a Wish (2002) se baseavam em histórias estranhas com personagens queer, que, mesmo que conhecessem os finais ruins de um filme de terror, estavam descaradamente fora do armário – e não eram alvos de suas identificações sexuais. Desde 2010, vimos essas histórias passarem de filmes B de baixo orçamento com boas intenções para os queridinhos dos festivais e homenageados do Festival de Cannes. Desde então a Onda Queer tem aparecido mais e mais vezes como um simples detalhe de caráter, em vez de um efeito monstruoso, e o sexo gay foi apresentado com mais intenção do que apenas um voyeurismo lascivo.

Em níveis de estúdio, ainda não há gays, lésbicas ou bissexuais o suficiente, e certamente não há personagens trans e genderqueer positivos suficientes para compensar os anos de estigmatização grosseira, mas o horror queer está ficando cada vez mais nuançado, polido e empático. E com um renovado aumento do conservadorismo social, a força bruta do cinema de horror será uma forma de arte essencial para reformular e criticar quem são os verdadeiros monstros da sociedade.

Chillerama (2011) – Dentro desta coleção de curtas temos o segmento “I was a Teenage Werebear“, um divertido musical ambientado na década de 1960, em que um jovem gay chamado Ricky O’Reily (Sean Paul Lockhart) sente-se preso com sua sexualidade até encontrar um grupo de “pais de couro”, que se transformam em feras quando estão excitados. Um exemplo de glamour codificado no cinema de monstros do novo milênio.

Chillerama (2011)

All Cheerleaders Die (2013)All Cheerleaders Die é uma história de “rape ‘n revenge” disfarçada como um filme de terror com adolescentes zumbis. A adolescente rejeitada Maddy (Caitlin Stasey) está guardando alguns segredos sobre Terry (Tom Williamson), o capitão da equipe de futebol americano de seu colégio. Ela convence as líderes de torcida a ajudá-la na busca de uma vingança. Mas os planos tomam um rumo inesperado depois de uma festa e as garotas são mortas. Um poder sinistro e sobrenatural intervém e as meninas reaparecem misteriosamente na escola no dia seguinte, com um novo visual e um apetite novo e incomum. Mas uma vez que você supera os talentosos duvidosos das líderes de torcida que lutam contra os jogadores de futebol, para notar que este é apenas um filme sobre duas garotas apaixonadas – e como os homens são um lixo.

Stranger by the Lake (2014) – Férias de verão. Um local de cruzeiro para homens, escondido às margens de um lago. Franck (Pierre Deladonchamps) se apaixona por Michel (Christophe Paou), um homem atraente, potente e letalmente perigoso. Franck sabe disso, mas quer viver sua paixão de qualquer maneira. Alain Guiraudie ganhou o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cannes e levou para casa o prêmio Queer Palm por causa deste filme.

Me chame pelo meu nome assassino que te chamo pelo seu!

Lyle (2014) – Esta versão moderna do Rosemary’s Baby dura pouco mais de uma hora e foi filmada em menos de uma semana. Gaby Hoffmann estrela como Leah, uma mulher grávida que, junto com sua esposa June (Ingrid Jungermann), está sofrendo uma tragédia recente enquanto se prepara para a chegada de seu novo bebê. Mas algo está errado, e a paranoia de Leah a leva a acreditar que ela está em perigo em sua própria casa. É um thriller angustiante onde os personagens principais são gays. Imagine isso!

The Babadook (2015) – O quê?  Você não esperava que um dos grandes ícones gays contemporâneos não fizesse parte desta lista? Quando uma cena (talvez real, talvez Photoshop) apareceu no filme de terror australiano de 2015 – sobre uma mãe solteira e seu filho sendo assombrado por uma criatura fantástica chamada Babadook (filme este listado na categoria de filmes LGBT da Netflix) os gays no Tumblr tornaram a estranha criatura num ícone queer. Em sua contabilidade de como todos nós recebemos “Babashook”, E. Alex Jung do Vulture escreve: “O Babadook usa um longo e andrógino casaco que somente certo tipo de moda gay poderia desejar na Comme des Garçons”. Este ano o B em LGBTQ é de Babadook!

