A Hora do Exorcismo (2019)

4.7
(10)

A Hora do Exorcismo
Original:The Cleansing Hour
Ano:2019•País:EUA
Direção:Damien LeVeck
Roteiro:Damien LeVeck, Aaron Horwitz
Produção:Shirit Bradley, Dan Clifton, Damien LeVeck, Natalie LeVeck
Elenco:Ryan Guzman, Kyle Gallner, Alix Angelis, Chris Lew Kum Hoi, Daniel Hoffmann-Gill, Emma Holzer, Joanna David

Depois de passagem por festivais de cinema europeu e pelo americano Fantastic Fest, The Cleansing Hour foi adquirido pela plataforma Shudder e encontra-se disponível na Amazon com o título A Hora do Exorcismo. Trata-se de uma curiosa produção de possessão e exorcismo que só encontrei paridades com a sátira A Repossuída, de Bob Logan, no que se refere ao exagero popular. O longa, inspirado em um curta do próprio diretor, Damien LeVeck, lançado em 2016, mostra o quanto as pessoas perdem tempo com qualquer tranqueira, seja na TV aberta ou nas redes sociais, idolatrando influencers e pseudo-artistas. Neste caso, temos um exemplo de vingança sobrenatural, como se o Diabo estivesse finalmente cansado de ter o seu nome associado a produtos de qualidade duvidosa.

Antes de analisar a produção propriamente dita, peço licença para um aparte. Não se trata de um exagero ficcional imaginar um programa na internet que inventa situações de terror para chamar a atenção. Há canais no youtube e instagram no Brasil mesmo que trazem visitas a lugares considerados assombrados ou até realizam sessões espíritas ou com tábua ouija para trazer entretenimento ao público. Como não encontram nada de assustador no processo – só em Atividade Paranormal que os fantasmas e demônios gostam de aparecer em vídeo -, eles criam situações para permitir veracidade à experiência, ainda que muitas pessoas saibam que nada daquilo é verdade. E são bastante populares, com muitos acessos e um público fiel, acompanhando lives e vendo até coisas que não existem pela tela do celular. Por mais absurdo que pareça, The Cleansing Hour é um retrato fidedigno desses criadores de falsos conteúdos.

No enredo, a trupe do falso-padre Max (Ryan Guzman, de O Garoto da Casa ao Lado) é experiente em criar exorcismos de mentira. Com milhares de acessos, eles apresentam lives em que pessoas são exorcizadas em frente às câmeras, com direito a efeitos criados pelos próprios para impressionar os espectadores, e até merchandising com anúncio de produtos e serviços. Além de Max, a equipe tem o apoio de Drew (Kyle Gallner, de Pânico e A Hora do Pesadelo), que cuida das transmissões e desenvolve o roteiro com fidelidade a ritos de exorcismos adequados a determinados demônios. Depois que a próxima convidada é atacada antes de chegar ao local das gravações, a noiva de Drew, Lane (Alix Angelis), uma aspirante atriz, oferece-se para assumir a cadeira da possuída da semana, mas, assim que o programa entra no ar, ela realmente incorpora um exemplar extremamente poderoso e com intenções grandiosas.

Não demora muito para Max e o restante da equipe perceberem que se trata de uma possessão real. Até tentam pedir ajuda ao público, porém somente com a finalização de um verdadeiro exorcismo conseguirão talvez salvar a alma de Lane e a própria pele. A entidade demoníaca exige que todas as mentiras sejam reveladas, até mesmo as que envolvem o passado do apresentador, quando era obrigado a seguir preceitos religiosos numa educação extremamente rigorosa, e mostra seu poderio com pirotecnia e ilusões. Parece que somente um ato de redenção espiritual possa trazer a fé necessária para um enfrentamento, ou talvez exista algo além de um simples castigo.

The Cleansing Hour promove um show de combate ao inimigo sobrenatural. Toda a ação é acompanhada por um público fiel, lembrando até os olhares atentos dos populares no Show do Truman (1998) – se há um menino engomadinho e seu ursinho de pelúcia e até um moça que aguarda que seu veículo seja arrumado, faltou apenas o espectador da banheira. Com bons efeitos especiais, principalmente na movimentação das criaturas e do próprio vilão encarnado, além de contar com as ótimas atuações de Ryan Guzman e Alix Angeli, o longa se mostra uma boa surpresa dentro de um subgênero já desgastado com vômitos e cabeças que giram. Alguns acertos no roteiro em seu último ato – e também uma atenção à continuidade como a toalha que some e aparece entre as tomadas no braço da possuída – e o filme figuraria facilmente entre muitas listas dos mais reconhecidos do gênero. Chegou perto disso, mas a mensagem não deixou de ser transmitida.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.7 / 5. Número de votos: 10

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

2 thoughts on “A Hora do Exorcismo (2019)

  • 04/07/2022 em 17:16
    Permalink

    eu achei bem divertido e não esperava nada dele
    por isso gostei
    esperava nada e entregou diversão

    Resposta
  • 27/05/2022 em 01:40
    Permalink

    Se vocês deram 💀💀💀💀 então irei verificar está obra

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.