Pânico (2022)

4.6
(17)

Pânico
Original:Scream
Ano:2022•País:EUA
Direção:Matt Bettinelli-Olpin, Tyler Gillett
Roteiro:James Vanderbilt, Guy Busick
Produção:Paul Neinstein, William Sherak, James Vanderbilt
Elenco:Neve Campbell, Courteney Cox, David Arquette, Marley Shelton, Melissa Barrera, Jenna Ortega, Dylan Minnette, Jack Quaid, Jasmin Savoy Brown, Sonia Ammar, Mikey Madison, Mason Gooding, Kyle Gallner

Retornar a Woodsboro é ter a oportunidade de rever velhos conhecidos e ser ameaçado por um assassino mascarado, alguém que faz ameaças por telefone e propõe um jogo de perguntas e respostas que podem ou não determinar a sua sobrevivência. Ainda que o argumento principal, estabelecido em uma das principais obras de Wes Craven, seja sempre o mesmo, é divertido acompanhar a luta dos personagens para tentar entender o padrão de escolha de vítimas do vilão, enquanto passa a desconfiar de todo mundo. O diferencial está no comando, desta vez a cargo da dupla Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett (responsáveis pelo interessante Casamento Sangrento), e na proposta de não apresentar mais uma continuação da franquia, mas um reboot, tão em voga atualmente no gênero.

Com a mudança na direção, a partir da morte de seu mentor, a principal dúvida dos fãs da cinessérie era saber se o novo filme iria seguir os moldes pré-determinados por Wes Craven – principalmente a autoparódia – ou se teríamos uma produção em um ritmo próprio. Se as regras são o que determinam a sobrevivência no gênero como Randy apresentou no primeiro filme, o mesmo poderia valer para a realização de uma continuação/reboot: mudar completamente a estrutura seria um jogo tão arriscado quanto identificar os atores que estrelaram uma produção cult. Aqueles acostumados com um estilo de filme pedem respeito ao padrão original, mas querem ver algo novo, tão grandioso quanto. E está aí a principal motivação para acompanhar o novo Pânico, um reboot que não apenas dá continuidade ao legado do criador de Freddy Krueger como traz elementos e ousadias que tornam a experiência tão gratificante quanto foi aquela realizada em 1996.

Como era de se imaginar, antecipado pelo trailer – embora este engane bastante – o novo filme traz sangue novo ao mesmo tempo em que resgata personagens que já apareceram nos filmes anteriores. Na trama da vez, Samantha Carpenter (Melissa Barrera) percebe que ela, sua irmã e seus amigos são o alvo principal de uma figura mascarada, que conhece os segredos mais obscuros do grupo e está disposta a traçar um plano de violência e morte. Desesperada, ela pede ajuda ao experiente Dewey (David Arquette), que entra em contato com Sidney (Neve Campbell) e Gale (Courteney Cox). É claro que para entender os passos do serial killer é preciso determinar as novas regras de sobrevivência, respeitar as referências e ficar atento aos detalhes que podem trazer pistas da identidade de Ghostface.

Mesmo que esse seja o principal mistério de um slasher whodunnit, Pânico diverte pelo modo como os novos personagens são introduzidos, pela identificação ao passado da franquia – a conexão é feita de maneira inteligente ao mostrar como alguns herdaram os papéis que moldaram a fórmula. E ainda faz jus ao subgênero pela violência das mortes, e pelo ritmo intenso das cenas de tensão como nunca antes visto. Diferente dos filmes anteriores em que acontecia uma cena de morte e depois demorava um tanto para que outro personagem tenha um encontro com a faca do assassino, no roteiro de James Vanderbilt e Guy Busick, com produção executiva de Kevin Williamson, a dinâmica é acelerada, com um alto número de vítimas, sequências de perseguição, claustrofobia e suspense.

Além de Samantha, que não segue o padrão Sidney de mocinha indefesa, Pânico traz um grupo interessante de personagens como Mindy (Jasmin Savoy Brown), sobrinha de Randy, e Wes (Dylan Minnette), filho da policial Judy (Marley Shelton), que apareceu no quarto filme, além, é claro, dos típicos estereótipos da franquia: o briguento Vince (Kyle Gallner), o esportista Chad (Mason Gooding), a rebelde Liv (Sonia Ammar), a amiga de todos Amber (Mikey Madison) e o namorado de Samantha, Richie (Jack Quaid). Com a receita conhecida e a sugestão de que não se deve confiar em ninguém, logo esses personagens terão que enfrentar seus limites, encarar medos e resistir aos ataques do assassino, com o apoio daqueles que já sobreviveram às ações de Ghostface anteriormente.

É claro que o filme traz algumas liberdades criativas que podem ser vistas como defeitos pelos mais exigentes – e que talvez não estejam muito familiarizados com os filmes anteriores. Personagens que são gravemente feridos – facadas e até alvejados – e logo depois já protagonizam outras sequências de ação ou parecem não sentir mais a gravidade do ato. Ora, Pânico não é um retrato da realidade, mas um estilo exagerado de homenagem ao cinema de horror, aquele mesmo que você curte ainda que o assassino se apresente como imortal somente para aparecer numa eventual continuação.

Com o sucesso promissor, o novo filme da franquia Pânico pode servir realmente como o começo de uma nova série de filmes, talvez uma trilogia. Agradando à crítica e ao público, a realização de continuações pode acontecer naturalmente porque o filme é realmente muito bom, um acerto de seus responsáveis e que honra o que fora visto anteriormente sem desgastar a fórmula. É provável que um retorno a Woodsboro seja felizmente inevitável, principalmente em uma época em que os slashers têm trazido um frescor ao gênero, depois de duas décadas de casas assombradas, zumbis maratonistas, horror elevado e found footages.  Não me importaria em acompanhar novos telefonemas de Ghostface, com novos jogos de perguntas e respostas e a promoção de outras regras de sobrevivência, desde que perpetue o que a dupla de diretores fez tão bem.

 

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.6 / 5. Número de votos: 17

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

2 thoughts on “Pânico (2022)

  • 17/01/2022 em 16:19
    Permalink

    Eu gostei do filme no mesmo nível da primeira e quarta entrada da franquia. No entanto, acho que faltou algo a mais no terceiro ato, a cereja do bolo poderia ter ficado melhor, metaforicamente falando. A obra em si contém todos os elementos que tornam a franquia tão aclamada, mas as mortes bem que podiam ser mais elaboradas, mas até que isso não é um problema.

    Resposta
  • 15/01/2022 em 18:57
    Permalink

    Não tem jeito. Eu tenho um crush pelo 1° filme da franquia <3

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.