The Neon Demon (2016) – Este filme de Nicolas Winding Refn é leve no enredo e pesado na estética. Jesse (Elle Fanning), uma aspirante a modelo, se muda para Los Angeles para viver da única coisa em que é boa: ser bonita. Em pouco tempo, ela estará seduzindo todo tipo de indústria da moda que encontrar, ou os chicoteando em uma raiva ciumenta. The Neon Demon leva o conceito de personalidade de Bergman (de mulheres se obscurecendo umas às outras) e faz disso um ato deliberado e insidioso. Há sexo, canibalismo e a experiência quase-orgásmica de encontrar a beleza transcendente.

Raw (2017) – A diretora Julia Ducournau combina canibalismo, exploração sexual e humor negro nesta história sobre amadurecimento, onde uma estudante universitária aprende uma verdade assustadora sobre sua natureza. As transformações dos adolescentes são horrorosas – houve uma versão adolescente de todos os monstros nos anos 50 – e os filmes de canibalismo praticamente saíram da linha de montagem no final dos anos 70 e início dos anos 80. Raw se diferencia de seus colegas na forma de como fazer sexo e comer carne humana pode tornar-se sensual sem ser vulgar. Depois de comer carne pela primeira vez em sua vida, Justine (Garance Marillier) é consumida por uma fome incontrolável, e começa a explorar seu corpo (e o corpo de outras pessoas também!) graças a sua companheira de quarto gay – e desafia a dinâmica de poder sexual pré-estabelecida que decide substituir seu condicionamento comportamental. Isso não é apenas um grande horror queer. É um ótimo ponto de terror verdadeiro!

What Keeps You Alive (2018) – Esta história de assassinato e vingança equilibra os aspectos historicamente problemáticos dos papéis lésbicos contemporâneos no horror com os elementos progressistas introduzidos pelo Novo Cinema Queer. É um thriller lésbico para a Era Moderna, sobre duas mulheres que comemoram seu aniversário de casamento em uma remota cabana nas montanhas, quando uma delas se apresenta como mitômana e uma potencial serial killer. As duas pistas são sexuais sem serem excessivamente sexualizadas. A antagonista está em conformidade com o arquétipo da lésbica letal, mas em um contexto totalmente gay – ela não está sendo avaliada contra as normas heterossexuais. Enquanto isso, a protagonista do filme excede os limites do “objeto passivo“, com um arco narrativo que permite que ela se transforme de uma vítima indefesa em agente de sua própria salvação. Como Lestat e Louis em Entrevista com o Vampiro, Jules (Brittany Allen) e Sarah (Martha MacIsaac) permitem que as delícias lascivas do horror tradicional existam e sejam elevadas pela crescente nuance do horror no século 21 – porque o gênero está no seu melhor momento quando se entende o passado bem o suficiente para tirar o lixo, manter as coisas boas e incorporar uma sensibilidade moderna que mantenha o horror sempre avançando.

*   *   *

Resumindo, mesmo com uma onda crescente de ignorância político/religiosa banhando todas as faces da cultura pelo mundo, o Cinema Queer estende-se a outras áreas da telona com inteligência, refinamento e criatividade. Há uma interseção inegável entre ser gay e um fã do macabro e este novo (pero no mucho!) estilo de assustar nos apresenta um revival da época mais maravilhosa do cinema de gênero.

Abaixo uma pequena lista de mais alguns títulos significativos do gênero

INTERNACIONAL

Mais Ne Nous Delivrez Pas Du Mal (1971)
Lemora: A Child’s Tale of the Supernatural (1973)
Butcher, Baker, Nightmare Maker (1981)
Calvaire (2004)
Rohtenburg (2006)
Cthulhu (2007)
Socket (2007)
Waris Jari Hantu (2007)
Black Swan (2010)
Denizen (2010)
We Are the Night (2010)
Días de Gracia (2011)
Famine (2011)
The Moth Diaries (2011)
L’Apollonide: Souvenirs de la Maison Close (2011)
Red State (2011)
The Roommate (2011)
Jack & Diane (2012)
The Summer of Massacre (2012)
ParaNorman (2012)
Kalpana (2012)
Axeman (2013)
Proxy (2013)
Hippocampus M 21th (2014)
Sauna the Dead: A Fairy Story (2014)
Maléfique (2014)
The Butchers (2014)
Stage Fright (2014)
The Unwanted (2014)
Córki Dancingu (2015)
Alena (2015)
La Region Salvaje a.k.a The Untamed (2016)
Tenemos la Carne (2016)
Pitchfork (2016)
Thelma (2017)
Rökkur a.k.a Rift (2017)
The Heretics (2017)
Boarding School (2018)
Un Couteau dans le Coeur (2018)
Bliss (2019)
The Furies (2019)
It Chapter Two (2019)
The Perfection (2019)

NACIONAL

Batguano (2014)
“J” é para Jesus (2014)
As Bodas do Diabo (2015)
As Boas Maneiras (2017)
Lady Killer (2017)
O Bosque dos Sonâmbulos (2017)
Para Minha Gata Mieze (2018)
Bacurau (2019)

Leia também:

Parte VI: Década de 2000 – De fora, porém orgulhoso

Parte V: Anos 1990 – Novo Cinema Queer e Papais-Vampiro Gays

Parte IV: Anos 80 – Conservadorismo, AIDS e a incorporação Queer

Parte III: Anos 70 – Vampiras lésbicas e criaturas bissexuais

Parte II: Os Anos 50 – Monstros cafonas e mais subtextos queer

Parte I: Horror Queer – Quando o medo é a baixa representatividade

FONTE: Artigos traduzidos de uma publicação do site Vulture.com

 

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.4 / 5. Número de votos: 7

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Iam Godoy

Escritor, colunista, fotógrafo, libertino, subversivo e um porra-louca sem noção do perigo. Comanda desde 2013 o site Gore Boulevard, antro de clássicos e bagaceiras sangrentas.

7 thoughts on “Horror Queer – Parte Final: 2010 – Eles estão aqui. Eles são Queer. Acostume-se com isso

    • 10/03/2021 em 10:11
      Permalink

      Caro amigo Cleidson…em nenhum momento eu citei que criei o texto…inclusive deixei todas as fontes no final de cada texto. Você diz que estou me valendo da falta de instrução do “brasileiro médio” que não visita ou lê artigos em inglês, mas foi exatamente por este fator (claro que evitando o seu termo meio que racista de “brasileiro médio”) que decidi traduzir o material para que todos os fãs do gênero conheçam mais sobre a cultura queer e suas vertentes, algo que só começou a ser divulgado em terreno nacional à pouco tempo…

      Resposta
  • 22/01/2021 em 09:09
    Permalink

    Eu amo como O babadook ter entrado na lista de filme LGBTQ da Netflix começou como piada e meme, e depois disso foi totalmente engolido por essa ideia. A Maldição da Mansão Bly, apesar de não ser série e filme, também tem uma representatividade enoooorme por trazer uma protagonista queer que você só descobre depois de ter se apegado a ela.

    Resposta
  • 21/01/2021 em 22:02
    Permalink

    Tem alguns comentários tão desnecessários. Em pleno século XXI e alguns não compreendendo a necessidade de textos assim.

    Embora o Reino dos Rednecks esteja fazendo muito barulho dentro dos EUA, acredito que mais produções trabalhando a temática horror queer acabarão aparecendo, notadamente nos streamings

    Resposta
  • 19/01/2021 em 17:15
    Permalink

    Textao egocentrico que ninguem leu. kkkk

    Resposta
    • 19/01/2021 em 22:52
      Permalink

      Mas Timothy, vc tá aqui só pra destilar amargura mesmo? Puta merda, cara, vai comentar algo que vc gosta pelo menos!

      Resposta
    • 10/03/2021 em 10:18
      Permalink

      Caro Timothy…Daltonismo é a dificuldade de enxergar cores como o vermelho ou o verde sendo que existem os casos mais graves, em que a pessoa não enxerga cores. Essa dificuldade tem origem genética, mas também pode ser proveniente de alguma lesão nos olhos ou neurológica.

      Então eu te perdôo por não conseguir enxergar o vermelho e o rosa de quaisquer um dos textos sobre Horror Queer…tenha um bom dia e #peidosdeluz

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.